31 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - MARIA QUE NINGUÉM QUERIA


"Mas Maria era esperta. Esqueci a porta aberta e ela fez a pista."



Paulo Vanzolini

Paulo Vanzolini, em "Maria que ninguém queria".



Para ouvir com João Macacão:
http://www.vagalume.com.br/nelson-goncalves/maria-que-ninguem-queria.html

RELAÇÕES GOVERNANTES X GOVERNADOS

Protesto em Buenos Aires.
Acho que sempre foram deterioradas. Desde muito jovem, tenho visto referências desairosas a políticos (enquanto ocupantes de cargos ou não), em charges, em letras de músicas, em anedotas, novelas, filmes, muitas formas e modos de comunicação.
Sempre me perguntei por quê os eleitores continuam votando neles. Sei que há os "engajados", muitos deles interessados em que determinada pessoa, ou partido, continue "no poder", porque suas vidas estão atreladas ou a esses homens ou partidos. Mas vejo que muitas pessoas, não dominadas por essas circunstâncias, são dominadas pela paixão e pela esperança (que, no nosso caso, é uma forma de paixão). Não foi à toa que Antônio Maria assinou o musical "Brasileiro, Profissão: Esperança", com textos de Paulo Fontes, direção de Bibi Ferreira e apresentação de Clara Nunes e Paulo Gracindo (todos muito craques). Quem quiser deliciar-se com detalhes sobre Antônio Maria, encontrará em Projeto Releituras (http://www.releituras.com/antoniomaria_bio_imp.asp).
Recorte da foto acima.
Mas por quê mesmo que eu vim esbarrar aqui? Ah! As relações entre governantes e governados, que acho deterioradas. Nada! Comparando com o que acabo de ver na revista "Exame", de protestos na Argentina, nossos políticos até que são tratados com muita brandura. A imagem diz.

Fonte (inclusive imagens): Revista Exame
(edição 1069, 23/7/2014, pág. 82)

30 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - COMO SE FAZ UMA CUÍCA


"O piano é de nobre instrumento de pobre é a cuíca."



Wilson Baptista



Haroldo Lobo e Wilson Batista em "Como se faz uma cuíca".







Para ouvir com os Anjos do Inferno:
https://www.youtube.com/watch?v=fjl344robvs

Foto: http://blogln.ning.com/profiles/blogs/wilson-batista-03-07-1913-03-07-2013-1

A ARTE POÉTICA DE CÍCERO CHRISTÓFARO - OLHAR

me olho com olhar interno
vejo na face transparente
um menino
que ainda não cresceu
um jovem adolescente
cheio de desejos
um adulto esperançoso
mil fantasias em mente
outro adulto
refazendo a infância
um jovem adolescente
fantasias de adulto
enevoadas pelo tempo distante
outro adulto ainda
recompondo sua história
desejos infantis
confusas tensões adolescentes
fantasias
misturas atravessando a cumieira

um velho
apenas olha
feliz
com seu olhar interno

UTILIDADE PÚBLICA - IDENTIFICAÇÃO DE NOTAS DE REAL

Pode ser que você já conheça. Se não, será um motivo a mais para conhecer e compartilhar. A fonte é o Banco Central do Brasil.


























































































































29 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - FICA DOIDO VARRIDO


"Fica doido varrido quem quer se meter a entender a mulher."



Eratóstenes Frazão



Eratóstenes Frazão, em "Fica doido varrido".





Para ouvir com Sílvio Caldas:
http://cifrantiga2.blogspot.com.br/2008/04/fica-doido-varrido.html


Foto: Cifrantiga.
http://cifrantiga3.blogspot.com.br/2006/04/eratstenes-frazo.html


Notas:
1) Quando criança, aprendi essa música com minha mãe, ouvindo-a cantar. Aos 74 anos, nunca a havia ouvido gravada.

2) Há uma gravação de O Rappa, em
http://letras.mus.br/o-rappa/100068/.

3) Na página de Cifrantiga consta como autoria de Benedito Lacerda e Eratóstenes Frazão. Na mesma Cifrantiga, sobre Eratóstenes, consta como sendo deste, sem falar em parceria. De Benedito Lacerda sei que foi grande flautista, compositor de choros, inclusive. Não vi informação de que tenha participado com a melodia. Eratóstenes também era músico. Pelo que li, mais dedicado às letras (jornalista, crônica parlamentar, peças teatrais - comédias e revistas).

