29 de abr de 2015

AONDE AS MUTRETAS DO PODER ENCONTRAM DIFICULDADE



Parece que é fácil, mas não é nada! A maior dificuldade decorre exatamente do grau de confiança entre mutreteiros. Desde o Século V a.C, conforme René Goscinny e Albert Uderzo, os cracões das Aventuras de Asterix, o Gaulês.




NAS LETRAS DAS NOSSAS CANÇÕES - OS MENINOS DA MANGUEIRA




"E a Velha Guarda se une aos meninos
lá na passarela.
Abram alas que vem ela,
A Mangueira toda bela."



Rildo Hora


sergio cabral
Sérgio Cabral
Rildo Hora e Sérgio Cabral, em "Os Meninos da Mangueira".










Para ouvir com Ataulfo Jr:
https://www.youtube.com/watch?v=D4KHg_VFmT8

Foto Rildo Hora: Discogs.
http://www.discogs.com/artist/751081-Rildo-Hora

Foto Sérgio Cabral: Turismo em Santos - SP.
https://santosturismo.wordpress.com/2013/04/19/fams-historia-oral-entrevista-sergio-cabral/


Comentário do blogueiro:

Tenho dito muitas vezes que a renovação é a pedra de toque da eficiência e da eficácia. Seja nas artes, nos esportes, nas ciências...
Hoje, fui visitar nosso matinho, sobrevivente aos ninhos das pombinhas, na janela da área. As florezinhas, mimosas, de um tom azul-violeta muito bonito, desabrocham por volta das nove da manhã para recolherem-se por volta de uma da tarde. Observei que muitas folhas, que estavam bem verdinhas quando do início do desenvolvimento da planta, encontram-se, hoje, secas ou amareladas. Pensei em eliminá-las, para obter uma imagem preconceitualmente mais bonita. Dei um passo atrás na hora, e 
lembrei-me de "Os Meninos da Mangueira". Sempre usei a frase final do samba, para admirar quanto uma comunidade de poucas letras, principalmente ao tempo da composição do samba (década de 1970), é capaz de realizar e de manter as realizações, (a tal de sustentabilidade), com uma fórmula tão simples. Pior é que a premissa é dada pela natureza mesma: a vida evolui no íntimo convívio do nascimento com a morte. Alguns espirituosos dizem que o cemitério está cheio de insubstituíveis. Pura verdade! A renovação é a pedra de toque. Aproveito para postar duas fotos da mesma cena: uma inteira, mostrando a convivência pacífica e bela de flores lindas com folhas verdes, amarelas e secas; a outra, preconceitualmente mais agradável, mostrando apenas as mesmas flores entre folhas verdes. Esta última não é a imagem conceitual da evolução.










O POETA WANDER PORTO DÁ O AR DE SUA GRAÇA - SOBRE AMOR, EQUADOR DOS TEMPOS








SOBRE AMOR, EQUADOR DOS TEMPOS







Uma gota de voz é um temporal de estrondos
No silêncio dos céticos.

Um gesto de abraço é uma floresta de mel
No paladar dos amargos.

Uma voz de paz é um estopim de levantes
Na inépcia dos cínicos.

Um rock'n roll é um guindaste de encantos
Na inércia dos caídos.

Um jornal diário é a biografia dos valentes
No desânimo dos opressos.

Um aplauso de pé é a homenagem dos vivos
Ao descanso dos mortos.

Um vagido de parto é a convocação do novo
No reduto dos arcaicos.

Uma alma alegre é o contraponto dos felizes
Ao resmungo dos tristes.

A carne lanhada foi a semente de sangue
Que igualou os adjetivos
E um canto de colheita equalizou os desejos
Ao dividir os tempos!

Uma cantiga de afeto é o coral que deságua
No encanto dos comuns.

A fome de viver é o vapor da caldeira
No comboio dos futuros.

A audácia de ser é o conhaque que esquenta
Os regozijos de inverno.

A capacidade de espanto é o riso atrevido
Que subleva os tímidos.

O verso em chamas é o hino que encanta
O trabalho dos dias.

Um poema de amor é a revolução que legamos
Ao coração do instante!


Arte: Wander Porto - LOLITA NEGRA - Acrílico s/ Tela - 1,40 x 1,10


28 de abr de 2015

ACABO DE VER O SASSI!





