30 de ago de 2012

A ARTE POÉTICA DE CÍCERO CHRISTÓFARO - HOJE 124Y

HOJE 124Y

Vi a madrugada
Ainda com estrelas
Vi a estrada
Sem poeira, desimpedida
Vi os semáforos
Piscavam ainda
Resquícios do escuro da noite
Vi as flores, muitas           
Lindas com o crepúsculo
Amanheciam com ele
Vi os homens
Vi as mulheres
E as flores
E os semáforos
E a estrada
E as estrelas da madrugada
Vi! Com estes olhos
“Que a terra há de comer”
Lanternas da minha alma clareando a manhã
“ainda não comeu”
Vi! Concretamente Vi!

CONGUINHA AZUL?????!!!!! NO BRASILEIRÃO????!!!!!!!

Minha mulher reagiu com quase estupefação! Jogador de futebol usando conguinha azul?
Jogavam Coritiba e Internacional. Minha mulher cuidava da aparência, vendo o jogo ao contrário, pelo espelho. Sempre ligada, mesmo não sendo fanática por futebol, ouvia atentamente a narração.
Em determinado momento, assustou-se: quem tá jogando com conguinha azul?
Ninguém, uai! Onde já se viu disputar o brasileirão usando conguinha azul? Tá doida, mulher? Os jogadores usam chuteiras, uai!
Mas eu ouvi o narrador falar em conguinha azul! Tenho certeza!
Fui comparar com o que eu ouvira. Lembro-me de que o narrador dissera, pouquinho antes, que um jogador do Inter tabelara com Guiñazu.
É isso aí! Rebateu minha mulher. O narrador falou conguinha azul!

Foto (editada, claro) do craque "conguinha azul": Uol Esporte Futebol.
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2011/02/27/guinazu-espera-atrapalhar-adversario-jogando-mais-avancado-no-inter.jhtm

29 de ago de 2012

POLÍTICOS EM CAMPANHA!

Acho óóóótimooooooo! Poderia durar o ano inteiro, incluindo a propaganda gratuita.
Candidato depois de um dia de campanha
Quando ligo a tv, de manhã, só assisto a notícias de crimes e acidentes, muitas mortes, muitas seqüelas, muita maldade... Gente pedindo justiça que não vem... Cansei disto! De quebra, vejo notícias de corrupção, de obras inacabadas, de saneamento básico inexistente ou deficiente, de escolas mal cuidadas... só ruindade!
Quando começa a programação política fica tudo uma beleza! Quem fez alguma coisa, apregoa o que fez, enumera obras, projetos de leis, soluções que deu, ambulância que conseguiu... Só bacanidade! Quem ainda "não teve oportunidade de fazer" critica tudo o que foi mal feito pelos demais e promete que vai fazer mundos e fundos. Todos - todos sem exceção - "estarão trabalhando" para o bem da sociedade, para servir à comunidade, para acabar, de vez, com todas as mazelas que nos assombram. Mudar tudo! é a palavra de ordem.
Nem me preocupo quando candidatos pedem que os eleitores os "ajudem" (mesmo achando que o certo é os candidatos prometerem ajudar, remunerados que querem ser, para isto).
Prefiro assim. Prefiro ouvir tudo isto do que ficar ouvindo e vendo assaltos (que as câmeras registraram mas ninguém foi preso), acidentes de trânsito violentos, hospitais atendendo mal, violência de todo jeito...  
Vamos nesta, candidatos! Prolonguem suas campanhas! Consigam estender o horário de propaganda gratuita para o ano todo. Poderão fazer até Plantão PG (Propaganda Gratuita). De preferência com musiquinha específica de alerta, para a gente correr para perto da tv, quando ouvir. Só para receber notícias boas.
Maravilha!

Imagem: Humor Político.
http://www.humorpolitico.com.br/eleicoes-2012/candidatos-em-campanha/

27 de ago de 2012

BANDO DE VAGABUNDOS!

Sempre achei que a culpa é do La Fontaine. Disse isto sobre um palco, em 1984.
Como é de sabença popular, a fábula "A Cigarra e a Formiga" é uma fábula atribuída a Esopo e recontada por Monsieur Jean De La Fontaine. É claro que fui consultar. Encontrei que La Fontaine escreveu várias fábulas, sempre com fundo moral. Da minha parte, acho que, quanto a recontar a fábula da cigarra e da formiga, La Fontaine perdeu uma grande oportunidade de ficar calado.
Pois não é que, no verão, a formiga trabalhava incansavelmente, como trabalham as formigas. E a cigarra cantava, também incansavelmente, como cantam as cigarras. Chegou o inverno. A formiga, em seu formigueiro, forrada para a intempérie. A cigarra, ao relento, sofrendo os rigores do frio e da fome. Bateu na casa da formiga e pediu abrigo e alimento. A formiga perguntou: o que você fazia no verão? A cigarra: eu cantava! A formiga: pois então, dance agora! 
A Cigarra bate à porta da formiga, no invernoPenso que, a partir desse tipo de idéia, a cultura popular assumiu o estigma do artista: malandro, vagabundo... Até hoje.
Melhor: uma pessoa que desconheço (preciso procurar conhecer, porque é uma boa pessoa; se alguém souber, dê um alô) fez uma nova leitura da fábula: a formiga acolheu a cigarra, ofereceu chá quentinho e bolachas. A cigarra assustou-se: mas o roteiro não era você me enxotar? A formiga: por que, minha querida? Foi ouvindo seu canto, durante o verão, que encontrei forças e ânimo para trabalhar. Venha cear comigo!
A velha imagem recriada por La Fontaine assombrou-me hoje, quatro horas da tarde. Um grupo de choro ensaiando no Conservatório Municipal de Patos de Minas. A atividade é curricular. Uma sala pequena, janelão para uma rua, esta em nível bem acima. Tocando, observei uma senhora que passava lá fora. Caminhou uns trinta metros sob minhas vistas (janela grande e campo de visão maior). Olhava fixamente para a nós. Caminhou sem tirar os olhos. Não pude deixar de rir. Imaginei a senhora pensando:
- Cambada de vagabundos. Baita segunda feira, quatro da tarde, e ali estão cinco marmanjos tocando violão, bandolim e batendo pandeiros!
A culpa é do La Fontaine!