MOSQUITO DA DENGUE GENETICAMENTE MODIFICADO

Mosquito da dengue transgênico é macho, e se reproduz com fêmeas na natureza, gerando mosquitos que morrem antes da vida adulta (Foto: Eduardo Carvalho/G1)
Logística para armazenamento de mosquitos.
É claro que a notícia é muito boa! Combater a dengue com mosquitos dele, geneticamente modificados. No G1 (http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/07/brasil-inaugura-primeira-fabrica-de-mosquitos-da-dengue-transgenicos.html) estão informações detalhadas. A empresa britânica Oxitec inaugura, hoje, a primeira fábrica de mosquitos Aedes aegypt transgênicos do Brasil, "uma tecnologia que, se aprovada, pode ajudar no combate da dengue no país". Está tudo explicadinho na página de Ciência e Saúde do G1. Informa que uma cidade com 50 mil habitantes terá de desembolsar de R$2 milhões a R$5 milhões por ano para aplicar os serviços, e R$1 milhão pelos anos seguintes, para manutenção dos insetos. O processo é dividido em três fases. Na primeira, são liberados 2,5 milhões de insetos por semana; na consolidação, o total de lançamentos cai para um milhão por semana; na última fase, 500 mil mosquitos machos por semana.
Explicado que está que a intenção da Oxitec é ser contratada pelo poder público, para executar os serviços (desde treinamento de pessoal até enfrentamento de eventuais epidemias de dengue), fico maquinando, aqui, como serão os detalhes do serviço. Sei que tudo terá de passar por licitação, que deve considerar a quantidade dos produtos. Aí, fico pensando besteira: quem irá contar tanto mosquito, para conferir tanto milhão?
Brincadeirinha, gente! Deixem o cadikim zoar. Se o tratamento for eficiente, mesmo, se tudo for aprovado pelos órgãos públicos, esperamos ardentemente que os resultados sejam ótimos. Para que não ocorra aquela hipótese indesejada de o fornecedor do serviço ter de participar do combate a possíveis epidemias de dengue. Vão ter de me explicar melhor isto.

Foto: G1 - CIÊNCIA E SAÚDE. Foto Eduardo Carvalho.
http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2014/07/brasil-inaugura-primeira-fabrica-de-mosquitos-da-dengue-transgenicos.html

PENSO QUE A BRONCA DE DUNGA NÃO É COM O BONÉ

dunga-tecnico-selecao-brasileira-cbfNo "Bem Amigos" de ontem, foi comentado retorno de Dunga ao cargo de técnico da seleção brasileira. Marco Antônio Rodrigues criticou manifestação do técnico, falando ao "Fantástico", quando falou sobre bonés usados por jogadores de futebol em entrevistas. Salientou que, em vez de falar em estratégias, modo de jogar e coisas que tais, veio falar de boné, que é coisa que não tem qualquer importância, que não ganha nem perde jogos. Pelo que entendi, desaprova absolutamente o retorno de Dunga. Sobre isto, respeito-lhe a opinião.
Desde antes da copa de 2010, acho que a Globo - com seus contratados participando, claro - tem uma pinimba com o Dunga. Falei disto aqui no cadikim (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2014/07/dunga-e-imprensa-quando-um-chefe-gaules.html).
Pelo que ouvi de Dunga, na entrevista, a bronca não é com o boné. É com o fato de tirar o foco do jogador do tema principal, que é a seleção brasileira. Dunga foi claro: "o foco é a seleção brasileira". Disse que os jogadores deverão dar entrevistas com o boné da seleção brasileira. Ou não dar. Afirmou que jogadores de outras seleções vão à entrevista "de cara limpa" e que os brasileiros deverão comportar-se pela mesma forma. Importante é que, em todo o período de preparação para a última copa, os jogadores brasileiros participaram de campanhas publicitárias. No caso de Neymar, principalmente, a freqüência é muito grande. Sempre pensei que isto não só desvia a atenção do craque do foco principal, como, também, que lhe atribui uma enorme responsabilidade. Falei disto há bastante tempo, em "E se Neymar tiver um piriri?" (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/07/e-se-neymar-tiver-um-piriri.html). Há outros episódios posteriores, envolvendo Neymar, em que o garoto propaganda supera o craque.
Feito o comentário, pergunto: Dunga estará certo? Pode ser que sim, pode ser que não. Assim como aconteceu com Felipão, com Parreira, com Zagallo... Ora deu certo, ora não.
Rememorei um fato ocorrido com a seleção argentina, 1998: Daniel Passarella era o técnico e decidiu que os jogadores não poderiam usar cabelos longos, nem brincos. Fernando Redondo e Claudio Caniggia preferiram ficar de fora e manter seus cabelos. Gabriel Batistuta submeteu-se e foi à copa. A seleção argentina não venceu aquela competição. Em 2002, Fernando Redondo preferiu não integrar a seleção de seu país, alegando que a programação do Real Madrid, onde jogava, não lhe permitiria preparar-se adequadamente. Novamente, a seleção argentina ficou pelo caminho. Por causa da ausência de Redondo? Claro que não é possível avaliar. Lembro o episódio, mostrando que o jogador pode escolher se se enquadra ou não nas exigências de um treinador (ou de uma comissão técnica, ou de uma confederação). Não acho que cabelos longos ou curtos ganhem ou percam uma copa. Mas, no caso atual, não se trata disto, e sim de foco na seleção brasileira. Dunga poderá estar errando quanto ao foco que indica (penso que não). Mas está sendo coerente.

