1 de mar de 2018

COISA BOA EM MINHAS VELHARIAS

Ontem, precisei revirar uns papéis antigos, velhos mesmo, e acabei encontrando uma cópia do que me parece uma parte da prova feita por uma pessoa muito jovem, provavelmente ainda pré adolescente. Não sem como a obtive, nem quem é o protagonista. Nenhum registro. Apenas, no pé da página, lado direito, letras muito pequenas, encontro: "Teste seleção-5ª série".

Passo à questão, que transcrevo:

"12. Agora, você é o autor!

        Conte uma história, imaginando ser um objeto ou uma pessoa diferente do que você é, como por exemplo: um lápis, uma borracha, uma bola, ...
        Seja criativo(a)!
        Dê um título ao seu texto!".

Agora, o texto (cópia fiel):

      "O carro de sorte

     Eu, um Gol, estava na loja só esperando ser comprado. Era melhor ficar na loja do que com meu dono.
     Meu dono vivio correndo comigo e acabava em uma batida.
     Ele me levou pro ferro velho. Lá eu passava muito frio.
     Um cara me roubou e começou a tirar as minhas peças para vender.
     Meu dono me achou, me pegou, me consertou e foi completamente diferente do que era: não corria, não avançava sinal, etc
     Me lavava e não me largou por nada nesse mundo.
     Se todas as pessoas mudassem desse jeito os carros seriam bem mais felizes e os donos também."

Após o texto, uma observação: "Muito bem!"

Vou anexar a folha de prova, como que dando crédito (o registro "Teste seleção-5ª série" não aparece na cópia escaneada). A leitura no original não está muito fácil e temo que, reproduzida aqui, alguém não consiga ler. Lamento não saber a quem dirigir esse crédito, pois gostaria muito de conhecer o(a) escritor(a) e, se possível, saber o que faz hoje.





Postar um comentário