Assim mesmo, com dois "ss", branco, duas pernas, envergando a jaqueta número seis do F.C. Metz, jogando contra o PSG, pelo campeonato francês.



Imagem: ivanirfaria.
https://ivanirfaria.wordpress.com/2012/05/19/folclore-brasileiro-saci-perere/

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - O SAMBA DO CRIOULO DOIDO




"O bode que deu vou te contar."






Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto) em "O Samba do Crioulo Doido".




Para ouvir com o Quarteto em Cy: VALDO RESENDE.
http://valdoresende.com/tag/serafim-ponte-grande/

Nota do cadikim:

1. Indica-se a apreciação do samba, bem como os argumentos que orientaram o estudo que Valdo Resende (http://valdoresende.com/tag/serafim-ponte-grande/) publicou na mesma página em que está a gravação.
2. Indica-se a leitura, na página de "Homo Literatus" (http://homoliteratus.com/o-nosso-eterno-festival-de-besteira-que-assola-o-pais/), de referências ao FEBEAPÁ (Festival de Besteira que Assola o País). Crítica que ainda é muito atual.

DISSE STANISLAW PONTE PRETA



"Mosquito sabido morde primeiro e faz zunido depois."




stanislaw ponte preta



Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta)













Foto: Homo Literatus.
http://homoliteratus.com/o-nosso-eterno-festival-de-besteira-que-assola-o-pais/

27 de abr de 2015

A VINGANÇA DO PONTA ESQUERDA



MOSAICO Oswaldo de Oliveira Marcelo Fernandes 26/04/15




Marcelo Barreto, âncora no programa "Seleção", pela SporTV, discutiu
os comportamentos dos treinadores do Palmeiras e do Santos, no jogo de ontem, primeiro da final do paulista de 2015. Ambos foram expulsos de campo, mas continuaram prestando assistência a seus times. O do Santos mais na moita, em um canto de arquibancada, de onde transmitia instruções captadas por movimentos labiais. Já o do Palmeiras escrachou: introduziu-se no meio da torcida palmeirense, na primeira fileira fora do campo, e dali passava instruções, alto e bom som. Indicava substituições, ocasiões em que o substituto aproximava-se dele, ouvia instruções e partia para o campo.
Não teria dado importância a essas irregularidades, já que o que mais se vê em nosso futebol são irregularidades. Mas a importância veio de um episódio que o Cleber Machado - narrador da rede Globo, presente no programa - contou para nós.
Disse que foi o Falcão quem lhe transmitiu: Durante um jogo Grêmio x Inter, o treinador do Grêmio pegou no pé do ponta esquerda do seu time: dá duro, sô! (perdão, che!); corre mais! marca! dá combate!... O jogador já estava cansado da encarnação do técnico. Foi quando se deu o milagre: o treinador foi excluído do jogo (contaram-me, no mesmo programa, que, para treinador, não se usa expulso).
Embora excluído, continuou perto do túnel, gritando instruções para os jogadores.
Foi quando o ponta esquerda aproximou-se do árbitro e falou-lhe, baixinho:
- O senhor expulsou (sacrilégio!) o treinador mas ele está lá fora, dando instruções ao time. O senhor não vai fazer nada?
O árbitro tomou atitude e defenestrou o treinador, para tranquilidade do ponta esquerda traíra.


Foto: ESPN.

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - O ORVALHO VEM CAINDO



"Meu cortinado é o vasto céu de anil."



Noel Rosa


Kid Pepe
(José Gelsomino)


Noel Rosa e Kid Pepe em "O Orvalho Vem Caindo."






Para ouvir com Noel Rosa:
http://letras.mus.br/noel-rosa-musicas/787555/

Foto de Noel: Anna Ramalho.
http://www.annaramalho.com.br/news/blogs/anna-ramalho/6944-arquivo-nacional-exibe-documentario-sobre-noel-rosa.html

Foto de Kid Pepe: Geocities
http://www.oocities.org/br/biografiaschiado/BiografiaKidPepe.htm

26 de abr de 2015

RADICALISMO EM MATÉRIA DE TRÂNSITO

Penso que o problema crucial de nosso trânsito é a falta de educação, que gera falta de respeito. E, quando alguém desrespeita, costuma alegar que o desrespeitado que reage é radical.
Vejo a questão do radicalismo como uma linha com duas pontas. Uma pessoa sozinha, cuidando de si própria, por qualquer maneira que o faça, não é radical. O radical implica na existência de radical na outra ponta. No Popular, costumo dizer que o diálogo do radicalismo é:
- Desce a calcinha!
- Não desço, não!
Quem não desce é radical.
Por isto, colhi dois flagrantes de radicalismo, em matéria de trânsito, ambos relativos a desrespeito de algumas pessoas que estacionam em qualquer lugar, sem se tocarem que estarão incomodando. As imagens são eloquentes.