Foto: bomdiaRS.com
http://jornalbomdiars.com.br/dunga-e-o-novo-tecnico-da-selecao-brasileira/

28 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - BEM FEITO



"Não sou Amélia, por isso vou tratar de mim."


Ignácio Oliveira, em "Bem feito".



Demônios da Garoa - o grupo musical
mais antigo do mundo.

Nota do cadikim: lembrava-me apenas da frase aqui registrada. Pesquisa no google e encontro um relatório em "Inesquecíveis Músicas Fagueiras" (http://www.musicasantigas.mus.br/indmus_b/bem_feito.htm).
Aprofundando, encontrei a página "Inesquecíveis Músicas Fagueiras", de Ilnio de Mello Franco, de Cruzeiro-SP, que disponibiliza seu acervo gratuitamente. Não consegui informação sobre autoria de "Bem Feito", que obtive na página da rádio UOL, no link abaixo. Em compensação, encontrei notícias pessoais de Ilnio. Depois de ler mais de 6.500 letras, selecionou e digitou mais de 1922 letras para postar. Vários gêneros. Uma riqueza de registros. Cadikim acha bacana demais!

Para ouvir com os Demônios da Garoa:
http://www.radio.uol.com.br/#/letras-e-musicas/os-demonios-da-garoa/bem-feito/4468383


Foto: Clube dos Entas de Catanduva.
http://clubedosentasdecatanduva.blogspot.com.br/2012/06/demonios-da-garoa-mais-de-60-anos-de.html

DANÇA CIRCULAR SAGRADA DAS TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA


Minha filha Ana (Nanete para os íntimos mais antigos), acaba de criar um grupo de Dança Circular Sagrada.
Apaixonou-se pela atividade, desenvolveu conhecimentos pertinentes, tornou-se focalizadora e partiu para o "mão na massa": promove danças na cidade onde mora - Passa Quatro, Sul de Minas e já expandiu para a vizinha Itanhandu, com autorização da Prefeitura para realizar eventos em praça pública, abertos à comunidade. Não se impõe condições nem limites, havendo vontade alheia e oportunidade para ela, que não se pode afastar muito do restaurante que dirige - o "Villa Comini". O projeto é preparar outras focalizadoras, com duas finalidades: a primeira é substituí-la em eventos a que não possa comparecer; a outra, mais saudável e prazerosa, é poder dançar na roda, com alguma amiga focalizando. Não parou por aí. Criou um grupo no facebook, com o nome do título, podendo os interessados conhecer fundamentos e ideias. Parabéns, Nanete!


Foto deste blogueiro, em evento promovido pelo SESC da cidade de Ribeirão Preto, ao qual compareceu a convite da Nanete.

27 de jul de 2014

NAS LETRAS DAS NOSSAS CANÇÕES - OH! "SEU" OSCAR


"Não posso mais, eu quero é viver na orgia!"



WilsonBatista
Wilson Baptista




Ataulfo Alves / Wilson Baptista, em "Oh! Seu Oscar".









Para ouvir com Ataulfo:
https://www.youtube.com/watch?v=e8zGFIiTIeo

Foto: brasilcultura
http://www.brasilcultura.com.br/almanaque-brasil-cultura/o-samba-carioca-de-wilson-baptista/

CASAMENTO COLETIVO NO MANÉ GARRINCHA COM ARQUIBANCADAS VAZIAS. PODE SER QUE ALGUÉM ACHE LEGAL.

