31 de jan de 2014

AMANHECER NO PARQUE DO MOCAMBO - PATOS DE MINAS

ENTRADA DO PARQUE


POMBA REFLETIDA


PASSARIM DESCONHECIDO

GATIM NA ÁREA DO PASSARIM

POLEIRO DE PASSAROS

GARÇA TOP

MELÃO DE SÃO CAETANO
COISA DE MINHA INFÂNCIA.
A GENTE CHUPAVA AQUELAS
BAGAS VERMELHAS E DOCES


MELÃO DE SÃO CAETANO
AINDA FECHADO

A NÉVOA ENVOLVENDO
O LAGO
NÉVOA NAS COPAS
DAS ÁRVORES





MICO CURTINDO COM
A MINHA CARA.

O DE CIMA NÃO PAGA MICO:
É ACROBATA!







29 de jan de 2014

FERNANDO PESSOA DISSE...

Fernando Pessoa

"O homem prefere ser exaltado por aquilo que não é a ser tido em menor conta por aquilo que é. É a vaidade em ação."




Imagem: BERLINDA.ORG
http://www.berlinda.org/pt/reportagens/leituras/sorteio-jantar-literario-com-fernando-pessoa/



27 de jan de 2014

CATIMBA, DESLEALDADE E VIOLÊNCIA NA COPINHA. ASSIM SÃO OS FUTUROS JOGADORES DE GRANDES TIMES BRASILEIROS

Vou ficar só na final, apesar de ter visto incidências em jogos das várias etapas do torneio.  
O Santos vencia por 2 x 0. Houve uma falta a favor do Corinthians. A bola correu na direção de um jogador do Santos, o qual, em "belo" lance de calcanhar", tocou-a para trás, para mais longe do local da falta. Para ganhar tempo, óbvio. O árbitro estava próximo e não deu a mínima. Tenho visto muita coisa igual ou parecida, em jogos de Campeonato Nacional, sem qualquer reprimenda dos árbitros. Isto irrita o prejudicado e, às vezes, descamba em empurrões, que podem virar violência maior. Jogadores da série A do Campeonato Nacional, na minha opinião - e apenas no que diz respeito ao desrespeito por juízes e por adversários - já são carne que não adianta mais salgar. Ganhar tem sido a qualquer preço. Acho de péssimo gosto deixar que jovens das divisões de base comportem-se do mesmo jeito. Penso que uma das formas viáveis de reduzir os índices de violência, em qualquer setor, é "esperar morrerem" os violentos de hoje e tentar evitar ou, pelo menos, reduzir a chegada de novos.
No final do jogo, o goleiro do Corinthians aplicou o "golpe do desespero": em um escanteio, foi para a área do Santos. Alçada a bola, saltou com o goleiro santista e, na saída do bolo que se formou, tocou, com o pé, a cabeça do colega de posição adversário, provavelmente sem intenção. Parece que algum santista foi reclamar, tendo sido o bastante para que o goleiro do Corinthians lhe aplicasse uma cabeçada, sem qualquer providência imediata do juiz. Houve alguma confusão, quando um atacante do Corinthians bateu com a mão no rosto de um santista. Ficou de graça, também. Começou uma confusão e o árbitro acabou expulsando o goleiro do Corinthians e um defensor do Santos. Ação tardia e falha, quanto ao jogador que estapeou o adversário.
Observo, contrariado, que esses serão os jogadores profissionais nos próximos dois ou três anos, alguns com possibilidades de serem convocados para a seleção brasileira.
Dá saudade do Telê, tá sabendo?

Imagem: Rede Vida
http://www.redevida.com.br/noticia.asp?id=13032








20 de jan de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - PAULO VANZOLINI

Paulo Vanzolini
Vanzolini em momento de boemia.





Voltei ao problema
por outro sistema
e tomei formicida.
E tive a maior surpresa de minha vida,
Descobrindo, assim,
que o que andavam servindo
aqui no botequim,
não era Tatuzinho - 
chá de briga.
Era o tatu mesmo,
o fazedor de orse de formiga.



Paulo Vanzolini, em "Samba do Suicídio".  

