23 de abr de 2015

DATA DO NASCIMENTO DE PIXINGUINHA - DIA NACIONAL DO CHORO

Foto: Paula Lacerda
Walter (E), marrento como o conheci!


Há mais de sessenta anos deixei-me envolver pelo choro. Foi quando matriculei-me na Escola de Formação Musical da Polícia Militar de Minas Gerais. Ali, na Banda de Música do Batalhão de Guardas, e na Orquestra Sinfônica da PM, conheci músicos de alta linhagem: Ney Parrela (clarineta, sax...); Patrocínio e Plínio, pistonistas; Dolarino e seu irmão Nego, trombonistas; Salvador Villa, clarinetista muito metido, mas muito da pesada; Sebastião Viana, flautista e maestro elegantíssimo da orquestra... gente já formada e muito conhecida no meio. Na parte de baixo, e nas proximidades da minha escola, convivi muito amigavelmente com alguns colegas que se tornaram ótimos músicos e instrumentistas: Walter Alves de Souza (clarinetista), Nilvaldo Lima Ornelas, que se tornou conhecido na mídia por Nivaldo Ornelas 



Em "Tributo a John Coltrane" em que estive presente.



(flauta e saxofone), Célio Balona (teclados), Watson Clis (violoncelo) e muitos outros companheiros que se espalharam pelas bandas da PMMG. Para os que citei nominalmente, a PM ficou pequena. Walter permaneceu na PM, mas atuando em outros segmentos musicais importantes. Célio


Foto: Jonildo Araújo
A mesma cara lerda daquele adolescente que conheci.


Balona nem chegou a concluir o período de formação da Escola de Formação Musical. Lançou-se no mundo e obteve sucesso. Nivaldo Ornelas rodou mundo, com muitas gravações, sempre bem acompanhado e bem acompanhando. Watson Clis também seguiu rumo, tocando e ensinando para universitários a sua arte. Todos são encontradiços na rede, sempre em meios musicais refinados.
Waltson Clis, que pretendo rever em
breve.
É claro que tiveram influências do choro, que, àquela época, era muito executado. Mas quem me levou afeição pelo choro foram Sampaio (que encontrei, há pouco tempo, tocando no Pedacinhos do Céu) e Jacinto (trobonistas), Geraldo Lúcio (Boca Rica), Valdir Américo e Santa Rosa (pistonistas), Antonio Roque (baixista que também atacava de ritmista)...
Muita lembrança saudavelmente emocionante.
Sérginho, que, em vão, tentou
ensinar-me a tocar flauta.
Com um cara desse pra ouvir,
pra que é que eu quero tocar?
Como, todavia, não vivo de lembrança e nem só de gravações, enveredei-me, em Brasília, pelo Clube do Choro e pela Escola de Choro "Raphael Rabello", aonde conheci vários chorões de cepa. Dentre eles, o Serginho - Sérgio Morais - um flautista craquíssimo, que não gosta que digam que o som da flauta dele é maravilhoso, porque não consegue ouvir a flauta tocando, a não ser que a sopre. Andando mais, acabei por encontrar Ausier Vinícius, no Pedacinhos do Céu, em Belo Horizonte (quem quiser conhecer é só digitar "Ausier Vinícius" ou "Pedacinhos do Céu". Acho até que basta só "Ausier", para encontrar. Acho que o cara toca muito! Olha, gente! A casa do rapaz é tão bacana, que, para minha mulher, é "Tenda do Ausier". Diz que ali acontecem coisas do arco da velha. Para eventuais curiosos: "PEDACINHOS DO CÉU - A TENDA DO AUSIER" (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2012/07/pedacinhos-do-ceu-tenda-do-ausier.html). Ali, encontro também - e ouço - o César (outro "egresso" da velha Escola de 
Altamiro Carrilho e Veludo no Pedacinhos do Céu
Ausier Vinícius ao fundo, com seu cavaco,
Sampaio ao trombone, à esquerda,
"acompanhando" Altamiro Carrilho
(cabeça bem branquinha), no
Pedacinhos do Céu.
Formação Musical da PMMG)


Morando em Patos de Minas há cerca de dezoito anos, acabei por encontrar uma turminha que conheci nos anos 1980 e, muitas vezes, ficamos fazendo rodas de cerveja e de chorinho. Destaco, dessa turma,
O "véio" aí é pilha forte! Muito pique.
Muita alegria.
o "véio" "seu" Dizinho, violonista que, sem saber sequer nomes das músicas, acompanha tudo com desembaraço e competência. Cheio dos "devorteios". Tem prestígio na praça.
Sei que o Dia Nacional do Choro é para homenagear Pixinguinha. Mas quero aproveitá-lo para homenagear todas essas pessoas que mencionei, pela admiração que devoto àquelas que não vejo há muito, e pelo prazer e a alegria que me proporcionam as companhias recentes, quando os ouço tocando, ou participo da roda.
São lembranças muito alegres, muito felizes!
É claro, pois, que, através desses amigos, homenageio Pixinguinha, sem o qual não se sabe aonde estaria o choro, nem se estaríamos falando disto, já que o grande flautista e saxofonista é considerado "O Pai do Choro".


Pixinguinha2



Foto Walter: PREFEITURA BELO HORIZONTE.
http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/contents.do?evento=conteudo&idConteudo=31063&chPlc=31063

Foto Nivaldo: Veredas Produções.
http://www.veredasproducoes.com.br/site/eventos/2

Foto Watson Clis: Festival de Música de Santa Catarina - FEMUSC.
http://www.femusc.com.br/2012/01/30/femusc-inicia-segunda-semana-de-atividades-com-mozart-villa-lobos-e-brahms/

Foto Célio Balona: Teatro Bradesco.
http://teatrobradescobh.com.br/programacao/mistura-minas/

Foto Sérgio Morais: EsporteCultura.
http://www.esportecultura.com.br/2013/08/sergio-morais-no-clube-do-choro-de.html

Foto Pixinguinha: ocarnavaldesaopaulo.com.br
http://www.carnavalsp.com.br/abril-e-o-mes-de-homenagem-pixinguinha/