Foto no Blog do NOBLAT (link no texto).
Do jeito que foi, não achei bacana. Duzentos casais, a caráter, para um casamento coletivo. Entraram no gramado para um estádio absolutamente vazio. Foi o que vi, pela televisão, e não gostei do que vi. Fui pesquisar. Segundo o "em tempo" (http://www.emtempo.com.br/apos-ressaca-da-copa-mane-garrincha-abre-as-portas-para-casamento-coletivo/), o evento faz parte de um projeto do Distrito Federal para casais de baixa renda - o "Alma Gêma", para realização de casamentos civis em pontos turísticos de Brasília. No Blog do NOBLAT (http://oglobo.globo.com/pais/noblat/Default.asp?a=111&cod_blog=129&ch=n&palavra=&pagAtual=2%20&periodo=201407) encontrei opinião diferente da minha, vinda do Secretário Extraordinário da Copa: "É muito bonito que no pós-Copa as primeiras pessoas a pisar nesse gramado sejam noivas. Então vai dar muita sorte. Vamos começar em breve as rodadas de futebol". Contar com a sorte é um dos maiores baratos do brasileiro.
Participando de um projeto do governo do Distrito Federal para casais de baixa renda --o "Alma Gêmea", que realiza casamentos civis em pontos turísticos de Brasília--, as noivas tiraram fotos no centro do gramado do estádio. - foto: Folhapress
Foto: emtempo (link no texto).
Podem dizer o que quiserem de mim, mas não comungo. O casamento foi realizado em outra área do estádio, nada a ver com o campo de futebol, tudo muito bem arranjado. Não chegou a me convencer que a tal "arena multiuso" já começou a ser utilizada. Tinham nada a fazer ali dentro, a não ser desfilar para arquibancadas vazias. Nem discuto o tal casamento coletivo. Se os noivos e as noivas gostam, seria grosseiro discutir suas vontades. Mas não me esqueço de que, como está no "emtempo", esse estádio custou quase um bilhão e meio, para sete partidas da copa do mundo, com promessas de que, depois da competição, teria multiutilidade. Começar com um casamento terá sido mesmo uma grande ideia? O mesmo Secretário Extraordinário da Copa disse que sim.


26 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - O MUNDO É UM MOINHO


"De cada amor tu herdarás só o cinismo. Quando notares, estás à beira do abismo, abismo que cavaste com teus pés."


cart

Cartola, em "O Mundo é um Moinho".




Para ouvir com o autor:
http://www.vagalume.com.br/cartola/o-mundo-e-um-moinho.html


Foto: Espaço de Teste do Grupo Cartola.
http://www.moodle.ufba.br/course/view.php?id=12185

PARECE BRIGA DE "MININO", SÔ!

porta-voz de IsraelComeçou pela forma tradicional: o insulto. O Brasil é anão diplomata! Nossa diplomacia resolveu comprar a briguinha, falar de desproporcionalidade de forças. Aí, o insultador resolveu provocar com ironia: desproporcional é perder de 7 x 1 (pior é que é mesmo!).
É briga de "minino": Quem for mais homem pisa no pé do outro. Pronto!


Foto: VIOMUNDO - O QUE VOCÊ NÃO VÊ NA MÍDIA.
http://www.viomundo.com.br/politica/porta-voz-de-israel-chama-brasil-de-anao-diplomatico-e-ironiza-derrota-de-7-1-para-alemanha.html

25 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - NAQUELA MESA


"Naquela mesa está faltando ele e a saudade dele está doendo em mim."


Sérgio Bittencoutr, menino, em família.
Adulto, prestou, em música, tributo a seu pai,
Jacob do Bandolim.



Sérgio Bittencourt, em "Naquela Mesa".





Para ouvir com Zélia Dunkan, Hamilton de Holanda e Nilze Carvalho:
https://www.youtube.com/watch?v=MiV8GarcHHo

Foto: http://www.sabercultural.com/template/musicas/Naquela-Mesa-Sergio-Bittencourt.html


MODO DE DIZER X MODO DE ENTENDER

Segundo uma norma elementar de comunicação, a decodificação da mensagem não é feita pelo transmissor, mas pelo receptor. Isto ficou bem claro para mim, hoje, quando assistia ao "Redação Sportv". Comentavam a situação do Flamengo, com a chegada de Vanderley Luxemburgo, do otimismo do técnico, pois ainda faltam 27 rodadas... por aí, sem deixar de falar que o Flamengo foi o campeão da Copa do Brasil. Foi quando um comentarista disse que competição de "mata-mata", como essa copa, é diferente dos pontos corridos do brasileirão, em que se torna necessário um grau compatível de regularidade. Arrematou: o Flamengo não teve essa regularidade.
Brasileirão 2014É claro que discordei, uai! O Flamengo teve essa regularidade no brasileirão 2014, sim, uai!