ECOLOGIA FICA PARA DEPOIS...

Ouvi, pela tv, agora à tarde, que ocorreu um vazamento de petróleo no mar, e que duas praias foram atingidas, uma delas aquela aonde fica o Projeto Tamar, para proteção de tartarugas marinhas.
O narrador disse que as autoridades recomendaram que as pessoas se abstenham de ir à água, naquela praia.
As tartarugas?...
Bem, as tartarugas...


Foto: Mariana Bellissi
http://www.marianabellissi.com.br/category/destinos/america-do-sul/brasil/praia-do-forte/

MENININHA LAURINHA - CAPÍTULO III







- Mamãe, poi favoi, fala que hoje tem aula? Eu tô com muita saudade da tia Aline e da tia Larissa. (Aline Gonçalves Souza e Larissa Faria).




Foto: Lelê (Helena Clebicar).

25 de abr de 2015

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - QUERO QUE VÁ TUDO PRO INFERNO


"Só quero que você me aqueça neste inverno
E que tudo mais vá pro inferno."






Roberto Carlos e Erasmo Carlos em "Quero que vá tudo pro inferno".




Para ouvir com Roberto Carlos:
http://letras.mus.br/roberto-carlos/48671/

Foto: O Baú do Edu.
http://rc70obaudoedu.blogspot.com.br/

MINHA BELEZA INTERIOR

Minha mulher gaba-se de conhecer, como muito pouquíssimas pessoas, detalhes de minha beleza interior.
Demais pouquíssimas pessoas são um cirurgião-chefe, alguns cirurgiões auxiliares, um anestesista e vários(as) enfermeiros(as) que participaram de uma grande cirurgia a que fui submetido, há mais de oito anos.
Ela - que esteve presente todo o tempo - conta que os órgãos estavam todos bonitos (do ponto-de-vista dela, que é médica, claro).
Foto 1 - SES - mutirão de cirurgias de vesìculaOlha, gente! Fui procurar uma imagem do tipo de cirurgia. Acho que ninguém verá qualquer beleza, no vídeo que encontrei. Mas, para eventual curioso, transmito o link: https://www.youtube.com/watch?v=aVL-PBsREws. Transmito apenas, para os normais, um episódio de bloco cirúrgico, não chocante.


Foto: Jornal Pequeno.
http://jornalpequeno.com.br/2013/05/20/hospital-geral-realiza-mutirao-de-cirurgias-de-vesicula/

A BELEZA DAS CHUVAS DA TARDE

Costumava achar que chuva deveria ter hora marcada. De madrugada, por exemplo. Já pensou o soninho gostoso, com o pinga-pinga? É! Mas há quem trabalhe durante a madrugada. Não é bom para todo mundo, não.
E a chuva da tarde? Costuma perturbar muito! O trânsito fica complicado. As pessoas ficam atrasadas...
Ah! Mas tem vantagem, também, uai! É a chuva da tarde que nos traz a beleza dos arcos iris.
Valeu!


Foto do blogueiro, série "Da Minha Janela".

24 de abr de 2015

MENININHA LAURINHA - CAPÍTULO II



Laurinha olhando na janela, agora cedo (lá em Passa Quatro, e foi ontem).
Laurinha:
- Olha lá o meu gato...
Mãe:
- Que gato, filha?
Laurinha:
- O Osto, mãe (é Washington, nome do bisavô da menininha).
Mãe:
- Mas o Osto é cachorro e não gato.
Laurinha:
- Eu tô falando gato de amoi, mãeeee...








Foto: Helena Clebicar (mãe).




23 de abr de 2015

DATA DO NASCIMENTO DE PIXINGUINHA - DIA NACIONAL DO CHORO

Foto: Paula Lacerda
Walter (E), marrento como o conheci!


