31 de dez de 2016

...E O SORVETE?


Acucar-de-cocoDeixei a pergunta no final do texto de "SORVETE E ÁGUA DE COCO: QUEM TEM MEDO DA LAVA JATO?", publicado no dia 30 (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2016/12/sorvete-e-agua-de-coco-quem-tem-medo-da.html).Estava quente demais e não abri falatório sobre sorvete top, com aquele calorão. Nem passava perto.
acucar-de-coco-blonde-sache-100un
Mesmo porque o assunto principal não será apenas "sorvete". Afinal, sorvete do mais caro (mesmo que não estivesse superfaturado) não é o único item da lista com tal característica. Vamos ela: encontrei em http://www.secretariadegoverno.gov.br/acesso-a-informacao/licitacoes-contratos-editais/secretaria-de-administracao/licitacoes/licitacoes-em-andamento/pregao-eletronico-2015/pregao-eletronico-no-014-2016-gsi/pe-014-2016-gsi-servicos-de-comissaria-aerea.pdf. Começa com 200 unidades de açúcar de coco com 150 g cada, a R$27,00 a unidade, totalizando R$5.400,00, para 200 porções de açúcar de coco. R$27,00 a porção! Não sei quantas porções cada pessoa consome em cada café. Para mim, açúcar de coco é que nem caviar: nunca vi, nem comi; só escuto falar. Fazendo continhas, cheguei ao preço de R$180,00 o quilo da iguaria. Parênteses: obtive informação de que há uma loja em Brasília que vende a R$100,00. Quem sabe algum administrador do avião lê isto. Está lá pertinho dele. Vai economizar uma grana. Mas acompanhemos um pouco mais o açúcar na lista: 1.000 sachês com açúcar mascavo (lá está "sachet", que deve ser francês, mas este blog não tem leitura para tanto; pode ser até que o sobrepreço seja pela embalagem ser citada em língua estrangeira); 4.500 sachês com açúcar comum (deve haver menos gente que consome açúcar comum e este detalhe é relevante ao raciocínio final); 1.000 sachês com açúcar orgânico. E segue com adoçantes.
Não vou conseguir comentar a lista inteira aqui. Vou deter-me em especificidades. Primeiro, almoço e jantar: cinco categorias, com preços diferenciados (destaques como estão na lista): ALM/JNT - COMITIVAALM/JNT - COMITIVA ESPECIAL; ALM/JNT - PR (suponhamos que se refira a Presidente); ALM/JNT - PR ESPECIAL; ALM/JNT VIP; ALM/JNT VIP ESPECIAL (penso que na categoria "vip" o Presidente admitiu misturar-se com inferiores: não há "vips" PR). Depois, BREAKFAST, também com algumas discriminações de categorias e de preços.
Bom! Chega de falar em comida. São 12h 13m, estou ficando com fome e morto de inveja.
Pode ser que meu estado de fome e de inveja esteja dirigindo meu raciocínio. Penso que não. Por um exame perfunctório da lista e de especificidades, acabo pensando que temos várias categorias de pessoas, dentro de uma única aeronave: os "COMITIVA", os COMITIVA ESPECIAL", o "PR", o "PR ESPECIAL" (estes se "PR" referir-se mesmo a "Presidente"), os "VIP" e os "VIP ESPECIAL". Se as correlações guardam lógica (o que ignoro), ao "PR", que me parece o mais graduado, deve ser reservado o açúcar de coco (a quantidade para aquisição é significativamente menor do que de outras espécies). De qualquer forma, fica claro que cada "categoria" deve ser servida segundo seu respectivo nível.
Bom, se dentro de uma única aeronave há cinco níveis de possibilidades alimentares, imaginem o que há fora dela, enquanto sobrevoa solo brasileiro.
Claríssimo que essa estória, que escutamos frequentemente, de que todos somos iguais, é uma grande balela.
Observo, mais, que os itens são adquiridos em suas mínimas unidades (sachês, etc.). Coisa fácil de levar para casa, considerando as dificuldades para controle.
Mas não é tudo. Sabemos que essa hierarquização econômico social envolve todos os habitantes. Há milionários, riquíssimos, muito ricos, ricos,... pobres, muito pobres, miseráveis... E os há honestos e desonestos. Um exemplo flagrante é a Odebrecht, que vem de confessar ações "que contrariaram princípios da empresa" (eu, hein?). Uns - honestos ou desonestos - podem comer o que outros não podem. Mas comem o que pode com o produto - honesto ou desonesto - de seu trabalho e dos ganhos que obtêm dele. Há, no entanto, uma categoria especialíssima: há alguns que podem comer tudo o que está na lista, mas com o dinheiro do povo, sem gastarem um único centavo de seus próprios vencimentos.


Foto 1: DICAS DE NUTRIÇÃO.
http://www.dicasnutricao.com.br/acucar-de-coco/

Foto 2: biomercado.
https://biomercadobrasil.com.br/fair-trade-o-que-e-comercio-justo/

29 de dez de 2016

SORVETE E ÁGUA DE COCO: QUEM TEM MEDO DA LAVA JATO?