Foto: sportingbet blog
http://br.sportingbet.com/blog/confira-os-favoritos-ao-titulo-brasileirao/#.U9K9MuNdUys 

O VELHO JOGO DE EMPURRA

Filho feio não tem pai, mesmo! Estamos diante de dois fatos, duas notícias amplamente desfavoráveis, nenhum deles tem pai. Vamos lá:
O tal viaduto em Belo Horizonte, caminho para quem queria assistir a jogos da copa (podem dizer que não, mas está no caminho do estádio). Desabou antes da festa e logo começou a discussão sobre culpas. Agora, depois de uma perícia encomendada pela executora da obra, diz esta que foi erro de projeto. Legal! Um erro desse tamanho e quem faz, com capacidade e experiência profissionais (os editais costumam exigir), vem repassar a responsabilidade para o projeto (disse que cumpriu exatamente e que não é tarefa dele refazer cálculos). A empresa que elaborou o projeto diz que os cálculos estão corretos. A prefeitura, dona da obra, prefere aguardar o laudo da Polícia.
Enquanto isto, sob ameaça de desabamento de outra alça do mesmo viaduto, cidadãos foram recomendados, pela Defesa Civil do Município, a deixar suas casas. Pelo jeito, serão encaminhados a hotéis, até que passe o perigo. Muitos reclamam que isto alterará muito seu dia-a-dia, freqüência de crianças às escola, inclusive. Ora direis: mas que folgados! Vão ser acolhidos em hotéis e ainda reclamam! Dirá o cadikim: mas esses cidadãos já moravam lá, antes da construção do viaduto, uai! Reparar danos consiste em pelo menos manter a situação dos alcançados nas mesmas condições em que estavam antes. Justiça demora e isto estimula o empurrar com a barriga (como vem sendo feito há muito tempo, em vários lugares). De concreto, mesmo, o jogo de empurra.
Werther Santana/Estadão
O outro fato, em outra área, é a situação dos hospitais filantrópicos, que constituem um segmento representativo do atendimento pelo SUS. Finanças muito comprometidas, dizem que o Estado não repassa verbas do SUS e que este não atualiza as tabelas, pagando muito pouco pelos serviços. Vem o Estado e diz que repassa sim. Vem o SUS e diz que atualiza sim. Repete-se o jogo de empurra.
Jogo que, ao contrário (jogo de puxa) foi ironizado por Juca Chaves, em "Brasil já vai à guerra", quando o governo brasileiro comprou um porta-aviões. Disse o menestrel maldito que o negócio deu origem a uma peninha: "é meu, diz a Marinha; é meu, diz a Aviação".
Seria bem melhor assim. Pelo menos aparece o pai da criança feia.

Para quem quiser ouvir, com Juca Chaves:
http://letras.mus.br/juca-chaves/209261/


Imagens:
Viaduto: O GLOBO
http://oglobo.globo.com/brasil/viaduto-desaba-em-belo-horizonte-mata-dois-deixa-22-feridos-13121965

Santa Casa São Paulo: ESTADÃO

Juca Chaves (estilizado): Prefeitura de Pirenópolis.
http://www.pirenopolis.go.gov.br/2457/noticias/secretaria-de-cultura-esporte-lazer-e-juventude/juca-chaves-fara-show-em-pirenopolis/



24 de jul de 2014

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - PEÇO LICENÇA


"Saravá quem é de saravá e a bença quem é de abença."





Noriel Vilela em "Peço Licença".





Para ouvir com Noriel Vilela:
http://www.vagalume.com.br/noriel-vilela/peco-licenca.html


Foto: Samba rock.com.br

CRISE HABITACIONAL? ORA, POMBAS!

Conforme o cadikim já anunciou, há uma crise habitacional séria entre as pombinhas. Tentam, por todas as formas, fazer ninhos em nossa janela. Não deixo. Completamente desprotegidas e desprotegidos ficarão os filhotes. Umas irresponsáveis! Uma delas acabou fazendo ninho em um vaso que estava na janela. Minha mulher tanto pediu que concordei. Os filhotes caíram do ninho e dali para a boca de algum gato. Até que uma outra resolver fazer ninho onde deve ser feito: em uma árvore. Os filhotes voaram saudáveis e essa pombinha deixou um diário muito alegre, que o cadikim publicou. Depois, outra aproveitou o mesmo ninho, só que não encontrou final feliz. Um bem-te-vi comeu seus ovos.
Hoje cedo, vi um bando de pombinhas na mesma árvore. De leréia, nada de ninho. Acho que duas delas (ou casal, sei lá...) são filhotes recém brevetados. Aí foi que apareceu uma outra pomba, maior, vistosa, metidíssima! Fiquei de botuca, porque minha mulher falou que ela iria reaproveitar o ninho. Achei pequeno para ela. Não me surpreendeu quando pegou um galhinho com o bico, quebrou-o (ouvi o estalido), e voou muito da lampeira. Deve estar fazendo ninho em lugar mais apropriado para o tamanho dela.

