30 de ago de 2013

COMENTÁNDO COMENTÁRIOS: LOBÃO QUER O FIM DO VOTO OBRIGATÓRIO.


Em entrevista à revista Veja – edição 2336, de 28 de agosto de 2013 – Lobão falou sobre política. Transcreve-se parte.

Veja: “O senhor já fez campanha para Lula e depois rompeu com o PT. Hoje, vota em quem?”

Resposta: “Em ninguém. Aliás, aproveito o ensejo para propor uma campanha para o voto deixar de ser obrigatório. Em uma democracia não se pode obrigar. Não quero sair da minha casa para anular meu voto.”

Comentando: Sempre imaginei que um percentual significativo – em torno de 40% – de votos em branco, de cabo a rabo (de vereador a presidente da república) poderá lançar os políticos em pânico. Sinto que têm pavor de votos em branco. Escrevi sobre isto, certa vez, quando o Marco Maciel disse, pela TV, que o voto em branco é uma omissão. Se fosse omissão, não poderia ser uma das alternativas na urna eletrônica. Mania deles de colocar mal o cidadão, quando não se comporta conforme eles querem. Alguns costumam chamar de imbecis os que não concordam com eles. E não são apenas os políticos, não. Até o Superior Tribunal Eleitoral tem deitado lições fantasiosas, para induzir o cidadão a comparecer às urnas. Lembro-me de “o Brasil está em suas mãos”, propaganda enganosa do órgão jurisdicional – propaganda paga por nós. Sobre a mesma empreitada do STE, de querer que o cidadão vote, postei “É tudo?... Para mim é muito pouco!” ( http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2013/04/e-tudo-para-mim-e-muito-pouco.html ). Postei, também, que políticos gastam muito mais tempo buscando e descobrindo broncas uns dos outros, para poderem “bater” em campanhas eleitorais, do que cuidando dos trabalhos que deveriam estar fazendo – “Políticos contra o resto” http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2013/04/politicos-contra-o-resto.html ). Por isto, enquanto o pessoal das manifestações de rua tem de se recolher aos seus afazeres habituais, os políticos ganham salários pagos por nós, para ficarem maquinando suas reações às manifestações.

Não comungo com o pensamento do Lobão – e de muita gente – de que o voto não deveria ser obrigatório. Ainda não temos maturidade para comparecer à urna, mesmo desobrigados. Muitos aproveitariam para transformar o dia da eleição em dia de lazer. Estou desobrigado de votar, por excesso de idade. Mas de bom grado voltaria às urnas, se tivesse a expectativa de um percentual significativo de votos em branco, de cabo a rabo, para adicionar o meu.

Ora direis: mas alguém será eleito! Claro! Precisamos de que alguém seja eleito. Mas teríamos impacto não só na credibilidade local como na internacional. E ficariam explícitas a dificuldade de escolha e as incertezas que dela resultam: se votar em um candidato qualquer, poderei estar votando em um corrupto; se votar em branco, terei a certeza de que não votei em corrupto.

Ainda direis: mas, havendo eleitos, farão o que quiserem.
Devolvo: já estão fazendo! Pois não é que “eles” mantêm uma regra de percentual para cassação?; “eles” votam no escuro, para que a gente não saiba quem é quem; “eles” mantêm o título de deputado federal para um homem condenado pelo Supremo Tribunal Federal, por crimes de peculato e formação de quadrilha, e que se encontra preso; todos “eles” mantêm o sistema de auto proteção. É pouco? Quer mais?