Imagem 1: Centro de Estudos Aprender
http://aprendercentrodeestudos.blogspot.com.br/2012/05/conto-cigarra-e-formiga.html
Imagem 2: Peregrinacultural's.
http://peregrinacultural.wordpress.com/2009/07/06/a-cigarra-e-a-formiga-em-versos-por-bocage/

PATATIVA DO ASSARÉ - VERSOS ESPALHAFATOSOS

Jesus me mande um castigo
se eu perder minha sustança
toda palavra que eu digo
dá no fié da balança,   
eu já discubri que o sapo
quando tá batendo o papo
a todo mundo revela
sua corage de sobra,
ele tá chamando a cobra
pra entrar na boca dela.

Foto: Biblioteca Patativa do Assaré.

26 de ago de 2012

INDISCIPLINA NO FUTEBOL. O EXEMPLO VEM DE CIMA

Quando penso em disciplina, não quero relacionar com "manda quem pode, obedece quem tem juízo". No frigir dos ovos, entretanto, é isso mesmo. Penso assim porque relaciono disciplina a um sistema solar: vários tipos de corpos celestes movimentando-se a velocidades vertiginosas. Entra ano sai ano, a lua, o sol, os planetas, os cometas estão todos aí. Se mudarem de caminhos ou de velocidades, certamente sobrevirá o caos. Se digo que, no frigir dos ovos, é o mesmo que "manda quem pode, obedece quem tem juízo", é porque se for quebrada a disciplina que rege qualquer atividade, ou muda a atividade, ou estará fadada ao caos.
Futebol: jogo Villa Nova, de Nova Lima, contra Internacional, de Porto Alegre, pela Copa BH de Futebol Júnior. Terminado o jogo, em empate, o técnico do Internacional entrou em campo para tomar satisfações com o juiz, reclamando da arbitragem. Pouco depois, um zagueiro do Inter reclamou diretamente ao juiz e deve ter dito algo que o tenha desagradado. Levou cartão vermelho.
Primeira conseqüência: o zagueiro, que estava inscrito para a série de cobranças de pênaltes, ficou excluído do "ritual"; segunda conseqüência; se o Inter tivesse passado á fase seguinte, esse zagueiro não poderia jogar, estaria suspenso automaticamente.
Na minha opinião, a atitude intempestiva do técnico - entrar em campo para reclamar ao juiz - pode estimular jogadores a outras atitudes intempestivas. Intempestiva, sim, porque absolutamente fora de tempo e de propósito. Jogo terminado, ou decisão tomada pelo juiz, não há que reclamar, em campo. Pode-se fazer o maior barulho pela imprensa - "o choro é livre" - ou reclamar no departamento de árbitros, ou ir para tribunal. Mas reclamar, naquelas condições é dar riscos nágua.
Dorival Júnior também foi expulso, no jogo Flamengo x Botafogo. Reclamou de uma falta apitada contra o Flamengo - que existiu, a repetição do lance indicou. Poderia ter errado o juiz, sim. Mas por que não poderia ter errado o Dorival? Qualquer dos dois é falível. Do jeito que fez, Dorival quis tornar-se em juiz. Não está ali para julgar lances, mas para orientar a equipe. Que ficou prejudicada em razão de sua expulsão (se não ficou prejudicada, penso que Dorival é dispensável, então).
Pergunto-me, sempre, por que as atitudes indisciplinadas costumam ser exaltadas. Transgredir é importante? Rebelar-se, de modo civilizado, é saudável. Querer fazer diferente, também. Mas transgredir?
Vários jogadores, ao fazer gols, estão tirando a camisa, correndo para a galera. São delirantemente aplaudidos, em geral. Muitos acham que isto é a alegria do futebol. Mas esses jogadores sabem que receberão cartão amarelo. Ficam pendurados no jogo. Se já tiverem dois cartões, estarão suspensos para o próximo. Se tiverem só um, ficarão "pendurados".
Não gosto de citar nomes, mas vou correr o risco. O Jobson, jogando pelo Botafogo, tirou a camisa, logo após marcar um gol, no final de um jogo. Já estava "amarelado", por causa de uma besteira anterior. Ficou vermelho. Envolveu-se em outros incidentes, depois. Mostrava-se como craque. Estava jogando muito. Andou, andou... onde está hoje?
É só fazer um levantamento mental: como se comportaram os jogadores que conseguiram sucesso duradouro?
Quadradismo do véio ou uma realidade?