É claro que também me surpreendi com a lista do farnel do avião presidencial. Nunca vira isto publicado antes. Logo no quente da notícia, só impliquei com a água de coco porque logo fiz uma comparação com uma compra recente que fizera: eram 1.500 litros de água de coco por R$21.000,00. Fiz uma divisão rápida, mentalmente: cerca de 14 reais por litro (posteriormente, conferi). Ora, poucos dias antes, havia comprado, no varejo, água de coco, em caixinhas de 200 ml, a R$2,50 cada ou seja, R$12,50 o litro. Imaginei que em embalagem de litro, deveria custar bem menos (no estabelecimento em que comprei custa, mas acho a caixinha mais cômoda). Logo em seguida descartei a hipótese de as embalagens da licitação pudessem ser de 200 ml. Acho que "bacano" não bebe água de coco em canudinho, que nem eu. Deve ser em taça de cristal. Por vezes com whisky (não consta da lista, se não me engano). Da parte financeira, passei para a logística: tratava-se de 5000 porções de 300 ml cada uma. Se a compra estivesse sendo feita para consumo em um ano, teríamos 13 porções e caqueirinha (se quiser saber o que é, poderá achar, por semelhança, em caqueira) por dia, se o avião presidencial voasse todos os dias, com 13 pessoas, um copo para cada um; de dois em dois dias, dois copos para cada; penso que não há sede que exija mais em voos comuns; outras simulações poderão ser feitas por quem for mais aborrecido do que eu. Leio alhures que o avião presidencial, no seu 11º aniversário, efetuara 6.000 pousos em 10.000 horas de voo (http://www.mottors.com.br/2015/06/29/aviao-presidencial-brasileiro-o-airbus-a319cj-ja-esta-em-seu-11o-aniversario-e-ja-efetuou-mais-de-6-mil-pousos-e-mais-de-10-mil-horas-de-voo/). Pelo número de pousos, podemos verificar que efetuou caqueirinha mais de 454 por ano, ou seja, mais de 1,49 pouso por dia. Não pode ser parâmetro porque, sem dúvida terão ocorrido mais de um pouso por voo. Passemos às horas de voo: 909 por ano. Será necessário voar todos os dias, durante cerca de duas horas e meia por dia, consumindo 5,5 porções de 300 ml em cada voo, para acabar com as 5.000 porções da licitação. Se não tiver havido horas de voo mais do que o necessário, acho até que não tem água de coco demais nessa parada, conforme os participantes dos voos. Poderá haver horas de voo que não estivessem no caderninho.
Para mim, a discussão necessária não é portanto, sobre as quantidades (mesmo sem ver os demais itens).
A discussão necessária é sobre o superfaturamento. Quem quiser encontrará várias comparações. É só procurar.
A discussão, portanto, deve versar sobre o seguinte tema: se, em pleno andamento da Lava Jato, que trata especificamente de superfaturamentos para gerar propinas, como é que qualquer autoridade, no seu juízo normal, envereda pelo caminho do superfaturamento? É! Parece que ninguém tem medo da Lava Jato mesmo!
E o sorvete?
Bom. Isso é para outro papo. Volto depois para comentar.


Foto: link citado no texto.

27 de dez de 2016

TEMPO DE ARCO-ÍRIS



Nestes tempos chuvosos que - graças a Deus - temos tido com abundância e serenidade, aparece majestoso o arco-íris - o popular arco-da-velha. Sempre agradável e até poético olhar o céu, logo após as chuvas de verão, e apreciar as cores vivas do arco-íris, mesmo sobre um céu ainda cinzento.


25 de dez de 2016

SEM PLANO B!!!!!!!

Ouvi da boca do próprio Presidente da República, pela TV: o Governo não tem plano B.
Pode ser que seja bravata, que esteja querendo dizer que é do jeito que ele - Presidente - pensa, ou é de jeito nenhum. Ou pode ser um escape: se não der certo, elaboraremos um outro plano.
Meu eterno pé atrás chama-me à ordem: e se o plano A não der certo, como ficará? Poderão até pensar que estou querendo "secar" o plano A.
Nada disto. Meu pé atrás tem alguns motivos. Primeiro - e penso que já disse isto recentemente - acho que os economistas do governo nem sempre dão certo, embora acertem mais nos bancos, provavelmente pelo seguinte: o melhor negócio do mundo é um banco bem administrado; o segundo melhor negócio do mundo é um banco mal administrado. Os bancos possuem uma cadeia imensa, ávida, descontrolada e voluntária, de contribuintes. O marketing propõe, a cada dia, um conjunto de negócios fabulosos, cujo preço está um pouquinho acima das capacidades dos contribuintes, digo, consumidores. Não é à toa que o número dos inadimplentes é muito alto e dos endividados adimplentes também. Já os governos não têm contribuintes voluntários e possuem nenhum mecanismo de estimulá-los à contribuição. A mercadoria que entregam não possui nem a quantidade nem a qualidade prometidas pelos políticos. Aí, não há economista que resolva.
Mas, diabos, o que é que tem isto com plano A e plano B? E com meu pé atrás?
O único plano econômico que vi dar certo foi o Plano Real. Os ajustes nem sempre. Nem o Plano Collor, nem o Plano Sarney... Cheguei a dizer, certa vez, que vivíamos no Pais dos Mágicos de Ohz! O candidato vinha dizer que ia fazer isto e mais aquilo e, em seguida, "oh!". Cada plano era uma promessa de melhora. Depois, "oh!".
Nessas elucubrações, lembrei-me de que Collor, como candidato, disse que tinha uma única bala para matar o tigre da inflação. Ou seja, tinha apenas plano A. Deu no que deu.
Ah! Mas já se passaram mais de vinte anos. O povo já se esqueceu, uai!
Por isto o pé atrás. Não acredito em uma única versão de plano. Porque, se não der certo, vai ficar errado. Sem alternativa. Acho tremendamente arriscado. A não ser que estejam me iludindo, para, no caso de fracassar o plano A, voltarem com outro plano, melhor e mais salvador. Seguramente, com mais sacrifícios para o povo.

Imagem: Gazeta do Povo.
http://www.gazetadopovo.com.br/blogs/talento-em-pauta/voce-e-o-plano-b/



24 de dez de 2016

SÓ PODE SER MONTAGEM! TRATA-SE DE POLÍTICO. MAS NEM ASSIM É ACREDITÁVEL.