23 de jul de 2014

DUNGA E A IMPRENSA (QUANDO UM CHEFE GAULÊS ENCONTRA UM CHEFE GAULÊS,...)

Em sua apresentação, no retorno à seleção brasileira, Dunga disse que precisa melhorar seu relacionamento com as pessoas, especialmente com a imprensa.
Acho pouco, porque é unilateral. Será que a imprensa está disposta a melhorar seu relacionamento com Dunga?
Cadikim disse, ontem, que "É preciso muito amor..." (Noca da Portela) para tolerar certas perguntas da imprensa. Muitas delas vêm na forma de respostas. Não sei quais as pinimbas que a imprensa tem para com o Dunga, mas vou rememorar alguns episódios.
Quando da coletiva em que anunciou as convocações para a copa de 2010, um dos perguntadores disse, como se fosse resposta, mais ou menos o seguinte: o senhor diz que não convoca o Neymar porque ele ainda não foi testado. Quer dizer que, se o senhor fosse o técnico da seleção de 1958, não teria convocado o Pelé? Dunga respondeu pequeno, dizendo que Pelé é um gênio, etc, etc. Só que Pelé ainda não tinha diploma de gênio, quando disputou a copa de 58. A genialidade começou ali. Mas Pelé já havia sido testado e aprovado. Antes daquela convocação, já havia disputado partidas pela seleção, e, inclusive, participou da Copa Roca, jogando contra a Argentina (aí, sim, aos 16 anos), tendo marcado o gol único, que deu a vitória e a copa ao Brasil. Então, raciocinei, quando daquela pergunta (?): ou o perguntador (?) não sabia do que estava falando, já que poderia saber dessa participação de Pelé ou, se sabia, era muito pior, maldade mesmo, contando com a falta de memória ou a falta de informação alheia.
Durante a copa de 2010, no jogo contra a seleção portuguesa, narrando o jogo, Galvão Bueno comentou que, segundo informação da comissão técnica, Robinho não jogava por precaução, por cansaço muscular (coisa assim). Galvão emendou, perguntando (?): será que é só isso mesmo? Ingênuo Galvão não é. Terá sido maldade, de propósito para desgaste da comissão técnica? Por que e para que duvidar de uma informação daquela comissão?
Finalmente, no jogo Brasil x Holanda - a fatídica - seleção brasileira ganhando de 1 x 0, intervalo, e Tiago Leifert, ancorando, falou para os patrões dispensarem seus empregados, após o jogo, para poderem comemorar (vê-se que contava com a vitória e a classificação para as semi). E emendou: "não seja um Dunga!". Brincadeirinha só, para aparecer, ou marcação, mesmo? Qualquer das duas incomoda-me.
Acho e já vi gente da própria rede Globo, em programa esportivo, comentar que a Globo "pegou no pé" de Dunga, tendo um jogador, que estava sendo entrevistado (ou o próprio entrevistador, não me lembro), dito: "foi um massacre".
Não basta só o Dunga querer melhorar seu relacionamento com a imprensa. É preciso que a imprensa também se esforce, não só para relacionar-se bem com o Dunga, como, melhor ainda, relacionar-se melhor com o futebol, considerando os interesses da seleção em plano superior a de outros interesses. Lembrai-vos! Não há anjos!
Mas aproveito a declaração mais recente de Dunga, para fazer-lhe um reparo: um entrevistador chamou-lhe a atenção, dizendo: "aqui no fundo". Dunga não fez muita questão de achá-lo. Gilmar começou a indicar aonde estava o jornalista, quando Dunga falou: "Ele pensa que é bonito, que eu tenho de olhar para ele". O jornalista foi polido mas preciso: "Bem, é costume a pessoa que está sendo perguntada olhar para quem lhe fala. Pelo menos era assim até na semana passada".
Com razão o jornalista. Não sei se há alguma pinimba de Dunga com esse jornalista, ou vice-versa, ou de ambos os lados. Mas lembrei-me de uma passagem em uma aventura de Asterix, o Gaulês. O
De "Uma aventura de Asterix - O Caldeirão".
Texto: Goscinny. Ilustração: A. Uderzo.
chefe de uma aldeia vizinha chega à de Asterix. Não é bem quisto pelo chefe, Abracursix, que diz de seus motivos. Mas, solene, determina: "Mas é um chefe gaulês. E quando um chefe gaulês encontra um chefe gaulês, o protocolo tem que ser respeitado. Vamos nos preparar para recebê-lo".

É isso aí, Dunga: noblesse oblige!