Foto (time do Villa Nova): globo esporte.com
http://globoesporte.globo.com/futebol/times/villa-nova/noticia/2012/08/villa-nova-ja-sabe-quais-sao-os-adversarios-da-taca-bh-de-juniores.html

25 de ago de 2012

AS COISAS DE QUE O CORPO É CAPAZ

Sempre achei legal assistir às competições de skate. Manobras ousadas e bonitas, os corpos fazendo tudo o que os skatistas comandam, ou quase tudo.
A mega rampa é um espetáculo! Vinte e nove metros de altura; mais de cem metros de extensão. Manobras muito rápidas e por isto mais difíceis. Dentre os competidores, dois garotos com onze anos de idade.  
É quando podemos acreditar nas enormes possibilidades do corpo humano. Ginastas, acrobatas circenses, balé aquático, sem falar nas corridas, nos saltos com vara, em todo tipo de atletismo, nos gols de bicicleta ou de voleio, nas defesas sensacionais do Serginho, no volei, das pontes aéreas e enterradas, no basquete. E tudo com índice de acidentes muito pequeno, relativamente à quantidade de participações e às dificuldades dos esportes.
Não poderia deixar passar sem um comentário a competição em skate que está acontecendo agora, no Rio de Janeiro.

Foto: Bikemagazine.
http://www.bikemagazine.com.br/2011/06/nescau-mega-rampa-tem-ingressos-gratuitos-site-oficial/

24 de ago de 2012

PATATIVA DO ASSARÉ - VERSOS ESPALHAFATOSOS

Mais um verso espalhafatoso do Patativa do Araré:

No tempo que eu estudava
fui minino intiligente,
todo dia eu sempe tava
na simitria da frente
escrivi no meu treslado
que mais mió dos pecados  
foi inventado por Eva,
tudo isto eu aprendi,
mais de trinta ano eu li
no livro de Ginuveva.

Observação: Penso que o verso seria "o mais mió dos pecado" (vá entender de pecado pra lá!), não só pelo tipo de linguagem escrita utilizada pelo autor, como pela rima com "treslado". Mas está assim no livro.

Fonte: Aqui tem coisa, de Patativa do Assaré.
Editora Hedra.
Página199.

Foto: Biblioteca Patativa do Assaré.

23 de ago de 2012

QUADRINHA


Sai do bar – e já sem prumo –
tropeçando, cuca em brasa,
pergunta, todo sem rumo:
“Onde mora a minha casa?”

 
Héron Patrício – SP.

Imagem: ALTOS AGITOS (em Caricaturas Silvestres, em homenagem ao cartunista Fábio Silvestre).
http://altosagitos.com.br/diversaoaoextremo/index.php?id=noticias&sid=6575&noticia=Curitiba+(PR)%3A+F%E1bio+Silvestre+em+caricaturas+no+Era+S%F3+O+Que+Faltava+

21 de ago de 2012

MUITOS GIGAS DE AMOR...

Hoje, ouvi da minha filha Raïssa um caso muito interessante: em uma biblioteca infantil, uma criança disse para a orientadora que no coração dela - criança - tem espaço pra muita gente: papai, mamãe, Flamengo, Palmeiras... montão de gente e de coisas. A orientadora observou: mas você é tão pequenininha, logo seu coração é muito pequenininho. Como é que pode caber tanta gente e tanta coisa assim? E a menininha: meu coraçãozinho é assim... tipo pendrive!

Foto: Ebrindes.
http://www.ebrindes.com.br/produtos/lista/248

A ARTE POÉTICA DE CÍCERO CHRISTÓFARO - CONTAS.



Sempre
Sempre
Sempre fazendo contas
E poesia
Contas e poemas
Misturam minha cabeça
E minha alma  
Quanto custa a alma?
Quanto custa o poema?
Quanto custa a morena?
As contas superam minhas expectativas
A alma
Quando muito, empata
A morena embola tudo
Deixa-me sempre
                sempre
                sempre, de quatro
Contas, almas, poemas, morenas...
Prá onde ir?

Conta!            

Foto: TuDoLink.com

20 de ago de 2012

BELEZA É FUNDAMENTAL! E ESTAMOS "VESPRANDO" AS ELEIÇÕES!

Vinicius de Moraes ainda pediu perdão às feias.
De fato, vivemos em uma sociedade que considera supremos os valores da beleza e da juventude. A moda é um exemplo disto. Muitas mulheres passam horrorosas pelas ruas, porque vestem um vestido que, no anúncio, aparece no corpo de uma "super star" (olha que o trem é tão importante que não dizemos estrela; temos de falar na língua do "magnífico" Tio Sam). Querem parecer estrelas pelo menos no vestido, mesmo que fique horroroso, como é muito freqüente.
Minha irmã disse, certa vez, que não se conformava com que as pessoas dissessem, a respeito de um deficiente físico bonito: "tão bonitinho e tem esse defeito". Revoltava-se: "Quer dizer que feio pode ser aleijado?!!!".
Acho que é por causa disso tudo que os candidatos querem parecer bonitos, felizes e jovens. Haja photoshop! E haja produtores e produtoras de imagem. Um cabelo mais moderno, barba raspada porque está branca e envelhece...
E toma tecnologia. A gente não sabe se aquele montão de gente, com aquele montão de bandeiras, estava realmente no comício. A multiplicação das imagens é mágica fácil de fazer. Até em filmes. E candidatos sorriem, abraçam gente pobre, fazem caras e bocas.
Devem estar certos, porque acabam sendo eleitos. Qualidades morais e capacidade intelectual e física para o exercício do mandato, a gente vê depois.