Encontro no facebook um vídeo referindo-se ao Sr. Jose Renato Nalini. Conforme está na Wikipédia, é jurista, professor, escritor, magistrado e - creiam na Wikipédia - político.
O que é que tem ser político? Bom, há muito penso que político complica muito. Por exemplo: economistas dão certo em grandes empresas, principalmente nos bancos, que enriquecem mais e mais. No governo, político não dá certo. Façam um retrospecto: tirando o Plano Real, todos os planos dos últimos 35 anos deram errado. Por isto é que, sempre que tem político na parada, fico com um pé atrás. Político deve atrapalhar até economista.
Mas vamos à causa da minha idiossincrasia: o tal vídeo, mesmo se não for verdadeiro, é um trem de muito mau gosto; se for verdadeiro, justifica meu pé atrás. Vejam o texto, colhido e copiado do vídeo no youtube (https://www.youtube.com/watch?v=AbrQc22CJE0&feature=share):

Pergunta: "O Marcelo Mota perguntando aqui o que que você acha dos R$4.300,00 de auxílio moradia para juiz."
Resposta do entrevistado Dr. José Renato Nalini (se não for montagem): "Esse auxílio moradia na verdade ele disfarça um aumento do subsídio que está defasado há muito tempo, não é? Hoje aparentemente o juiz brasileiro ganha bem, mas ele tem 27% de desconto do imposto de renda, ele tem que pagar plano de saúde, ele tem que comprar terno e não dá para ir toda hora a Miami comprar terno, e cada dia da semana ele tem que usar um terno diferente, uma camisa razoável, um sapato decente, ele tem que ter um carro,não é? Espera-se que a Justiça ali que personifica uma expressão da soberania esteja apresentável. E há muito tempo não há o reajuste do subsídio não é? Então o auxílio moradia foi um disfarce para aumentar um pouquinho e até para fazer que o juiz fique um pouco mais animado, que não tenha tanta depressão, tanta síndrome de pânico, tanto AVC, e etc. Então a população precisa entender isso. No momento em que eles perceberem que um juiz trabalha... é... eles verão que não é a remuneração do juiz que vai fazer falta. Se a justiça funcionar, vale a pena pagar bem ao juiz."

Segundo encontrei na Wikipédia (https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=jos%C3%A9+renato+nalini), o Dr. José Renato Nalini foi Presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, exercendo agora o cargo de Secretário da Educação do Estado de São Paulo.
Data vênia, como gostam os juristas, não consigo crer que o vídeo seja autêntico. Nem deve passar pela cabeça de uma pessoa, com os atributos intelectuais e com o currículo do Dr. Nalini, algo tão profundamente mau e desajeitado. Deve ter sido alguém muito mau que editou o áudio. Mesmo sendo brincadeira, é de muito mau gosto.


Imagem: Magno Martins (blog).
http://blogdomagno.com.br/ver_post.php?id=168688

16 de dez de 2016

"TROVADORES AO LUAR"

Resultado de imagem para sapoeira
Sapoeira
O Mercado Municipal de Patos de Minas tornou-se espaço cultural. Começou com o "Sapoeira", do Toin Jorge, reunindo músicos e batuqueiros amadores, tocando e cantando para se divertirem. Juntou gente e os domingos no Mercado passaram a ser dia e ponto de reunião, de encontro de amigos que não se viam havia algum tempo, de surgimento de pessoas que não pertenciam à roda e se incorporaram, de assistentes assíduos... A cultura em andamento, por graça e diversão.
Deu-se que o "Trovadores ao Luar", grupo de seresta do Conservatório Municipal "Galdina Corrêa da Costa Rodrigues" entendeu de mostrar-se também ali. Um sucesso, desde a primeira apresentação. Wilmar Carvalho dirige os trabalhos, contando com artistas de ambos os sexos e idades variadas (costumo dizer que quem participa de qualquer atividade artística não envelhece solitário). No dia 14 deste mês, os trovadores prepararam um belo repertório variado, incluindo músicas natalinas, apresentadas com muita beleza e emoção.
Muitas pessoas pararam para assistir e outras foram ao Mercado especialmente para assistir ao espetáculo.
Trovadores ao Luar
A cidade que canta é mais alegre, mais cordial, mais feliz. Os efeitos calmantes da música são recebidos por todos que a homenageiem com sua presença.

13 de dez de 2016

PALAVRAS DE ORDEM

Estão por toda parte. Em manifestações (fora isto, fora aquilo, fora aquele...), em hinos (pátria amada, salve, salve - por exemplo), nos estádios (juiz ladrão!), e assim por diante.
Aparecem como por encanto, sabendo-se que algumas são imitações, não se sabendo quem é a pessoa imitada, outras de uso comum, sem que se saiba de onde surgiu.
Coisa de moda: aparecem e são substituídas sem ninguém saber como, nem por que.
notaderepudioSEESEAh! Mas estamos ouvindo duas palavras de ordem em Brasília, bem atuais, e com grande freqüência, sem sabermos quem está sendo imitado, mas podendo supor os motivos. Penso que é para ver se colam. As palavras são: "repudio" (não é repúdio, que só tem aparecido por escrito); é repudio no presente, primeira pessoa) e "veementemente".

Imagem: Plataforma Política Social.
http://plataformapoliticasocial.com.br/nota-de-repudio/

12 de dez de 2016

REGRA: LIBERDADE. EXCEÇÃO: PRISÃO. TRATAR A EXCEÇÃO COMO EXCEÇÃO.

Operação Lava Jato (12)Foi o que ouvi de um advogado, no programa Roda Viva, da TV Cultura. Obviamente, estava do lado dos que querem ver soltos os envolvidos na Lava Jato. Argumentou, então, que a liberdade é a regra e que a prisão é exceção. Muito bacana!
No entanto, penso que não se pode simplesmente tomar a expressão, sem parâmetros correspondentes. Como penso, coloco meus parâmetros: honestidade é a regra; corrupção é exceção.
Assim, ouso pensar que há motivos para prisões preventivas quando há indícios severos de participação em maracutaias e os riscos de, estando no "poder", o denunciado ter possibilidade de intervir. Se há marginais encarcerados, que comandam o crime organizado de dentro das prisões, imagine-se quem tem inúmeros relacionamentos com poderosos. Além disso, o risco de dissipação de dinheiros desviados, o risco de se escafederem para o exterior... Nem me venham dizer que delações premiadas não têm valor. Se chegam acompanhadas da disposição de devolver altíssimos valores financeiros, é conveniente que sejam levadas a sério.
Para finalizar: penso que os comportamentos das investigações devem seguir os parâmetros completos: liberdade - regra / prisão - exceção; honestidade - regra / corrupção - exceção.
Síntese: liberdade para quem é honesto / prisão para quem é corrupto. Simples assim, doutor!

