10 de jul de 2018

SELEÇÃO BRASILEIRA, CABEÇA DE CADA UM: RESPEITO, SEM CONCORDAR.

Vi, hoje, em feicebuque alheio (vi nada no meu), alusões a diferenças de porte físico entre futebolistas belgas ("belgicanos", como li em algum lugar, atribuindo a Garrincha), sempre com a pergunta: "como é que poderíamos pensar em ganhar, tal a diferença?". Discordei, imediatamente. No mesmo feice, vi pessoas discordando também e citando vários craques brasileiros de baixa estatura que foram campeões do mundo, começando pelo "baixinho" - Romário.
Penso que não é esse o parâmetro de comparação. Fosse assim e bastaria recrutar grandalhões e treiná-los. Ou, então, conformarmo-nos com a possibilidade concreta de nunca mais virmos a ser campeões do mundo, porque a média de jogadores com maior estatura ainda é muito baixa. Penso que a postagem referida desmerece tanto os jogadores brasileiros (classificando-os como incapazes irremediáveis por terem menor estatura) quanto os belgas (como se sua maior arma fosse o porte físico avantajado). São grandalhões que sabem jogar bola, em um time bem treinado. Não sei se o universo belga - no que toca ao tratamento do futebol - é igual ao corrente no Brasil. As informações que vi são bem diversas. Ontem, assisti a um pequeno documentário, mostrando uma escola belga, na qual funciona uma escola de futebol. O apresentador disse que há muitas por todo o país. Daquela apresentada há quatro jogadores na seleção. Fui pesquisar mais um pouco e achei "Geração dourada do futebol belga é tudo, menos fruto do acaso", publicação do Jornal do Brasil (http://m.jb.com.br/copa-do-mundo/noticias/2018/07/08/geracao-dourada-do-futebol-belga-e-tudo-menos-fruto-do-acaso/). Descreve as ações promovidas na Bélgica para desenvolvimento do futebol no país.
Penso que a referência a porte atlético avantajado de jogadores não reflete qualquer verdade, nem se presta a qualquer crítica ou análise séria. Serginho, no volei, foi o maior jogador de uma competição da Liga Mundial (ou outra competição do nível), sem ter feito um ponto sequer, sem uma cortada nem um bloqueio. Mas, pequenininho, defendeu muitos ataques dos grandões do mundo. Futebol é diferente? Pensemos em Pelé (1,73m), Maradona (1,65m), Messi (1,70m), como está no Blog do Rafael Reis e em tanto outros como Romário - o "baixinho", Rivelino, Tostão, Clodoaldo (1,74m), Gerson (1,70m), ... e não vou ficar procurando mais. É só exemplo. Rafael Reis, em seu blog, no UOL, mostrou cinco jogadores famosos com mais de dois metros de altura. Dos cinco, três são goleiros, não podendo servir de elemento comparativo, salvo com goleiros. Os outros dois tiveram sucesso relativo, como se verá em https://blogdorafaelreis.blogosfera.uol.com.br/2017/01/20/gigantes-do-futebol-5-jogadores-famosos-com-mais-de-2-m-de-altura/.
O Brasil venceu em 1958, final contra a Suécia, em Estocolmo. Pelé era um menino, sem o corpo de atleta que exibiu em 1970. Bellini, o zagueiro, media 1,78m, longe dos dois metros. Esse mesmo Pelé tem sido apresentado por grandes jogadores contemporâneos seus, como o homem dos treinamentos após os treinos e da concentração absoluta, principalmente nos vestiários, antes das partidas, havendo referências de que se deitava de bruços, cabeça entre os braços e não admitia qualquer contato naquele momento. Não devia nem falar em Pelé aqui, porque a distância é muito grande.
Vejo, pelas postagens, que os temas das postagens que vi no feicebuque alheio são, principalmente, Neymar e os tamanhos dos jogadores Belgas. Não falaram sobre futebol.
Ainda nesta semana pretendo publicar um texto abordando exatamente esses dois pontos: Neymar e o Futebol.

FOTO: Rodrigo Faraco (@RodrigoFaraco).
https://twitter.com/rodrigofaraco 

NOTA: Rodrigo Faraco (foto abaixo) faz o seguinte comentário (cópia/colagem), na mesma página:

Essa foto está sendo usada nas redes c/comprovação da superioridade belga.Zagueiros e volantes geralmente são mais altos que atacantes.Neymar 1,75.Hazard,10 belga 1,73.O futebol não se resume pela altura dos jogadores.A superioridade belga teve outros fatores mais importantes


Rodrigo Faraco


Postar um comentário