29 de abr de 2015

O POETA WANDER PORTO DÁ O AR DE SUA GRAÇA - SOBRE AMOR, EQUADOR DOS TEMPOS








SOBRE AMOR, EQUADOR DOS TEMPOS







Uma gota de voz é um temporal de estrondos
No silêncio dos céticos.

Um gesto de abraço é uma floresta de mel
No paladar dos amargos.

Uma voz de paz é um estopim de levantes
Na inépcia dos cínicos.

Um rock'n roll é um guindaste de encantos
Na inércia dos caídos.

Um jornal diário é a biografia dos valentes
No desânimo dos opressos.

Um aplauso de pé é a homenagem dos vivos
Ao descanso dos mortos.

Um vagido de parto é a convocação do novo
No reduto dos arcaicos.

Uma alma alegre é o contraponto dos felizes
Ao resmungo dos tristes.

A carne lanhada foi a semente de sangue
Que igualou os adjetivos
E um canto de colheita equalizou os desejos
Ao dividir os tempos!

Uma cantiga de afeto é o coral que deságua
No encanto dos comuns.

A fome de viver é o vapor da caldeira
No comboio dos futuros.

A audácia de ser é o conhaque que esquenta
Os regozijos de inverno.

A capacidade de espanto é o riso atrevido
Que subleva os tímidos.

O verso em chamas é o hino que encanta
O trabalho dos dias.

Um poema de amor é a revolução que legamos
Ao coração do instante!


Arte: Wander Porto - LOLITA NEGRA - Acrílico s/ Tela - 1,40 x 1,10


Postar um comentário