Imagem: R7.
http://www.culturamix.com/noticias/brasil/operacao-lava-jato/

10 de dez de 2016

FUTEBOL: É DE PEQUENINO QUE SE TORCE O PEPINO

Logotipo Oficial y Escudo del Club Atlético de Rafaela.svgQuem assistiu ao jogo Atlético Mineiro x Grêmio, final da Copa do Brasil, viu, no final, aquela cena lamentável, de agressões mútuas. Quem prestou atenção, certamente terá visto a ação negativa de Bolaños: bola colocada para o Atlético cobrar uma falta, Bolaños vai à bola e chuta-a para longe.
Gesto absolutamente desnecessário, embora altamente agressivo, do ponto de vista da disciplina esportiva e do espírito esportivo, muito decantado por causa da tragédia que atingiu a Chape. A reação dos atleticanos foi pronta e nada educada.
Desnecessária a ação de Bolaños, porque, com menos de três minutos de jogo pela frente, o Atlético teria de marcar dois gols, para levar a decisão aos penaltes. No entanto, a ação teria o mesmo grau de agressividade e grosseria, qualquer que fosse o momento do jogo em que tivesse sido praticada.
O juiz só tirou o cartão amarelo para mostrar a Bolaños depois de todo o tumulto.
Hoje, assisti a parte do jogo Atlético Mineiro x Atlético Rafaela. Não foi pouco o que vi de jogador do Rafaela retardar a partida (estava com 10 e o empate era bom), sem que o juiz se mancasse. Deu um só cartão, para o goleiro, se não me engano. Nos descontos, novo retardamento, com um do Rafaela chutando a bola do local da falta, que deveria ser cobrada pelo Atlético Mineiro. Aí, levou amarelo.
Não posso conceber tal comportamento como esportivo, sendo que vejo isto em quase todos os jogos, se não for em todos.
Pior é ver que o comportamento é ensinado - ou, pelo menos, admitido por diretores e treinadores - desde as divisões de base, como tenho visto em jogos de sub qualquer coisa.
Uma verdade: só estarei feliz e conforme o bom e saudável futebol no dia em que assistir a um término prematuro de partida, por não haver o número mínimo no gramado. Contrariando o Galvão, que disse, naquele jogo Atlético x Grêmio, que "agarra-agarra" na área não tem remédio.
Escudo do Atlético MineiroNada que um bom cartão amarelo, seguido de vermelho, não resolva.









Escudo Clube Atlético Rafaela: Wikipédia
https://pt.wikipedia.org/wiki/Asociaci%C3%B3n_Mutual_Social_y_Deportiva_Atl%C3%A9tico_de_Rafaela#/media/File:Logotipo_Oficial_y_Escudo_del_Club_Atl%C3%A9tico_de_Rafaela.svg

Escudo Clube Atlético Mineiro: Camisas de Time.
https://www.camisasdetime.com.br/atletico-mineiro/ 

3 de dez de 2016

DIVERGÊNCIA NA INTERPRETAÇÃO DA LEI PENAL OU PROCESSUAL PENAL E NA AVALIAÇÃO DE FATOS E PROVAS



No Senado, o Juiz Sérgio Moro apresentou uma proposta para ser inserida na lei. Disse que a proposta será encaminhada ao Senado. Eis o texto:






"Não configura crime previsto nesta lei a divergência na interpretação de lei penal ou processual penal ou na avaliação de fatos e provas." (G1 - http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/11/moro-envia-ao-senado-sugestao-projeto-sobre-abuso-de-autoridade.html).