22 de jul de 2014

DUNGA

Foto: InternetDe volta à seleção brasileira.
Como de costume, montão de gente lembrando o fracasso de 2010 e outro montão falando em desempenho de cerca de 76% de aproveitamento.
Ontem, assistindo ao "Tá na área", pelo SporTv, dei de cara com duas solitárias opções: a favor; contra. Dizem que é participativo. Mas só com duas opções, acaba conduzindo para o "contra" aqueles que podem estar a favor, mas pensam em restrições superáveis. Tanto é que Casagrande perguntou se só tinha as duas alternativas. Resposta positiva, optou pelo "contra". Vilaron, tal e qual.
Penso que o Casão cometeu uma incoerência: disse que não representava qualquer mudança. Depois, falou que não sabia se Dunga apresentaria alguma coisa nova, hoje, por ocasião de sua apresentação.
Por que, então, a matéria foi levada ao ar ontem, e não hoje, depois da apresentação, dada a possibilidade de Dunga ter mudado?
A imprensa - penso que a Globo em particular - tem bronca com o Dunga. Ele, definitivamente, não é "bonitinho". Mas a imprensa também não é "bonitinha". A gente não sabe o que está por trás de cada pergunta (muitas vezes mais afirmação do que pergunta). Tem repórter que é mala demais. Temos comentaristas, de futebol e de arbitragem, que são duros de agüentar. "É preciso muito amor...", como disse o Noca da Portela.
Fico pensando se as mudanças no futebol brasileiro não passam - e muito - também pela imprensa.
Volto ao assunto, depois da apresentação de Dunga.

Foto: Maisagreste.com
http://maisagreste.com.br/2014/07/20/confirmado-dunga-e-o-novo-tecnico-da-selecao/

20 de jul de 2014

HOMENAGEM A RUBEM ALVES

Cadikim postou apenas uma trova de Rubem Alves, que nos deixa aos oitenta anos.
Resultado de imagem para rubem alvesRealce: uma pessoa que foi psicanalista, educador, teólogo e escritor, com tantos títulos publica uma beleza de grande simplicidade - Mar de Minas. Só mesmo quem sabe muito é capaz de atingir o simples. E de atingir tantos leitores. Mar de Minas é uma das postagens mais lidas e procuradas espontaneamente neste blog (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/05/mar-de-minas-rubem-alves.html). Quem é querido é encontrado naturalmente.
Simples assim.

Foto: Google.
https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=rubem+alves

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - DESPEJO NA FAVELA


"Minha mudança é tão pequena que cabe no bolso de trás."




Adoniran Barbosa, em "Despejo na Favela".






Para ouvir com o autor, com foto:
https://www.youtube.com/watch?v=0NCvDg6E3JQ

19 de jul de 2014

ILUSÕES

A árvore está lá, junto ao viaduto sobre a Avenida 23 de Maio, passando pela Avenida Bernardino de Campos, em São Paulo, capital. Pelo menos estava, em 2011, quando fotografei. Achei curiosa, pensei esteticamente. Pensei besteira, não, tão sabendo?
Mas não me contive e viajei com o fotoshop. Pouca arte, mas alguma imaginação. Aí estão as duas imagens, para comparar.

O VOLEIBOL BRASILEIRO VAI MUITO BEM: SEMIFINALISTA DA LIGA MUNDIAL

Divulgação FIVB / Jogadores do Brasil comemoram a classificação na Liga Mundial diante da Itália





O cadikim já comentou as diferenças entre o futebol e o voleibol. Por quê das diferenças? Já pergunta isto há mais de dois anos (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/03/futebol-e-voleibol-por-que-as.html). É uma postagem que já recebeu 455 visitas, sem muitos compartilhamentos. Deve, pois ser assunto de interesse.

Não dá para discutir, agora, em termos de comparação, com a seleção brasileira de futebol, por motivos óbvios.
A seleção de vôlei superou a do Iraque, duas vezes, para ir às semi-finais. A 18ª semifinal, na história da liga mundial. A semi foi contra a seleção italiana (além de figurar entre as quatro melhores, tem tradição no voleibol). A seleção brasileira venceu por 3 x 0. Um massacre, no primeiro set (25 x 11); um segundo set difícil (25 x 23); e uma vitória com certa folga, no terceiro (25 x 20).
Diferenças, relativamente ao futebol? Primeira: disciplina da atividade. O técnico italiano estava desesperado, no primeiro set, tal a superioridade da nossa seleção. Partiu para reclamações, descontroladamente. Resultado: cartão amarelo, sem muita conversa. Segunda: ótimo controle emocional dos atletas brasileiros, nos momentos em que tiveram dificuldades e, principalmente, quando estavam atrás, no placar, no segundo set; equilíbrio muito bom no último. Terceira: destaques na seleção brasileira? Todos. O menos badalado foi o Mário Júnior (líbero), provavelmente porque não saca nem participa das jogadas de ataque. Mas não ficou no silêncio, não. Quarta: o técnico só aparece "dando show" quando as câmeras o flagram inconformado com qualquer jogada. Os protagonistas são sempre os jogadores.
Penso que há muito a que comentar, ainda, sobre diferenças. Ando achando que muito tem o futebol brasileiro que aprender com o voleibol brasileiro, tanto masculino como feminino.