Há mais de sessenta anos deixei-me envolver pelo choro. Foi quando matriculei-me na Escola de Formação Musical da Polícia Militar de Minas Gerais. Ali, na Banda de Música do Batalhão de Guardas, e na Orquestra Sinfônica da PM, conheci músicos de alta linhagem: Ney Parrela (clarineta, sax...); Patrocínio e Plínio, pistonistas; Dolarino e seu irmão Nego, trombonistas; Salvador Villa, clarinetista muito metido, mas muito da pesada; Sebastião Viana, flautista e maestro elegantíssimo da orquestra... gente já formada e muito conhecida no meio. Na parte de baixo, e nas proximidades da minha escola, convivi muito amigavelmente com alguns colegas que se tornaram ótimos músicos e instrumentistas: Walter Alves de Souza (clarinetista), Nilvaldo Lima Ornelas, que se tornou conhecido na mídia por Nivaldo Ornelas 



Em "Tributo a John Coltrane" em que estive presente.



(flauta e saxofone), Célio Balona (teclados), Watson Clis (violoncelo) e muitos outros companheiros que se espalharam pelas bandas da PMMG. Para os que citei nominalmente, a PM ficou pequena. Walter permaneceu na PM, mas atuando em outros segmentos musicais importantes. Célio


Foto: Jonildo Araújo
A mesma cara lerda daquele adolescente que conheci.


Balona nem chegou a concluir o período de formação da Escola de Formação Musical. Lançou-se no mundo e obteve sucesso. Nivaldo Ornelas rodou mundo, com muitas gravações, sempre bem acompanhado e bem acompanhando. Watson Clis também seguiu rumo, tocando e ensinando para universitários a sua arte. Todos são encontradiços na rede, sempre em meios musicais refinados.
Waltson Clis, que pretendo rever em
breve.
É claro que tiveram influências do choro, que, àquela época, era muito executado. Mas quem me levou afeição pelo choro foram Sampaio (que encontrei, há pouco tempo, tocando no Pedacinhos do Céu) e Jacinto (trobonistas), Geraldo Lúcio (Boca Rica), Valdir Américo e Santa Rosa (pistonistas), Antonio Roque (baixista que também atacava de ritmista)...
Muita lembrança saudavelmente emocionante.
Sérginho, que, em vão, tentou
ensinar-me a tocar flauta.
Com um cara desse pra ouvir,
pra que é que eu quero tocar?
Como, todavia, não vivo de lembrança e nem só de gravações, enveredei-me, em Brasília, pelo Clube do Choro e pela Escola de Choro "Raphael Rabello", aonde conheci vários chorões de cepa. Dentre eles, o Serginho - Sérgio Morais - um flautista craquíssimo, que não gosta que digam que o som da flauta dele é maravilhoso, porque não consegue ouvir a flauta tocando, a não ser que a sopre. Andando mais, acabei por encontrar Ausier Vinícius, no Pedacinhos do Céu, em Belo Horizonte (quem quiser conhecer é só digitar "Ausier Vinícius" ou "Pedacinhos do Céu". Acho até que basta só "Ausier", para encontrar. Acho que o cara toca muito! Olha, gente! A casa do rapaz é tão bacana, que, para minha mulher, é "Tenda do Ausier". Diz que ali acontecem coisas do arco da velha. Para eventuais curiosos: "PEDACINHOS DO CÉU - A TENDA DO AUSIER" (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/07/pedacinhos-do-ceu-tenda-do-ausier.html). Ali, encontro também - e ouço - o César (outro "egresso" da velha Escola de 
Altamiro Carrilho e Veludo no Pedacinhos do Céu
Ausier Vinícius ao fundo, com seu cavaco,
Sampaio ao trombone, à esquerda,
"acompanhando" Altamiro Carrilho
(cabeça bem branquinha), no
Pedacinhos do Céu.
Formação Musical da PMMG)


Morando em Patos de Minas há cerca de dezoito anos, acabei por encontrar uma turminha que conheci nos anos 1980 e, muitas vezes, ficamos fazendo rodas de cerveja e de chorinho. Destaco, dessa turma,
O "véio" aí é pilha forte! Muito pique.
Muita alegria.
o "véio" "seu" Dizinho, violonista que, sem saber sequer nomes das músicas, acompanha tudo com desembaraço e competência. Cheio dos "devorteios". Tem prestígio na praça.
Sei que o Dia Nacional do Choro é para homenagear Pixinguinha. Mas quero aproveitá-lo para homenagear todas essas pessoas que mencionei, pela admiração que devoto àquelas que não vejo há muito, e pelo prazer e a alegria que me proporcionam as companhias recentes, quando os ouço tocando, ou participo da roda.
São lembranças muito alegres, muito felizes!
É claro, pois, que, através desses amigos, homenageio Pixinguinha, sem o qual não se sabe aonde estaria o choro, nem se estaríamos falando disto, já que o grande flautista e saxofonista é considerado "O Pai do Choro".