Que S. Exa. me desculpe mas - com todo o respeito e a admiração que lhe voto, pela coragem no trabalho, pela disposição e pelo empenho, e pelos efeitos, incluindo a recuperação de ativos, ora da ordem de quase sete bilhões de reais - ouso discordar, não torcendo para manter propostas que, segundo o Judiciário e o MP têm alegado, objetivam a matar a Lava Jato. Mas porque penso que qualquer proposta de mudança em legislação tem de ser cuidada com muita maturidade (não quero dizer que o autor da proposta não tenha maturidade, mas, no momento, não tem nem pode ter isenção, porque está profundamente envolvido, como estão envolvidos os parlamentares que emendaram a proposta oriunda do MP).
Primeiro: a proposta fala em interpretação de lei penal ou processual penal.
Isto mexe comigo. O cidadão não pode escusar-se de cumprir a lei, alegando que não a conhece (Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro, art. 3º). Um das formas de não conhecer a lei é ser incapaz de interpretá-la. Então, para que se possa impedir o cidadão comum de alegar desconhecimento, é indispensável que a lei seja absolutamente clara e coerente, para que possa interpretá-la com certeza. Conheço um caso concreto, em que um acusado da prática de atentado violento ao pudor, com violência presumida, foi absolvido, aplicando-se uma interpretação de dispositivos cabíveis, a qual me pareceu muito coerente. Posteriormente, a legislação foi modificada, ficando claro que aquela argumentação não teria mais cabimento, no mesmo caso. Verifico que a primeira legislação continha falha que permitia argumentar com boa dose de admissibilidade.
Por isto, acho que não pode haver divergência, entre juízes, na interpretação de lei penal ou processual penal - e até da lei civil. Se os juízes não conseguem formar o mesmo conceito, sobre determinada norma, não se pode exigir que cidadãos não versados em Direito o consigam. Neste caso, penso que a lei será imperfeita.
No entanto, acho perfeitamente possível que juízes discordem quanto à avaliação de fatos e de provas, eis que, podendo ser vistos por óticas diferentes, cabe admitir divergências.
Assisti a parte da sessão do STF em que foi recebida a denúncia contra Renan Calheiros. Ouvi do Ministro Tófoli que não poderia haver relação de causalidade entre a existência de uma nota fiscal de prestação de serviço e a inexistência de lançamento do valor correspondente no extrato bancário. Argumentava que o pagamento poderia ter sido feito em dinheiro.
Quanto a isto concordo com o Ministro Tófoli - e apenas quanto a isto porque não ouvi os votos de outros ministros e não sei se nos autos há outros elementos de informação que indiquem que o pagamento não foi feito.
Um aspecto que considero relevante para discordar da proposta do Juiz Sérgio Moro é o fato de ficar muito difícil, senão impossível, determinar a autoria de crime, se o fato pudesse ser considerado como tal. Vejamos:
As divergências, no STF, como nas demais esferas do Judiciário, são coisa corriqueira.
Na mesma sessão aqui referida, três ministros rejeitaram totalmente a denúncia; três outros ministros receberam integralmente a denúncia; e sete outros ministros receberam parcialmente a denúncia.
Se se pudesse imputar a alguém, como crime, o fato de divergir na avaliação de fatos e provas, a quais deles seria cabível a imputação? Aos que rejeitaram integralmente a denúncia? Aos que a receberam integralmente? Ou aos que a receberam apenas parcialmente? E quem decidiria isto?
Penso que não tem razão de ser a proposta do Juiz Sérgio Moro - com todo o respeito que lhe é devido - porque, quanto a divergência em avaliação de fatos e provas, a divergência pode ocorrer com freqüência. Mas, quanto a divergência na interpretação da lei penal ou da processual penal, acho que não tem cabimento, salvo imperfeição na lei, que terá de ser modificada. E, sendo inconciliável a divergência, a imperfeição terá de ser favorável ao acusado.
Entendo, sim, que os trabalhos dos juízes devam estar sujeitos a avaliações e conseqüências, quando se provasse que tenham incorrido em erro, mas apenas quanto a efeitos civis. Trata-se um fato de exercício profissional, como em qualquer outra profissão. E, evidentemente, de prestação de serviço. Chego a cogitar de aplicação de normas do Código de Defesa do Consumidor (o cidadão é consumidor dos serviços do Estado, sendo que o CDC contempla toda a linha da prestação do serviço).
Sub censura, como gostam os juristas.

Imagem: STF - Símbolos da Justiça.
http://www.stf.jus.br/portal/cms/verTexto.asp?servico=bibliotecaConsultaProdutoBibliotecaSimboloJustica&pagina=inicial

2 de dez de 2016

O POETA WANDER PORTO DÁ O AR DE SUA GRAÇA


GATO


Tempos atrás,
Perdi uma gatinha que era minha vida
E morri.

Ano passado
Perdi outra amada que era minha vida
E morri.

No carnaval deste ano virei tamborim
assim que morri.
Ai de mim.

Mês passado
Perdi uma angorázinha que era minha vida
E morri.

Semana passada
Perdi mais uma amada que era minha vida
E morri.

Ontem,
Numa escola, uma pentelha me atirou um pau
E morri.

Seis, tô por uma,
Na beira do telhado!
-Te contar, Cara,
Ser gato tá complicado, viu!!

Texto e Arte: Wander Porto.


27 de nov de 2016

COMEMORAR GOL TIRANDO A CAMISA: PODERIA SER DIFERENTE?