Foto: Gazeta do Povo.
http://www.gazetadopovo.com.br/esportes/poliesportiva/conteudo.phtml?id=1482017

AÇÃO CONTRAVENCIONAL POR VADIAGEM EM PORTO ALEGRE

Não posso garantir, porque não consegui acessar o processo, para conferir, pelo menos, se existiu. Se não for verdade, é uma bela ficção, pelo menos.

balança da justiça"Marco Antônio Dornelles de Araújo, com 29 anos, brasileiro, solteiro, operário, foi indiciado pelo inquérito policial pela contravenção de vadiagem, prevista no artigo 59 da Lei das Contravenções Penais. Requer o Ministério Público a expedição de Portaria contravencional. O que é vadiagem? A resposta é dada pelo artigo supramencionado: 'entregar-se habitualmente à ociosidade, sendo válido para o trabalho...' Trata-se de uma norma legal draconiana, injusta e parcial. Destina-se apenas ao pobre, ao miserável, ao farrapo humano, curtido, vencido pela vida. O pau-de-arara do Nordeste, o bóia-fria do Sul. O filho do pobre que pobre é, sujeito à penalização. O filho do rico, que rico é, não precisa trabalhar, porque tem renda paterna para assegurar os meios de subsistência. Depois se diz que a lei é igual para todos! Máxima sonora na boca de um orador, frase mística para apaixonados e sonhadores acadêmicos de Direito. Realidade dura e crua para quem enfrenta, diariamente, filas e mais filas na busca de um emprego. Constatação cruel para quem, diplomado, incursiona pelos caminhos da justiça e sente que os pratos da balança não têm o mesmo peso. Marco Antônio mora na ilha das Flores (?) no estuário do Guaíba. Carrega sacos. Trabalha 'em nome' de um irmão. Seu mal foi estar em um bar na Voluntários da Pátria, às 22 horas. Mas se haveria de querer que estivesse numa uisqueria ou choperia do centro, ou num restaurante de Petrópolis, ou ainda numa boate de Ipanema? Na escala de valores utilizada para valorar as pessoas, quem toma um trago de cana, num bolicho da Voluntários, às 22 horas e não tem documento, nem um cartão de crédito, é vadio. Quem se encharca de uísque escocês numa boate da Zona Sul e ao sair, na madrugada, dirige (?) um belo carro, é um burguês. Este, se é pego ao cometer uma infração de trânsito, constatada a embriaguez, paga a fiança e se livra solto. Aquele, se não tem emprego é preso por vadiagem. Não tem fiança (e mesmo que houvesse, não teria dinheiro para pagá-la) e fica preso. De outro lado, na luta para encontrar um lugar ao sol, ficará sempre de fora o mais fraco. É sabido que existe desemprego flagrante. O zé-ninguém (já dito), não tem amigos influentes. Não há apresentação, não há padrinho. Não tem referências, não tem nome, nem tradição. É sempre preterido. É o Nico Bondade, já imortalizado no humorismo (mais tragédia que humor) do Chico Anísio. As mãos que produzem força, que carregam sacos, que produzem argamassa, que se agarram na picareta, nos andaimes, que trazem calos, unhas arrancadas, não podem se dar bem com a caneta (veja-se a assinatura do indiciado à fls. 5v.) nem com a vida. E hoje, para qualquer emprego, exige-se no mínimo o primeiro grau. Aliás, grau acena para graúdo. E deles é o reino da terra. Marco Antônio, apesar da imponência do nome, é miúdo. E sempre será. Sua esperança? Talvez o Reino do Céu. A lei é injusta? Claro que é. Mas a Justiça não é cega? Sim, a justiça é cega, mas o Juiz não é. Por isso: Determino o arquivamento do processo deste inquérito. Porto Alegre, 27 de setembro de 1999. 1. Moacir Danilo Rodrigues. Juiz de Direito - 5ª Vara Criminal."

Imagem: Terra de Direitos.
http://terradedireitos.org.br/linhas-de-atuacao/justiciabilidade-dos-direitos-humanos-e-democratizacao-da-justica/