1 de abr de 2015

"NINGUÉM MAIS TEM DÚVIDA DE QUE NEYMAR É CRAQUE"

Foi o que ouvi da Glenda, âncora do "Esporte Espetacular", no último domingo.
Não sei por que ficar discutindo isto. Achei Neymar craque desde que o vi pela primeira vez, menino. Embora magro, achei-o forte em suas participações. Muita técnica, domínio de espaço, coragem... No entanto, nunca concordei com várias atitudes de Neymar e, por isto acho que nem sempre está craque, apesar de ser. Craque de seleção, para mim, tem de estar na elite técnica, física, tática, e da educação esportiva.
Quanto a educação esportiva, reporto-me a duas atitudes do jogador, relativamente a companheiros. Parece-me que ambas envolveram o zagueiro Chicão. Nunca vi qualquer referência a qualquer delas (vi, agora, pesquisando). A primeira aconteceu em um jogo Santos x Botafogo, parece-me (pode ter sido Santos x Corinthians). Falta a favor de um deles, Chicão aproxima-se da bola, abaixa-se para pegá-la, vem Neymar, dá um "toque de classe" e com ele um "lindo! chapéu em Chicão. Ouvi comentarista dizendo que "aquilo" era "coisa de craque". Repetiu o "feito", em um outro jogo, quando quase deu BO (penso que foi essa a oportunidade que está no YouTube, em https://www.youtube.com/watch?v=G4CSZG_oRdE). Impedimento marcado, Neymar aplica o chapéu, segura a bola e sai correndo com ela do local da cobrança (que pertencia ao adversário). Chicão não gosta e empurra Neymar (ainda segurando a bola). Confusão entre jogadores, cartão amarelo para cada um. Relevante desrespeito ao adversário, em ambos os casos. Discordo muito dos comentaristas que acham que é coisa do jogo. Com a bola rolando, o craque pode fazer o que quiser, porque corre o risco de perdê-la. Naquela circunstância, não. Provavelmente Neymar não tivesse assistido ao charivari havido em jogo Palmeiras x Corinthians, quando Adilson "Capetinha" achou de fazer embaixadinhas, quando tinha a bola dominada, e nenhum adversário em
EDILSON - A EMBAIXADINHA
um raio maior que cinco metros. Resultou em briga feia, envolvendo vários jogadores (
https://www.youtube.com/watch?v=tEjD6rKJcmI). Se Neymar assistiu, não avaliou o bode que uma atitude assim pode dar. Como deu.
EDILSON SAFANDO A GATA

Pouco mais tarde, Neymar, por causa de não bater um pênalte, bateu boca, explicitamente com o técnico, tendo chegado a xingar Dorival Júnior, que acabou demitido.
Ora direis: mas Neymar mudou muito. Será?
No jogo contra o Chile, um jogador brasileiro conduzia a bola pela esquerda, Neymar adiantou-se mais de três metros, em impedimento. O colega lançou a bola pelo alto, cruzando a área. Douglas Costa matou no peito. Poderia ter lançado para Neymar. Mas corria o risco de acusarem impedimento do companheiro (não consegui ver se, quando Douglas Costa ia chutar, Neymar estava impedido ainda. Mas probabilidade era real). Douglas Costa chutou mal, para fora. Neymar abriu os braços e reclamou explicitamente, dirigindo-se, irritado, ao companheiro. Ora! Douglas Costa é um novato na seleção. Um estímulo ("na próxima você acerta") poderia ter feito melhor ao neófito. Teria, também, ficado mais apropriado, "mormentemente" porque a posição de Neymar na área era duvidosa (enquanto a bola cruzava a área, estava "muito" impedido). E, principalmente, porque Neymar é o capitão do time, e isto lhe impõe obrigações de respeito aos companheiros, para bem exercer seu "mandato".
Pode parecer que isto nada tenha a ver com o sucesso do craque. Não penso assim. Tanto é que, na minha opinião, Neymar ainda está devendo, na seleção brasileira. Pode ser que esteja exigindo demais. Vi, no dia do jogo contra a seleção chilena, alguém concordar com que a seleção já recuperou sua auto estima. Para mim, a recuperação da auto estima está dependendo da conquista de pelo menos uma copa do mundo. Para que o torcedor possa estufar o peito e declarar-se hexa, ou hepta... campeão do mundo. Como fazia quando a seleção brasileira era apenas citada como penta, mas sem os 7 x 1.
Neymar está no pacote.

Imagens: do YouTube.
https://www.youtube.com/watch?v=tEjD6rKJcmI