FOTO (SAULO LARANJEIRA COMO DEPUTADO JOÃO PLENÁRIO): Click Arapiraca.
http://www.clickarapiraca.com.br/noticia.php?id=1119&urlamigavel=saulo-laranjeira-com-o-espetaculo-assunta-brasil-

19 de ago de 2012

OS ENTENDIDOS EM FUTEBOL

Ainda bem que o mundo renova-se a cada momento. Antes das Olimpíadas, postei comentário sobre um excesso de confiança em Neymar - que acho perigoso - sob o título "E se Neymar tiver um piriri?", a propósito de uma chamada de capa da revista Veja Olimpíada 2012.

"Neymar é a esperança de medalha de ouro inédita no futebol".

((http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/07/e-se-neymar-tiver-um-piriri.html)).

 
Afirmei e reafirmo que não estava secando a seleção. Nem o Neymar.
Acompanhando as visitas a este blog, verifico que a matéria foi mais visitada depois das Olimpíadas do que antes. Já acreditava que o título não iria atrair muita gente, quando postado. Afinal, "xô azar!" já está no imaginário popular, principalmente de torcedores de futebol, principalmente de torcedores do Botafogo.
Já se sabe que nossa seleção olímpica não foi bem. Ora direis: mas foi medalha de prata. Concordo. Prata tem mais valor do que se lhe costuma querer atribuir. Mas convenhamos: o nível do futebol masculino nas Olimpíadas foi de médio para baixo. Nem uma seleção com histórico ponderável. Onde a França? Onde a Argentina? A Itália? A Alemanha? A Espanha ficou na fase de grupos.
É só ver quem chegou entre os quatro primeiros, nas últimas quatro olimpíadas. Dos quatro que chegaram em 2012, só o Brasil estava entre aqueles. A Nigéria, que não pode ser tida como referência absoluta, chegou duas vezes, uma como ouro (1996) e outra como prata (2008). Outros que apareceram uma vez apenas, estão entre os países com prestígio futebolístico pelo menos mediano.
Vamos ser realistas: o Brasil não enfrentou uma seleção sequer mediana nas paradas de sucesso. E passou apertado. Na fase de grupos, marcou nove gols mas sofreu quatro, sendo que o placar ficou apertado em um dos jogos que disputou (3x2). Nas quartas de finais, passou apertado por Honduras (3x2).
Penso que esta análise deverá estar sendo feita pelos dirigentes do futebol brasileiro. Se não estiver, vou achar muito esquisito.
Daí minha bronca com os entendidos em futebol.
Antes do jogo contra a Suécia, logo depois das Olimpíadas, os comentaristas do Sportv falavam de nossos jogadores. E admitiram que Neymar, Ganso e demais jovens estão sendo preparados, não estão ainda prontos para a Copa do Mundo.
Ô sô do céu! Mas o Neymar não era melhor do que o Messi? Não era o melhor jogador do mundo?
O que que foi que sucedeu com o menino, meu Deus?! Agora está só sendo preparado?!!!
Ou os entendidos cairam na real?
Neymar é craque, sim! Joga muito, não se poupa, é valente, tem ótima visão de jogo, não é fominha, dá muitas assitências... Isto é mais do que claro.
Mas também é bastante claro que Neymar não fez, até agora, na seleção brasileira, o mesmo que faz no Santos. E olha que na seleção está - pelo menos em tese - a elite do futebol brasileiro.
Será que está faltando alguma coisa?
Ou sobrando?
 
Foto: globo esportes.com
 

18 de ago de 2012

WANDER PORTO DÁ O AR DE SUA GRAÇA

p
r
o
c
i
s
s
ã
o
 
ladainhas
cantilenas
lá vai o padre
atiçando
o fogo do inferno;
ladainhas
cantilenas
lá vai o sacristão
adegando
os vinhos do cristo;
ladainhas
cantilenas
lá vai a beata
conjurando
pragas anacrônicas;
ladainhas
cantilenas
lá vai a missa
carreando
dízimos para o altar;
ladainhas
cantilenas
lá vai o terço
desfiando
contas por pagar;
lá vai o povo
arrastando
seu andor de culpas.

no adro
o candidato,
contrito,
contabiliza
votos.


Foto: UOL Notícias.
http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2012/08/05/imagens-do-dia---5-de-agosto-de-2012.htm

PATATIVA DO ASSARÉ. REPENTISTA NORDESTINO.