Já tratei deste assunto (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2014/09/por-que-e-proibido-tirar-camisa-por-que.html). Mas volto a ele, por causa de fatos recentes.
Ontem, no jogo Vasco X Ceará, pela série B do brasileirão, Thalles, logo após marcar o segundo gol, que virava o jogo e praticamente colocava seu time na série A, correu para a linha de fundo, tirando a camisa na comemoração. É claro que recebeu o cartão amarelo. Mais marcante foi o que ocorreu com Pedro Rocha, do Grêmio, no jogo contra o Atlético Mineiro, pela Copa do Brasil, na última quarta feira: entusiasmado com seu segundo gol, também segundo do Grêmio, comemorou tirando a camisa. Amarelado. No segundo tempo, fez uma falta que mereceu o segundo amarelo. Resultado: fora de jogo e do próximo.
Ainda me intriga por que os jogadores insistem em transgredir a regra (que sigo achando sem motivo), já sabendo que irão ver o amarelo e - pior - sabendo do risco de outras conseqüências mais graves possíveis. Penso que deveriam evitar. Penso que não será a transgressão reiterada que irá acabar com a proibição.
Acho nada demais tirar a camisa em campo, temporariamente, como escrevi antes.
Acho que a comemoração é uma instituição no futebol: momento de alegria, de algum possível pequeno acento emocional... Penso que há muito mais - e mais importante - o que coibir em campo do que o alegre tirar e rodar a camisa sobre a cabeça.
Teria ficado neste achismo meu, se não tivesse conversado com minha mulher, que me puxou a orelha e disse para eu consultar o motivo da proibição. Pensava que era apenas para que o jogador não ficasse momentaneamente sem uniforme completo. Segui a orientação da esposa e encontrei ("Cartão amarelo por comemoração de gol: árbitro tem que se enquadrar à competição" - Sílvio Spínola, ESPN, http://espn.uol.com.br/post/503007_cartao-amarelo-por-comemoracao-de-gol-arbitro-tem-que-se-enquadrar-a-competicao): a regra manda "punir o excesso". Mas deixa a questão sujeita à subjetividade. Por exemplo: segundo a notícia citada, a FIFA admite a comemoração com a torcida, em escada de acesso à arquibancada, onde há; a CBF orientou o contrário; no futebol carioca, a comissão de arbitragem da Ferj diz que pode.
Como a regra é absolutamente subjetiva, nada a respeito de tirar a camisa. Mas o Sílvio Spínola diz que "expressar a emoção em fazer o gol com coreografias é permitido, o árbitro deve punir caso seja excessivo, tenha perda de tempo ou a comemoração seja desrespeitosa com o adversário ou a torcida". Então, como diria o general, vamos raciocinar: o que é desrespeitoso com o adversário? No voleibol (sempre as comparações feitas em em http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/03/futebol-e-voleibol-por-que-as.html ,a respeito de outros tipos), os jogadores não podem comemorar a conquista de um ponto voltados para o adversário. Acho que tirar a camisa não ofende qualquer adversário, já que atletas de diversos clubes fazem isto e, portanto, não se poderão sentir ofendidos. E, afinal, o tirar a camisa e rodá-la sobre a cabeça é uma coreografia. O que vi, em futebol, certa feita, em um jogo São Paulo x Santos, 2002, Diego, então no Santos, foi comemorar um gol pisando no escudo do São Paulo. Fábio Simplício, do São Paulo ficou revoltado e tentou agredir Diego (LANCE! - http://www.lance.com.br/sao-paulo/defensor-escudo-diz-duvido-diego-fazer-aquilo-novo.html). Foi, realmente, um ato de desrespeito tanto aos adversários quanto à torcida, quanto à própria história do São Paulo, com a marca do clube pintada no seu estádio.
E perda de tempo? O que atletas embromam para engordar tempo não é bolinho. No entanto, a maior freqüência de punições é quando os goleiros demoram a devolver a bola. Para outras embromações, o árbitro nem liga.
Agora,... tirar a camisa?...
Penso, todavia, que, para tentar acabar com a proibição, as ações devem partir dos dirigentes, de modo inteligente (quem sabe todos os jogadores de uma equipe, em treino, tirarem as camisas, comemorando, quando for marcado um gol, e os dirigentes filmarem e postarem no youtube, mostrando que em nada altera as condutas esportivas dos jogadores). Concomitantemente, promoverem um movimento coletivo e consistente, junto às federações e CBF e até à FIFA (informando o link dessa ação), e mesmo pela mídia aberta, para indicar que as censuras devem dirigir-se à violência, ao anti-jogo, às embromações, às pressões que bandos de jogadores juntos exercem sobre juízes e auxiliares, peitando-os em grupo, ostensivamente...
Acho que tem muito que pode ser feito, a favor da alegria descontraída e respeitosa no futebol. O que mencionei são apenas ideias. Outras melhores serão encontradas, certamente.

Imagem: GOAL.
http://www.goal.com/br/news/228/copa-do-brasil/2016/11/24/29842292/pedro-rocha-celebra-gols-e-grande-atua%C3%A7%C3%A3o-mas-lamenta-vermelho-e-




17 de nov de 2016

"...É UM ATENTADO CONTRA A DEMOCRACIA!"

Momento em que o grupo tomou o entorno da mesa de onde os membros da Mesa Diretora comandam os trabalhos"Isto não é uma manifestação! É um atentado à Democracia!".
Acordei ouvindo esta expressão. Era a Deputada Federal Jô Moraes. Referia-se à forma pela qual integrantes de um movimento invadiram o plenário da Câmara dos Deputados, condenando veemente, e recomendando punição - quase exigindo.  Ação que foi reprimida, com prisões e estimativas de que alguns dos manifestantes poderão ser enquadrados na quase esquecida Lei de Segurança Nacional.
No mesmo instante em que ouvi a repulsa da parlamentar a uma manifestação abusiva, o noticiário passou a abordar a "Operação Calicut" (ou Calicute), deflagrada pela Polícia Federal, para cumprir ordens judiciais de prisões preventivas, de prisões temporárias e de conduções coercitivas, envolvendo, entre outros, Sérgio Cabral, o ex-Governador do Rio de Janeiro, ele agraciado com dois mandados de preventiva, um de Curitiba outro do Rio de Janeiro. A notícia é de superfaturamento e propinas em obras no Rio de Janeiro, inclusive na obra de reforma do Maracanã. Da ordem de mais de cento e vinte milhões. Com uma peça quase folclórica, de dação, como presente, de um anel com valor de cerca de oitocentos mil reais e posterior devolução pelo marido da presenteada, depois que o doador se viu envolvido em denúncias.
O que eu gostaria, mesmo, era de ver a mesma repulsa de parlamentares, com a mesma veemência, a tantos outros atentados à Democracia, ora em evidência nacional, em face de investigações que já extrapolam a 13ª Vara Federal de Curitiba, à qual se acopla, na Operação Calicut, a 7ª Vara Federal do Rio de janeiro.
Gostaria, mesmo, de ver é a mesma repulsa desses parlamentares à indecorosa proposta de anistia a quem tiver praticado "caixa 2". Anistia que insistem em colocar em um projeto, mesmo sem saber a quem exatamente se dirige esse perdão preventivo. É perdoar antes do pecado, antes que se saiba quem são os pecadores.
Imaginarão esses políticos uma sociedade composta exclusivamente por carneiros? Do mesmo jeito que muitos - mas muitos políticos, mesmo - exorbitam em suas ações, de modo criminoso, será prudente imaginar que alguma parcela da sociedade poderá fazer o mesmo, de forma diversa. Não será a primeira vez. Nem é o caso de aprovar, ou e estimular a violência. Apenas, comparativamente, é estimar que esses políticos estão praticando a mesma violência (violência branca porque usam a força dos cargos) contra as instituições. Em flagrante subversão da ordem pública (já que se fala em Lei de Segurança Nacional, como se só interessassem à segurança os atos de violência explícita), posto que usam a força de um poder que ao Povo pertence ("todo poder emana do povo ..." - Constituição Federal, art. 1º, Parágrafo único), ou seja, avocam um poder que apenas representam para se auto perdoarem. Querem porque querem a tal "anistia do caixa 2". Verdadeiro ato de lesa-majestade (Majestade é o Povo).
Se acredito que esses muitos políticos que se diz estarem mencionados em delações tenham algum grau de culpa? Claro que acredito! E, para crer, não me preciso reportar ao noticiário da imprensa, prisões, devoluções de valores, confissões premiadas, leniência... Basta-me, para crer, o denodo com que os políticos lançam-se a promover o perdão dos envolvidos em "caixa 2". Não houvesse culpados, nem estariam falando nisto.
Aproveito para fazer um paralelo entre esses políticos que praticaram atentados contra a Democracia, mediante ações de corrupção e coisas que tais, e os cidadãos que, em face de suas posições políticas, eram acusados de atentados contra a Democracia e procurados para serem presos, durante o período de ditadura, com ênfase na fase do movimento de 64: esses tinham de esconder-se atrás de um codinome, disfarces (até cirurgia plástica), mudar de residência com afastamento da família, mudar de atividade, mudar de país... Os primeiros - que detêm cargos ou são a eles ligados por laços políticos - escondem-se atrás de uma lei de anistia, que eles mesmos pretendem aprovar.
É o próprio resgate da frase lançada por Samuel Johnson (Inglaterra, Séc. XVIII), motivada pelo fato de que o partido "Os Patriotas", no qual apostara suas preferências políticas, estava sendo minado pela presença de oportunistas em suas fileiras, cada vez em maior número :