Pode ser ouvido, cantado pelo autor, em
letras.mus.br/paulo-vanzolini/1656992/



Nota do cadikim: está assim no link acima.No 

link do uol, idem. Não encontrei, até agora, 
significado da palavra "orse" que desse 
sentido à frase.
Compreensão do cadikim: "fazedor de 
orfe de formiga", ou "órfão de formiga", 
referido-se a Formicida Tatu.


Imagem: Música (é Magia) Para Todos – RJ

http://musicamagia.wordpress.com/2013/04/29/paulo-vanzolini-1924-2013/


5 de jan de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - PAULO CÉSAR PINHEIRO E JOÃO NOGUEIRA


"E eu, sem ter maldade,
na inocência de criança de tão pouca idade,
troquei de mal com Deus,
por me levar meu pai."


João Nogueira, em “Espelho”.
Autoria: João Nogueira
             Paulo César Pinheiro


Miniatura






Para ouvir com João Nogueira, clip em vídeo:

1 de jan de 2014

UM VÔO POR UM FIO DE CABELO









Parlamentar reincidente
Que um senado negligente
Aceita compartilhar
Cadeiras de “homens sérios”,
Sem revelar os mistérios
De uma atitude abusada,
Agora reiterada
- será apenas uma a mais?:
Voar nas asas da FAB,
Já sabendo que não cabe
No rol das coisas legais?


Afirma que pagou uma
E a outra paga também.
Faz-me pensar que é do bem
Fretar avião oficial,
Desde que pague depois.
Ora pois! Então, requeiro
Que a máxima autoridade
- em gesto de equidade -
Autorize, imediatamente,
Este mero cidadão,
Não mais que reles mortal,
Que a Carta diz ser igual,
Livre de discriminação,
- o que me deixa fagueiro -
A voar, por um momento,
Em viagem, sem deslize,
Naquele mesmo avião,
Podendo levar amigos
E roda de malandragem,
Com direito a choro e samba,
Só alegria de bamba,
Pelos céus deste Brasil.
Pagarei cada centil
Sem me importar com o preço
Acho, mesmo, que mereço
Ter mordomia igual
A qualquer cara de pau,
Que – argumento ardiloso –
De por alto cargo exercer,
Se ache mais poderoso
Do que o próprio poder.


Diz a nota que o motivo
Foi de ordem capilar:
Milhares de novos fios
Pra disfarçar a calvície.
Que, ao povo, em sua estultice,
Vale mais, em eleição,
Mostrar belo corpo são,
Pois não comporta disfarce
O que vai dentro da face.
Assim – vale lembrar –
No correr desses dez meses
Que antecedem novo pleito,
Prazo em que se operará
A magia capilar,
O que se mostra sempre torto
Há de parecer direito.


É bom a gente lembrar
De que Gepetto, em Pinocchio,
Implantou pelos humanos
Sobre a careca de pau.
Mais tarde, a fada madrinha
Prometeu, diante do berço,
Que Pinocchio poderia
Ganhar bela forma humana
Ter cérebro e até coração,
Se um dia qualquer cuidasse
De praticar boa ação.
Quem sabe – é só fantasia –
O senador conseguiria
Ganhar todo esse apanágio,
Cumprindo da fada o presságio,
De se tornar ser pensante,
Pulsante, ético e humano,
Com cérebro e coração,
Se, até com sacrifício,
Conseguisse o milagre,
- mesmo um cabeça de bagre,
De praticar boa ação.



Ora pois! Fingindo inocente,
Perguntou ao Comandante,
Se o vôo foi coerente
Com a norma pertinente.
Comandante franze a testa
Pensando: “pensa nós besta”?
Se acha que a coisa está preta,
Não me inclua na mutreta.
Pergunte pra Presidente!
E, se ela não quiser prosa,
Pergunte ao Joaquim Barbosa
Que, sempre do início ao fim,
Explicará, certamente,
- e mui delicadamente -
Tudo tim-tim por tim-tim.


Pra que incomodar o Ministro,
Se o objetivo sinistro
É por em forno bem quente
Tudo quanto é ingrediente:
Manjericão, alecrim, manjerona,
Calabresa, presunto, azeitona,
Sabores de queijos diversos,
Sobre a massa, bem sovada
- sempre a base do banquete -
Que elege, em quatriênios,
Parlamentares perversos?


Foto: Reino da Fantasia.