Muitos cantaram as rudezas que o sertanejo nordestino enfrenta. Provavelmente, ninguém cantou mais do que Patativa do Assaré. No Cariri, na Serra de Santana, próximo a Assaré, no Ceará, nasceu Antônio Gonçalves da Silva. Aos aos oito anos, vendeu uma ovelha para comprar uma viola. Dez anos depois, viajou ao Pará e "...enfrentou muita peleja com cantadores". Voltou Patativa do Assaré.
Está sendo estudado na Sorbonne, na cadeira da Literatura Popular Universal, sob a regência do Professor Raymond Cantel (http://www.tanto.com.br/Patativa.htm). 
Uma das obras em que, pela vozes de Gonzagão e Gonzaguinha, mostra com maior crueza o drama do nordestino que é obrigado a deixar a terra natal, está "A Triste Partida" (http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=0s4BbHxpUKY).
Penso que vale a pena seguir esse link, com animação de Flávio Andrade Meireles, premiada em Curitiba, um clip muito legal e coerente.
Em geral, os poemas de Patativa do Assaré são muito longos. Tempo e paciência para lê-los serão recompensados. Por enquanto, vou postando algumas "pílulas", daquilo que puder ser dividido. Como as estrofes de "Versos Espalhafatosos". Começo pela primeira delas:

Se a espora tem roseta,
com certeza tem prefume,
nunca faltou mancha preta
na lampa do vagalume,
brinco em ureia de gia
tem beleza e simpatia,
vivo é o mesmo finado
e largo é o mesmo estreito,
dotô formado em dereito
gosta de negoço errado.

Foto: Biblioteca Patativa do Assaré.



GUERRAS FRATRICIDAS. A DOÇURA DE NARA LEÃO OPÔS-SE À INTOLERÂNCIA

Millôr tem razão. Disse que "pensar dói e incomoda".
Incomodou-me muito, hoje, pensar que, se é verdade que somos todos irmãos, desde qualquer guerra até qualquer querelazinha de ponta de rua, passando qualquer desavença, tudo é fratricida.
Passeando pelo cadikim, fui encontrar um escrito sobre Nara Leão que, com toda a doçura que tinha, opôs-se à ditadura e à intolerância, com seu canto suave.
Está em http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/03/nao-e-preciso-ser-violento-para-ser.html.

17 de ago de 2012

EXPERIÊNCIA POÉTICA DO AUTOR: MEU FLAUTISTA


Tem dia em que odeio o meu flautista
e sou capaz até de lhe negar meu som.
Será que pensa que só ele é bom?
E eu mero objeto inanimado?
Eu tenho vida, viu?
Bem tratada,
sou capaz de vibrações febris.
Quer som bonito, é?
Ah! Então, vem me dengar,
soprar mansinho em meu bocal
e me pedir que vibre mais
e mais bonito.
Um golpe de língua inesperado e sutil
é sempre bem vindo.
É lindo o meu flautista quando vem assim,
cheio de amor.
Se não quiser...
Que vá tocar tambor!

16 de ago de 2012

ESTE É UM PAÍS QUE VAI PRA FRENTE. DESDE A DÉCADA DE 1970, NA DITADURA

A propaganda oficial quer, sempre, "botar para cima" o ânimo do povo. Agora, "parcerias" com a iniciativa privada, para rasgar este país de estradas, o tal de PAC, anunciado há vários anos.
Podem chamar de derrotismo. Acho, há muito tempo, que o Brasil está uma bagunça. Índices nada animadores, e até desastrosos, na "dessaúde", na "deseducação", nos de "destransportes" - o trânsito envolvido aí - na "dessegurança", nos assaltos, nos sequestros (estes eficientes, sem "des")etc., etc...
Ontem, fiquei sabendo que o IDEB - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - está muito aquém do desejável. Um dos indicadores para determinar o índice é o número de aprovações. No mínimo estranho, em um país em que não se pode reprovar.
Alguns comentaristas sugerem que é preciso disponibilizar tudo o que há de tecnologia.
Isto custaria muito caro e, se o governo for prover as escolas públicas com a parafernália, os preços irão para as alturas, natural (coisa de mercado) ou "artificialmente" (se não for assim, vivo em um país que não é o Brasil).
Penso em um computador por aluno, sem internet, nos primeiros anos e sem joguinhos. Simplesmente aprender a usar o computador. Mais do que isto, fazer em casa. Já seria um enorme avanço.
Mas penso que, melhor do que tudo isto, é dar a sorte de ter uma Dona Maria do Carmo Mello e Silva como professora, durante os quatro primeiros anos, como eu tive. Acompanhou-me do primeiro ao quarto ano. Ah! E uma turma saudável, bem alimentada, e bem educada, em que mais da metade estava na faixa das notas de 9 a 10. Escola pública - que era a boa. Todos nós de famílias de médias para baixo. A minha tinha uma vida bem difícil.
Para isto, é indispensável qualificar adequadamente as professoras (penso que o sexo feminino ainda domina o setor do ensino fundamental, sendo o caso de, em uma inversão do machismo, colocar os homens como caronas). E, é claro, pagar adequadamente, para tornar a profissão atrativa. Antigamente, ser professora era pertencer a um segmento muito prestigiado da comunidade.
Não precisamos buscar exemplos nem comparações internacionais. Esse montão de gente com especializações, mestrado, doutorado, superdoutorado, supermegahiper seiláoquê... deve saber o que fazer.
Ora, mas isto custa muito caro! Custa sim, mas é investimento. 
Como tenho a mania de misturar as coisas, estou misturando a notícia da nota baixa do IDEB com uma outra, de uma feira de jatinhos executivos (para valorizar, falaram até que um jatinho foi fretado pelo Santos para buscar o Neymar, na Europa, para jogar contra o Figueirense). Só coisa de milhões! E de "bacanos".
Isto não é caro. Tem um mercado promissor (o de helicópteros já começa a congestionar os céus de Sampa). Tem gente podendo e querendo pagar.
Será que a renda não está mal distribuída? Sei não. De economia, não entendo nem da minha. Nem penso que se deva distribuir por distribuir. Mas em remunerar melhor quem produz bem.
Não sou comunista, nem socialista, nem nada que se possa parecer com essas crenças.
No entanto, penso que, deixando o Brasil rolar do jeito que está rolando - pessoas absolutamente despreparadas manejando celulares, aipodes, tábletes, gueimes, etcetera, estaremos mantendo a forma de comunicação que havia durante a ditadura, década de 1970, mais ou menos, e que era criticada por muita gente que mantém tudo isto.