Pixinguinha2



Foto Walter: PREFEITURA BELO HORIZONTE.
http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/contents.do?evento=conteudo&idConteudo=31063&chPlc=31063

Foto Nivaldo: Veredas Produções.
http://www.veredasproducoes.com.br/site/eventos/2

Foto Watson Clis: Festival de Música de Santa Catarina - FEMUSC.
http://www.femusc.com.br/2012/01/30/femusc-inicia-segunda-semana-de-atividades-com-mozart-villa-lobos-e-brahms/

Foto Célio Balona: Teatro Bradesco.
http://teatrobradescobh.com.br/programacao/mistura-minas/

Foto Sérgio Morais: EsporteCultura.
http://www.esportecultura.com.br/2013/08/sergio-morais-no-clube-do-choro-de.html

Foto Pixinguinha: ocarnavaldesaopaulo.com.br
http://www.carnavalsp.com.br/abril-e-o-mes-de-homenagem-pixinguinha/

MENININHA LAURINHA - CAPÍTULO I

Foto: Lelê
Laura é uma menininha com menos de quatro anos e uma cabecinha que parece mais antiga. Mora em Passa Quatro, Sul de Minas, e é filha da Lelê, minha sobrinha.
Tem uma relação de amizade e de carinho muito grande com minha filha Fifi (que poderia ser avó). Pega no sono com a Fifi provocando "rupios" nela. A Fifi chama-a de "moqueinha" ("mocreinha") e ela devolve um "moqueona". Tudo na gentileza, porque ambas são assim.
Deu-se que a Laurinha chegou-se para mãe e disse:
- Mamãe, eu quelo falá concê um assunto de faculdade.
- O que você quer falar?
- Eu não vô quelê fazê faculdade.
- Por que, minha filha?
- Poique aí eu vô só visitar você, mamãe, e eu quelo molá concê pa sempe...

22 de abr de 2015

O GOLEIRO É SEMPRE MALDITO. NÃO FOI O GUILHERME QUE PERDEU O PÊNALTI. FOI O GOLEIRO QUE DEFENDEU.

Assistir Internacional x The Strongest Ao vivo – 22/04/2015Antigamente, não havia grama na área próxima ao gol. Havia um semi-círculo, com serragem, se não me engano. Dizia-se, então, que "onde o goleiro joga não nasce grama". Também denominava-se aquele pedaço de "zona do agrião", onde era frequente acontecer de tudo. Além de tudo isso, fica muito mais fácil culpar o goleiro pelas derrotas. Por isto, um goleiro amigo meu dizia que "goleiro não é parede".
Pois bem. Hoje, pela Libertadores, pênalti a favor do Galo Mineiro. Guilherme cobra e a bola toca na trave, na cabeça do goleiro e volta ao campo. Repetido o lance, vê-se que o goleiro do Colo-Colo tocou na bola, antes que batesse na trave, rente ao chão, bem no ângulo com o chão. Desviou-a e fez com que tocasse a trave. Ou seja. O goleiro defendeu! Mas o narrador assinalou, várias vezes, que Guilherme perdeu o pênalti.
Para mim, o goleiro defendeu.
Façamos-lhe justiça!

Foto: Futebol TV.
http://www.futebolaovivo.in/assistir-internacional-x-the-strongest-ao-vivo-22042015/


A VOZ DAS RUAS? SÓ MESMO NA SAPUCAÍ!