"O patriotismo é o último refúgio dos canalhas."

Pois não é que, em geral, os políticos alardeiam que tudo fazem pela Pátria. Isto é que é auto-ajuda!

Imagem: ÚLTIMO SEGUNDO.
http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2016-11-16/camara-deputados-plenario-manifestacao.html

13 de nov de 2016

"... ELES NÃO TÊM UMA SÓ CABEÇA. É UM CONGLOMERADO..."


COLHIDO NA FALA DE UM PERSONAGEM DO FILME "ATIRADOR", COMENTANDO OS MALFEITOS DOS INTEGRANTES DO PODER:

Resultado de imagem para ATIRADOR FILME

"ELES NÃO TÊM UMA SÓ CABEÇA. É UM CONGLOMERADO. SE UM DELES TRAI OS PRINCÍPIOS DE UNIÃO DO DINHEIRO COM O PODER, O OUTRO TRAIRÁ. É SÓ UMA QUESTÃO DE FRAQUEZA HUMANA."

NOTA DO CADIQUIM: Não sei se se trata de defeito na tradução para dublagem. Mas penso que o lógico seria "Se um deles não trai... o outro trairá". Deixo a dúvida para os especialistas.

FOTO:

11 de nov de 2016

RESPEITO ÀS INSTITUIÇÕES

Princípios Constitucionais do  GesPública   Ser Público Moralidade Publicidade Impessoalidade Eficiência Legalidade



Há poucos dias, ouvi do Presidente Temer, pela TV, que precisamos aprender no país a respeitar as instituições. O discurso envolvia críticas pelas ocupações de escolas e manifestações de rua. Encontrei, em mais de um lugar na rede, entre aspas, a fala do Presidente, que reproduzo como me foi dada (foi bem o que ouvi, pela TV):

"Precisamos aprender no país a respeitar as instituições. O que menos se faz hoje é respeitar as instituições, e isso cria problemas. O direito existe para regular as relações sociais. Hoje, ao invés do argumento intelectual, verbal, usa-se o argumento físico. A pessoa vai e ocupa não sei o quê, põe pneu velho, é o argumento físico"... .

Como diria o inesquecível, para mim, Stanislaw Ponte Preta, nascido Sérgio Porto, "prenhe de razão" o Presidente. Resta-me ter certeza de a quem se dirigia Sua Excelência. Afinal, o que não faltam, no país, são as instituições. E, pelo andar da carruagem, estão sendo vilipendiadas nos mais diversos patamares da sociedade brasileira. Vamos lá:
Moralidade, sendo um princípio constitucional (Art. 37), é uma instituição? No entanto, deparamos com pessoas mencionadas na Lava Jato exercendo cargos no governo, sob o argumento de que não foram acusadas, mas "apenas" investigadas.
Eficiência, também um princípio constitucional, é uma instituição? Pelos resultados, só pode ter havido ineficiência na administração pública, nos últimos anos. Desrespeito à instituição? Poderá essa ineficiência que foi tão insistentemente atribuída à ex-Presidente Dilma, deixar à margem quem foi Vice-Presidente durante quase dois mandatos completos. Se não aceitava o papel de "vice decorativo" - como colocou na famosa carta à ex-Presidente - ou se desdecorava ou abria o conflito, naquilo que entendesse fugir das raias da legalidade e da moralidade. Não pode ter passado quase oito anos com o governo, e, agora, dizer que nada tem a ver com o que foi feito. Se silenciou, contribuiu para os insucessos. Isto passa na prova de moralidade?
Saindo da figura do Presidente - que poderia ter dirigido a si próprio o discurso da aprendizagem do respeito às instituições, iremos verificar que, há deputados e senadores ansiosos por uma anistia imoral, incompatível com a moralidade constitucional da administração pública.
Este escrito não é um "Fora Temer" nem quem quer que seja.
O objetivo é recomendar cuidado com as palavras - que se diz serem muito conhecidas e manejadas pelo Presidente - porque, depois de pronunciadas, podem servir a um leque muito extenso de interpretações.
Afinal, neste barco, não há muita gente que possa gabar de respeitar as instituições. Nem precisa falar de Lava Jato.
E mais: ainda prenhe de razão o Presidente:
"O direito existe para regular as relações sociais".
A propósito, como andam nossas relações sociais?