FOTO: ASSHURTADAS.
http://blogdassurtadas.blogspot.com.br/2011/07/esse-e-o-pais-que-vai-pra-frente.html

15 de ago de 2012

ALTAMIRO CARRILHO COM AUSIER NO PEDACINHOS DO CÉU

Moooooorrrrooooo de invejaaaaa! Gostaria de ter estado lá. Além do Ausier (cavaquinho), do Tião (bandolim) e do Geraldinho (violão sete cordas), que sempre encontro lá, teria encontrado o Sampaio, trombonista mais que bacana, que conheço desde a segunda metade da década de 1950.
Ausier encaminhou-me, hoje, um vídeo maravilhoso, com essa turma toda, ao lado de Altamiro Carrilho. Nem vou falar mais nada. Só passar o link.
Pedacinhos do Céu é uma casa temática, com Ausier Vinícius no comando, Raquel de co-piloto e sua turma de palco, sempre muito boa, simpática e acolhedora. Endereço: www.pedacinhosdoceu.com.br. Ali, todas as informações. Então, vamos ao link do espetáculo.
http://www.facebook.com/marcoantonio.cominichristofaro/posts/406413922752289

Foto: FINEP.
http://www.finep.gov.br/imprensa/noticia.asp?cod_noticia=2591

ALTAMIRO CARRILHO - A ESTRELA DA FLAUTA E DO CHORO

Altamiro Carrilho mudou-se de mundo, hoje, pela manhã. Penso que se pode aplicar a ele o que Nelson Sargento disse de Cartola: "Cartola não existiu. Foi um sonho que a gente teve".
Não vou abordar aspectos biográficos. Altamiro Carrilho, para mim, é puro sentimento, pura empatia com o virtuosismo e com a beleza.
Lembro de uma bandinha que o Altamiro dirigia: um flautim, um tarol, um surdo, um piston e uma tuba (ele disse, em entrevista, que eram nove; não me lembro dos demais instrumentos). Espetáculo!
A melhor imagem que tenho de Altamiro vi em Brasília, em um palco. Beijei-lhe as mãos, depois. Reverência que me honrou e não a ele. Vi-o com oitenta anos de idade - ele, óbvio! quem sou eu? - no palco, uma agilidade de menino, domínio do espaço e da música.
Paramos por aí com a prosa. Vou postar alguns links, para quem quiser rever ou ver a arte musical de Altamiro Carilho.
De quebra, um pouco de samba de breque e Zé da Velha e Silvério Pontes, Chico Buarque... sempre com Altamiro.

http://www.youtube.com/watch?feature=endscreen&NR=1&v=Io9DCvCb8aU

http://www.youtube.com/watch?v=eeTnRXKYLq0&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=nLnEjMeaKuc

http://www.youtube.com/watch?v=-MmAFay6nmE

http://www.youtube.com/watch?v=Fp2lFUC3V2k&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=q8B3zwQTtzw

FOTO: Delicadamente Mal-Educado.
http://delicadamentemaleducado.blogspot.com.br/2009/04/altamiro-carrilho-o-poeta-do-sopro.html

14 de ago de 2012

JOGAR CONTRA A SUÉCIA AGORA É IMPORTANTE?

