25 de jan de 2018

MILLÔR EM PEDACINHOS - PEQUENA DISSERTAÇÃO: A CORRUPÇÃO


A corrupção não tem causa nem objetivo. A corrupção é simples, sem adornos, não tem partes supérfluas - é uma coisa em si mesma, com sua própria configuração, seu próprio elã, razão de ser acima de qualquer compreensão. Está além de qualquer sentido social, ético ou lógico. A corrupção é.
Por que roubam tanto justamente os que já têm tudo ou até demasiado? Será a corrupção o momento de uma esfera que rola ribanceira abaixo e não pode mais parar e ninguém consegue parar? De qualquer maneira, quando uma esfera rola, há um fundo ou um patamar aonde chega, e que é seu freio natural. Mas a corrupção é cancerosa, elimina do corrupto ou corruptor a mais remota possibilidade de parar ou retroagir e ser outra vez probo, digamos, pelo menos a partir dali. Pelo menos por cansaço. Os guerreiros se cansam, os atletas sexuais se cansam, os artistas se cansam, quase todos os outros tipos de ambições e características humanas se esgotam. A corrupção - um pouco como o poder em si mesmo - é explosiva e, ao mesmo tempo, implosiva. Cresce, avança, ramifica-se, envolve o corrupto e corruptor, justifica-os, dá-lhes forças, novos estímulos, toda uma motivação de vida - até o fim, até o último dia da existência, até a morte. A corrupção é, indubitavelmente, uma das muitas línguas do demônio - um poliglota! - fala. Mamãe, quando eu crescer eu posso ser corrupto?

14/12/1983

Pág. 210 do livro



Postar um comentário