É claro que a comemoração do 21 de abril, em Ouro Preto, não poderia ter deixado de relembrar Tancredo Neves. Nem de falar nas manifestações populares, nas ruas, pelas "Diretas Já!" Segundo leio alhures, trezentas mil pessoas, na Praça da Sé, em São Paulo. Lá estavam, em palanque, claro, Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, Lula, Leonel Brizola, Franco Montoro, ... o grand monde, com a enorme massa apoiando.Na página da Radio Câmara (http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/REPORTAGEM-ESPECIAL/466301-DIREITAS-JA-REJEICAO-DA-EMENDA-DANTE-DE-OLIVEIRA-MARCA-A-HISTORIA-DO-PAIS-BLOCO-1.html), leio que um milhão de pessoas lotaram a Cinelândia, no Rio de Janeiro; que um milhão e setecentas mil pessoas compareceram ao comício pró-Diretas, no Vale do Anhangabaú. Uma participação expressiva, em quantidade, que é mencionada, até hoje, comparando com as mais recentes manifestações populares. Encontro na Wikipédia que, de acordo com o IBOPE, 84% da população brasileira estavam a favor da Emenda Constitucional nº 05/1983.
Pois não é que a Emenda Dante de Oliveira, das "diretas já", foi rejeitada? Na busca de restaurar eleições diretas constitucionais, a voz do povo não foi ouvida. Os políticos fizeram diferente. Ora direis: mas o regime era ditatorial! Ora, digo eu, era ditadura, sim. Mas o imenso apoio popular poderia ter sido encorajador. Nem tão encorajador assim foi, porque, ainda segundo informa-me a Rádio Câmara, "...113 deputados não apareceram para a sessão". Vê-se que, se tivessem cumprido seu dever condignamente, a emenda poderia ter passado. Mas Tancredo Neves foi eleito Presidente, em eleições indiretas, concorrendo com Paulo Maluf.
A Constituição reza que "todo poder emana do povo". Mas na prática não é assim.
Quando das manifestações de 2013, este cadikim postou "Estás brincando, Excelência" (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2013/07/estas-brincando-excelencia.html), indicando que a Presidente da República, em "resposta" às manifestações nas ruas, encaminhou ao Congresso proposta para realização de plebiscito, indicando cinco temas, nem um deles manifestado naqueles eventos. E várias pessoas, no governo, repetem que "é preciso ouvir a voz das ruas".
Não sou um otimista político. Muito pelo contrário. Vejo a roda da vida passando muitas vezes pelos mesmo lugares, nas voltas que dá. Muitos políticos de outrora continuam na crista da onda. Abro parêntesis: classifico-os como "rolhas". Você pega uma rolha e joga no vaso sanitário. Dá descarga sem medo de gastar água. Quando pára, lá está a rolha, por cima. Fecho parêntesis.
Há algum tempo, rabisquei um samba, que procurava acompanhar a roda da vida política, desde o governo Sarney (1985 - 1990) até o início do governo Fernando Henrique (1995 - 2002), tentando retratar as questões em voga: planos econômicos malucos, corrupção, cassação, anõezinhos do orçamento... Parei no meio do caminho (ajuste fiscal no governo FHC), porque cheguei à conclusão de que acabaria rodando em círculos. Não deu outra. Mostro a parte que foi feita, achando que cada época retratada cabe na sequência pós-FHC:


Devagar com o andor, meu irmão,
que o santo é de barro (bis, os dois versos).
Sai governo, entra governo
e eu não sei em que ponto de apoio me agarro.


No tempo do plano cruzado
que foi um cruzado na economia,
só se via nego muito sufocado.
Matar a inflação por decreto
e dizer que vai tudo certo é fria.


Devagar com o andor...



Mudar o padrão monetário
é papo pra otário e o otário é o povo .
Operário dançou com cruzado novo.
Salário rodando pra baixo
e o custo de vida só roda ao contrário.


Devagar com o andor...



Disseram que uma quadrilha
formada em Brasília
roubava da gente.
Presidente foi somente um grande embuste.
Se ninguém tá mais roubando,
pra que é que precisa do tal de ajuste?


Devagar com o andor...



Cansei!


Foto: Projeto Cinestesia.
http://projetocinestesia.blogspot.com.br/

21 de abr de 2015

NOVO MINISTRO NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Certa vez, ouvi de um juiz amigo, a quem pedi que examinasse uma petição minha, em mandado de segurança, e opinasse se seria liminarmente indeferida ou se seria pelo menos processada. Respondeu que estava em ordem, que não seria liminarmente indeferida, mas sugeriu que eu decotasse um excerto, justificando:
"O Supremo Tribunal Federal é político. Mas não gosta que se fale."
É óbvio que, conforme os critérios de escolha para preencher os cargos de Ministro, no STF, os candidatos têm de estar muito bem na fita com um conjunto de pessoas capazes de aprovar a indicação e - mais do que isto - de se manifestarem de acordo com ela, logo após a indispensável sabatina.
Esta lereia é para falar sobre a indicação do Dr. Advogado Luiz Fachin para a vaga deixada por Joaquim Barbosa.
Logo que a indicação foi divulgada, surgiram comentários sobre relações do candidato com a campanha da Presidente da República. Fui pesquisar. Limitei-me, para relatar, a uma única fonte, já que coincide com outras versões, em outras fontes. Encontrei escrito em "Bahia Notícias" (http://www.bahianoticias.com.br/noticia/170696-indicado-para-vaga-no-stf-fachin-fez-campanha-e-pediu-votos-para-dilma-em-2010.html):

"Em outubro de 2010, Fachin foi o porta-voz de um manifesto de juristas em favor da eleição da então candidata Dilma Rousseff à presidência da República. Durante o evento em São Paulo, ao lado dos atuais ministros da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e da Justiça, José Eduardo Cardozo, o jurista defendeu a candidatura e pediu votos para Dilma. 'Muito mais que uma candidatura está em jogo é o que foi conquistado. Por isso tudo, declaramos em conjunto o apoio a Dilma Rousseff. É hora de unir nossas forças no segundo turno para garantir as conquistas e continuarmos na direção de uma sociedade justa, soberana e solidária' ".

Minhas dúvidas sobre o que se publica levaram-me a procurar outra fonte, em vídeo. Achei em http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/escolhido-por-dilma-para-o-stf-pediu-votos-para-a-petista/, extraindo excerto que guarda alguma semelhança ao do texto acima:

"Tenho, em minhas mãos, um manifesto de centenas de juristas brasileiros, que tomaram lado, apoiando Dilma, para seguirmos juntos ... . Por isso tudo, declaramos em conjunto o apoio a Dilma Rousseff ... Nós já decidimos, dia 31 de outubro, votamos Dilma Rousseff para presidente do Brasil".

A nota jornalística registra que o orador já se lançava como candidato ao STF. Refiro-me a isto apenas para orientar manifestação a seguir, e principalmente, para tentar localizar verdade na afirmação. Se é verdadeiro o registro de pré candidatura, o orador visava à vaga de Ayres de Brito, cuja aposentadoria viria acontecer apenas aos 14 de novembro de 2012. Custa-me crer que o Dr. Fachin estivesse de olho na vaga do ex-Ministro Ayres, desde dois anos antes. Sei que há carreiristas que procuram antecipar-se o máximo. Mas a lógica da volatilidade dos prestígios políticos (incluindo a hipótese de que a Sra. Dilma Rousseff não tivesse sido eleita, prejudicando a candidatura do Dr. Fachin), e considerando que quando alguém se lança, um concorrente em potencial, pelo menos começa a procurar falhas na vida profissional da pessoa, tudo isto leva-me a crer na pouca probabilidade de pré candidatura explícita.
Penso que posso, então, expor meu ponto de vista.
O texto apresentado pelo dr. Fachin está muito bem escrito, e com atitude proativa.
É claro que qualquer candidato a qualquer cargo tem o direito de tomar partido político, porque não perde a categoria de cidadão.
Penso, também, que qualquer candidato pode explicitar sua preferência.
Mas penso, também, que ali não se tratava do apoio individual a uma candidatura. Trata-se de uma mobilização de classe em apoio a uma candidatura. Portar um manifesto de "centenas de juristas", sem dizer quem são, já é uma posição política; dizer que 'esses juristas" já "tomaram lado" e que "declaramos em conjunto o apoio a..." (quem quer que seja), passa a ser tomada de posição político partidária, explícita e pública.
Deste meu pensar é que não levo em boa conta a candidatura do Dr. Fachin para o cargo de Ministro do STF. Sabe-se bem que algumas circunstâncias geram suspeição. E que suspeição não é desconfiança. Tanto pode ser que, eventualmente futuro Ministro, poderá ter restrita a liberdade para votar contra integrantes do partido da Presidente, como, também, na mesma condição, e para demonstrar independência, "pesar mais a mão", relativamente às mesmas pessoas.
O instituto da suspeição destina-se, exatamente, a evitar injustiças e buscar equilíbrio.


Imagem, por corte: 
http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/escolhido-por-dilma-para-o-stf-pediu-votos-para-a-petista/

MENORIDADE PENAL: O TEMA NÃO É POLÍTICO PARTIDÁRIO

a filosofia | filosofia | maioridade penal | menor de idade | crime | pena | cadeia | criminalizacao | direito | estado | menor | escola do crimeHoje, pela manhã, assisti a um "debate" sobre o tema "Redução da Menoridade Penal", pela TV ALMG: uma "moderadora" (coitada!) e três deputados.
A primeira observação foi de não entender grande parte do que se falava: os deputados atravessavam-se em falas simultâneas, sendo que um deles mostrava-se mais atravessador, e falando como se fosse o dono da verdade. A "moderadora", coitada, nada moderava, vendida que estava no meio da confusão. Pensei "cá consigo" (como dizia um tabaréu em Passa Quatro): se estivessem num botequim, ou mesmo no cafezinho da Assembléia, mas sem transmissão pela TV, podiam fazer como bem entendessem. Mas, se o objetivo era transmitir ideias e posicionamentos para um telespectador qualquer, careciam de um mínimo de organização. Aliás, muitas de nossas desditas estaduais e nacionais decorrem das verdadeiras torres de Babel que vejo na Câmara, no Senado e, frequentando mais recentemente, na Assembleia Legislativa.
Segunda observação: o tema ficava em plano secundário. Um deputado (de situação, certamente) falava de uma situação "deplorável" em que foi encontrado o governo do Estado, incluindo as Polícias Civil e Militar (que a atual oposição contesta, deixando-me na ignorância, pois cada um fala o que acha, sem que eu tenha real acesso a informações precisas). O outro (certamente de oposição) falava de condições que considera essenciais e que o governo federal não tem conseguido implementar.
Não tenho leitura para dar palpite nisto.
Mas acho que tenho leitura bastante para achar que o tema "Redução da Menoridade Penal" não pode ser usado para discussões político-partidárias. Perde-se o foco e a "segurança pública" lucra nada.
Não concordo com a redução da maioridade penal. Ocupar-me-ei disto em outra postagem.


Imagem: a filosofia.
http://www.afilosofia.com.br/post/maioridade-penal/350

20 de abr de 2015

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - IRACEMA



"Iracema, você atravessou contra mão."

Adoniran04





Adoniran Barbosa, em "Iracema".








Para ouvir com o autor:
http://letras.mus.br/adoniran-barbosa/43921/

Foto: ocarnavaldesãopaulo.com.br
http://www.carnavalsp.com.br/adoniran-barbosa-32-anos-de-saudade/





SERÁ VERDADE QUE A GRANDE TV NÃO SE OCUPA DO FUTEBOL MINEIRO COMO DEVERIA?

Mito? Sei lá! Mas muita gente fala que a grande imprensa não dá a devida importância ao futebol mineiro.
Afinal, estamos falando do futebol bicampeão brasileiro e do futebol campeão da Taça Brasil. Será que só os dois clubes maiores merecem, ou será que é preciso encarar os contextos em que os mesmo exercem sua supremacia?
Não vi, no "Troca de Passes", após os jogos de ontem, referência mais ampla ao jogo entre Caldense x Tombense. Pois não eram ambos semi finalistas, também, tanto quanto Atlético e Cruzeiro? E não se tratava, também, do time de melhor campanha, a Caldense?
Ah! Mas Botafogo x Fluminense e Vasco x Flamengo, igualmente semi finalistas, tiveram grande e igual destaque; assim foi com Corinthians x Palmeiras e Santos x São Paulo, nas mesmas condições.
Não importa a tradição desses clubes. Importa que estavam no mesmo patamar. Sem falar que o futebol carioca anda meio mambembe.
mineiro_online_PARA_O_JOGO (2)Bronca boba e inútil de mineiro? Penso que boba não. Inútil, pode ser. No entanto, gostaria de estar, no momento do programa, nas duas cidades dos semi finalistas mineiros (se tivesse poder para tanto) - Poços de Caldas e Tombos. Penso que muitos esportistas dali e da região podem ter ficado frustrados.
Mas isto não deve ter a menor importância para a TV Globo.

Foto: Mantiqueira ONLINE
http://www.mantiqueira.inf.br/?p=19410