Não sei. Tenho visto muita crítica a alguns jogos da seleção brasileira de futebol, fora do país. Algumas dizem que se trata de caça-níqueis, outras que política de boa vizinhança com a Fifa... Um montão de críticas, nem sempre com a intenção de ajudar.
Mas que o jogo contra a Suécia, logo depois  das Olimpíadas me deixa de pé atrás, isto deixa.
Não acho que a seleção olímpica de futebom masculino tenha fracassado. Medalha de prata é medalha de prata. Apenas não conseguiu ganhar o ouro. Mas ficou como a segunda força futebolística olímpica masculina.
Ora direis: Então, por que o pé atrás?
Porque não vejo motivo palpável para o jogo contra a seleção da Suécia. Não me digam que é para comemorar a primeira copa que a seleção brasileira conquistou, naquele país. Nem para aproveitar a viagem! Afinal, o cinqüentenário da primeira copa ocorreu em 2008. Se fosse em um ano terminado em 8, ainda admito que se quisesse comemorar de 10 em 10 anos.
Então, fico pensando que a CBF - cheia de decisões no mínimo questionáveis, como a da modificação da tabela do brasileirão, quanto a Flamengo x Atlético Mineiro, a mais recente - a CBF, repito, poderá ter pensado em "poupar" os jogadores olímpicos de uma recepção desagradável, na hipótese de a CBF não conquistar a medalha maior - o que alguém poderá chamar de fracasso (é demais pros meus sentimentos considerar a prata um fracasso). De carona, livraram os técnicos e os jogadores e até o presidente da CBF do Galvão Bueno ou substituto, no Bem Amigos, bem assim desses "jornalistas malucos que ficam perguntando besteiras nas entrevistas".
Se a intenção tiver sido esta, acho que colocaram todos em uma fria.
Se não têm força e capacidade para enfrentar imprensa, torcedores e quejandos, com o melhor humor possível e dizendo que deram "o seu melhor" e que, afinal, prata é uma distinção relevante, como irão ter força para, na copa de 2014, no Brasil, livrarem-se de perguntas indiscretas, tendenciosas, e coisas tais, quanto ao passado de 2012?
Se a CBF fez isto para proteger, não estará concorrendo para que esses atletas adquiram aquilo que chamamos de "couro grosso". Muito necessário para quem quer enfrentar paradas difíceis.

FOTO JOGADORES DA SELEÇÃO DE 1958: PLACAR.
http://placar.abril.com.br/

13 de ago de 2012

DERRUBANDO PRECONCEITOS

Fala-se muito em preconceitos, atualmente. Ênfase para as relações de gênero e de etnias. Muita gente pensou nisto há muito tempo. Como sua obra não mereceu divulgação muito ampla, principalmente no plano internacional, as idéias também ficaram escondidas.
Billy Blanco foi um que criticou o racismo e a arrogância, no samba "A Banca do Distinto", que compôs há pelo menos 40 anos, reportando fatos acontecidos com sua amiga Dolores Duran. Produziu também no campo da ecologia. Músicas e poemas falando das coisas da Amazônia e critidando a exploração desenfreada. Encontrei esse tipo de manifestação de Billy - cujas músicas já conhecia de longa data - escondido em um sebo, em Brasília, Tirando de Letra e Música, livro que comprei por ninharia (principalmente considerando o valor histórico-musical da obra).
Há poucos dias, postei matéria sobre a participação de gauleses nas Olimpíadas da Grécia, no século V a.C, uma criação de Goscinny e Uderzo. A dupla também preocupava-se com a ecologia. Ideiafix - o cãozinho de Obelix - lamentava ostensivamente quando alguém derrubava uma árvore. A postagem sobre olimpíadas está em http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/08/olimpiadas-no-seculo-v-antes-de-cristo.html. Considerações interessantes sobre o valor político das palmas - hoje, medalhas.
Não deixaram de abordar a questão dos preconceitos, quanto a limites impostos às mulheres, incluindo manifestações irônicas sobre as pretensões delas, de poderem fazer o que faziam os homens (penso que a ironia sempre funciona como inibidor violento exponencial).
Posto, então, um quadrinho da revista "Asterix nos Jogos Olímpicos", que contém a "previsão do futuro" (os autores já estavam no futuro, mas havia ainda preconceitos e restrições, já que a revista foi produzida em 1968).





Fonte: Asterix Nos Jogos Olímpicos
Original: Astérix aux Jeux Olympiques
1968 - Coscinny-Uderzo

12 de ago de 2012

EXPERIÊNCIA POÉTICA DO AUTOR - MEU PAÍS

Meu país é
ironicamente feliz!
Tem carnaval,       
tem arrebol,
pré-sal
e futebol.
Falta asfalto,
sobra assalto...


É campeão
de voleibol,
de windsurf,
de jet Sky,                       
de futsal,
de natação,
de acidentes,
de corrupção.
 
Tem natureza
exuberante,
turismo, ecologia,
arte sacra,
barroca, mundana,
entretenimento sacana...
Mas tem poluição,
desmatamento
pra plantar cana.
 
Tem feijoada,
caldeirada de siri,
do qual se faz a boca
quando a pátria, a esmo,
é assaltada mesmo!
E ainda se ri – pobre país! –
de toda piada
sobre quem de todos
segue rindo.
 
Também tem fome
tem violência,
uma indecência!
Mas não faz mal,
isto é normal
co’o capital
em ascendência.

E tem mutreta – como tem mutreta!
que nem mesmo um falso asceta
consegue disfarçar completamente.
Por isto mente descaradamente.
Repete, somente,
Convenientemente:
“só sei que nada sei!”.

Foto: Joana D'arc
http://dark-joana.blogspot.com.br/2012/04/vendaval.html

11 de ago de 2012

O VOLEI FEMININO É OURO! É UMA PENA!...