Ges pública 2011.
http://pt.slideshare.net/christianrosa/ges-publica-2011



10 de nov de 2016

NOS "BARAIADOS" DA VIDA...


                      Hoje, pela manhã, caminhando pela rua, 
deparei, à minha frente, com uma mulher que andava em minha direção. Falava ao celular, usando fones de ouvido, fios brancos, bem explícitos. Quando ia passar por mim, observei que, com as mãos desocupadas, manipulava um baralho. Ostensivamente, baralhava as cartas, enquanto falava.
Fiquei curioso. Será que andava preocupada com a situação do Brasil, com a falta de dinheiro e, enquanto andava, punha cartas para o Brasil, para tentar ver o bicho que iria dar? Inútil, pensei. Nem com o melhor baralho dá para antecipar o que está para acontecer no Brasil. Pode dar de tudo.
Ah! Então, enfrentando dificuldades financeiras, tem de fazer tempo integral, e oferecer seus serviços de cartomante, pelo celular, aproveitando até o tempo que gasta caminhando. Afinal, pelo menos uma coisa ela poderia ter previsto: a tecnologia favorece as comunicações em tempo real e integral e sempre há alguém sequioso de predições. Em termos de previsões, todos somos clientes potenciais.
É! Só podia ser isso. A nossa transeunte devia estar pondo cartas para alguém.
Daí para pensar no que o suposto cliente, ou a suposta cliente pretendia saber: amor desfeito, amor que volta, prêmio na loteria... até emprego, que não anda solto por aí...
Caí na real: pode parar, cara! Assim também é demais, pô!

Imagem: Crase sem Crise.

9 de nov de 2016

ROMERO JUCÁ - O ROLHA


rolha_0Não me canso de admirar as possibilidades quase mágicas de alguns políticos. Ontem, pela TV, vi o Romero Jucá - ora líder do Governo no Senado - dizendo que a oposição, antigo governo, está reclamando, mas havia estragado o Brasil e que "nós estamos consertando".
Assustei-me: não era o mesmo Romero Jucá que foi líder no Governo Lula e, até 2012, no Governo Dilma? Obviamente, não deverá ter participado do "estrago". Deixou de ser líder, ficou em outra e, agora, aceitou o status de líder do governo Temer no Senado, para salvar o Brasil.
Fui pesquisar a trajetória do homem. Aparece na Presidência da Funai (1986 - 1988), no governo João Batista Figueiredo (ditadura), conforme a Wikipédia e outras fontes. Passo a falar, então, só do passado recente, de um político que conseguiu dar-se bem com vários Presidentes da República, de partidos diferentes. Ele mesmo terá percorrido vários partidos - PSDB, PDS, PFL, PPR E PMDB. Detalhes poderão ser vistos em várias fontes, na rede.
No governo Lula foi Ministro. No governo Temer foi Ministro por pouco tempo, tendo-se afastado para que uma conversa gravada não desse origem a interpretações malévolas. Foi líder no Senado nos governos FHC, Lula e Dilma.
Só uma pessoa com um currículo assim pode deixar um governo e, no seguinte, afirmar que está salvando o Brasil das bobagens feitas pelo governo anterior, a que serviu, também. É demais para mim.
Por que ROLHA, então?
Tome-se uma rolha de cortiça, de tamanho médio. Lance-se-a em um vaso sanitário e dê-se a descarga. O movimento revolto da água todo mundo conhece (quer dizer: quem tem saneamento básico adequado). Pois não é que, no momento em que cessa o movimento revolto da água, a rolha boia.
Fica sempre por cima.

Imagem: A GAZETA.
http://blogs.gazetaonline.com.br/diaadianocampo/1105/tv-maros-fech-070815-rolha-da-verdade/

18 de out de 2016

BATO PALMAS PARA O CANDIDADO. MAS,.. E DEPOIS?

�ibus de bh j�circula com diesel s-50Assisti, hoje, pela TV, a uma peça publicitária de um candidato a prefeito de capital. Muito interessante: o candidato mostrando-se em uma "peregrinação", pela cidade, dentro de unidades diferentes de transporte urbano. Fazia as críticas e as promessas. Uma passageira falou que nunca vira um político dentro de um ônibus. Respondeu que não é político e que deseja ser prefeito (mais ou menos isto).
Por meu turno, nunca vi político, candidato ou eleito, dentro de um ônibus. E, algumas vezes, falei (acho, até, que por escrito) que autoridades de Associações de Bairro deveriam chegar ao Prefeito, de surpresa, e convidá-lo para uma viagem de ônibus urbano, para ver, ao vivo e a cores, como funciona o transporte público. Não acredito que conheçam o assunto, por via direta.
Chocou-me - favoravelmente, óbvio - a proposta de o candidato conhecer, de corpo presente, como anda o transporte público.
Por isto, bato palmas a esse candidato.
Mas desejo, de verdade, é, se vier a ser eleito, poder aplaudir os que o terão elegido, pela felicidade na escolha. Vai ser preciso, durante quatro anos, andar muito de ônibus e ter outros contatos de primeiro grau com a realidade urbana - o verdadeiro trânsito, os Postos de Saúde, as Escolas Municipais,  por exemplo... E merecer aplausos, ao final, se a intimidade com esses elementos não passar de exibição.

8 de out de 2016

NAS LETRAS DE NOSSAS CANÇÕES - LOURA LUZIA





"Foi nisso que uma coisa estranha baixou no terreiro,
cabeça de área, corpo de bombeiro,
uma perna de três e dois dedos de prosa."





Nei Lopes





Nei Lopes e Jorge Dacreo em "Loura Luzia".








Para ouvir com Nei Lopes e Dunga:
https://www.youtube.com/watch?v=_1Nf1SogXpo


Imagem: GGN -
O JORNAL DE TODOS OS BRASIS.
http://jornalggn.com.br/blog/lucianohortencio/o-aguxo-e-o-carrousel