É uma pena, sim, que outras atividades - esportivas, estudantis, governamentais, sanitárias... - não procurem buscar algum exemplo na administração do voleibol, no Brasil. Tenho tentado fazer algumas comparações entre o futebol e o voleibol. Curiosos poderão recorrer a "DIFERENCIAIS ESPORTIVOS"
(http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/08/diferenciais-esportivos.html).
Há muito tenho pensado: se um esporte mantém uma situação privilegiada em âmbito internacional, por muito tempo, não seria o caso de se estudar os caminhos por que passou esse esporte?
Hoje, comentando essa trajetória, Nalbert, com uma bagagem invejável, disse que se poderia adotar, no Brasil, condutas e estratégias que foram adotadas pelos dirigentes de voleibol.
Não é preciso comentar o desempenho da seleção brasileira de volei feminino. Mas sempre é bom lembrar que a vitória sobre a seleção japonesa foi gigantesca. E sair do buraco do primeiro "set", 25 x 11, para uma vitória por 3x1, sobre a seleção estadunidense, foi uma demonstração de saber o que faz. Com precisão, calma, conhecimento, auto domínio, uma gama enorme de atributos positivos, tanto das atletas quanto da comissão técnica e da administração do esporte.
Nada mais natural do que desejar saber como é que eles e elas conseguem...
Quem se interessa?

Foto: ESTADÃO.COM.BR
http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,brasil-bate-estados-unidos-e-e-bicampeao-olimpico-no-volei-feminino,915093,0.htm

A MALDIÇÃO DO OURO

Não! Não se trata de filme do Indiana Jones. Trata-se da incapacidade que, até agora, futebol brasileiro tem demonstrado para conquistar uma medalha olímpica de ouro.
Não que isto seja a coisa mais importante que o Brasil possa desejar. Há muitas coisas que penso serem prioritárias. Nem precisa falar.
Qual será a causa dessa incapacidade?
Penso que ninguém, nem seleção alguma ganha medalha de ouro, nem perde, sem antecedentes que possam ser mais ou menos determinantes. A medalha de ouro não foi perdida hoje. Como qualquer brasileiro, tenho minhas teorias, que, por enquanto, vou guardando. Tento encadear muitos fatos e muitas atitudes que envolvem o futebol e os outros esportes.
Acho que essa incapacidade nacional de ganhar medalha olímpica de ouro, no esporte em que é pentacampeão em copas do mundo, desafia tese de doutorado. É um fenômeno que incomoda - e muito - milhões de entendedores de um futebol dito vitorioso.
Enquanto não equacionarmos este fenômeno, não conheceremos as verdadeiras dificuldades e, conseqüentemente, estaremos laborando em causas equivocadas.
Dou um exemplo: logo depois do jogo, o comentarista Paulo César Vasconcellos falou, entre outras coisas - acho que o que disse de mais importante foi que não há por que crucificar a geração de Neymar - falou, repito, que precisamos de um goleiro.
Meu Deus! como diz o Milton Leite. Discutir goleiro é o que menos temos de fazer agora. Mesmo porque, se minhas teorias puderem ser provadas, penso que Neymar já foi crucificado, desde há muito tempo.
E também não se trata da geração Neymar. Escrevi, no mês passado "E se Neymar tiver um piriri?"
http://www.blogger.com/blogger.g?blogID=3909210118884130113&pli=1#overview/postNum=0, chamando a atenção para a hipótese exclusiva que li em Veja Olimpíada 2012, de julho:

"Neymar é a esperança de medalha de ouro inédita no futebol".
Disse que isto podia não ser bom para os demais jogadores. Agora, penso, que talvez não tivesse sido bom nem para o próprio Neymar. Responsabilidade demais!
Tenho dito, também, que, embora pertença à categoria dos esportes coletivos, a nossa tendência - dirigentes, torcida, publicitários, mídia em geral - é individualizar. Só se destaca o artilheiro. Fala-se muito no jogador que marcou o "gol da vitória", como se fosse o único artífice de uma vitória por  3x2 (se tiver curiosidade, leitor, veja "O GOL DA VITÓRIA" em http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/02/o-gol-da-vitoria.html).
O resto é o resto! Meros coadjuvantes.
Que tal nossos dirigentes futebolísticos fazerem uma análise séria, cuidadosa, desapaixonada, e, principalmente, voltada - focada, como se gosta de dizer por aí - na reconquista da qualidade do nosso futebol, como um todo, para identificar os fatores negativos que têm interferido no futebol brasileiro?
Poderá ser uma tentativa de exorcisar a maldição do ouro.
Foto jogo: R7.
Foto medalhistas: ESTADÃO.COM.BR
http://olimpiada.estadao.com.br/


VOLEI FEMININO DO JAPÃO É DE ARAKI. MAS FICA COM O BRONZE.

Duas equipes orientais disputando o bronze, hoje, nas Olimpíadas de Londres. Interessante observar características físicas bem diferentes das nossas. Parêntesis: li, há alguns dias, relação de profissões inúteis em determinados lugares. Na Coréia e na China: desenhista de retrato falado. Voltemos ao bronze.
Penso que as japonesas mereciam, depois daquele jogo épico contra a seleção brasileira. Fiquei contrariado porque, depois daquele jogo, achei uma pena que uma das duas competidoras não estaria na final. Foi um jogo espetacular!
Disputando o bronze, as japonesas venceram e ficaram com o bronze, com a colaboração de Araki - Erika Araki. Legal, não?

Foto: Terra.
http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos