6 de fev de 2012

A QUESTÃO SERÁ FÉ DE MAIS OU FÉ DE MENOS?

Jogadores do Oeste comemoram o gol de Mazinho, que ergue as mãos para os céus
Jogadores do Oeste comemoram gol
de Mazinho, que ergue as mãos para os céus
(Legenda de foto no UOL Esporte)
Incomoda-me ver jogadores de futebol erguendo as mãos para o céu, logo após fazerem um gol. Agradecem a Deus. Incomoda-me, porque, dali a pouco, vejo-os fazendo faltas desleais, ou as tais "faltas táticas", engordando tempo, praticando o anti-jogo... Parece-me que as duas coisas não conseguem andar juntas: considerar-se protegido de Deus, e praticar o que - dizem - Ele não aprova.
Mas vou tolerando. Contrariado, mas tolero. Agora, o que aconteceu ontem, no jogo Cruzeiro x Guarani, em que o Guarani venceu, por 1 x 0, ultrapassou. Como disse o Chico Anísio (ou o Arnaud Rodrigues, não sei), num trabalho musical feito por ambos, "Baiano e os Novos Caetanos": "É demais pros meus sentimentos, tá sabendo?". Entrevistado, o goleiro do Guarani disse que a vitória não era mérito "nosso" (dos jogadores do Guarani), nem resultado do nosso trabalho. "Foi a mão de Deus!" Uai! Então, contrariando todas as doutrinas cristãs, e algumas outras que asseguram a existência de um Ser Supremo, Deus torceu contra o Cruzeiro. Acho que extrapolou. Primeiro porque, se numa outra oportunidade, o Cruzeiro vencer  Guarani, Deus será "vira fôia"? Segundo, porque penso que Deus não tem tempo para envolver-se em futebol. Será que não chegam as guerras, os terroristas, as misérias de todos os tipos que pululam pelo mundo? Já se vê que acredito que Ele existe, e que é poderoso até! Mas daí a torcer para o Cruzeiro, para o Flamengo, ou para o Guarani, vai uma distância enorme.

Foto: UOL Esporte FUTEBOL
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2012/04/18/palmeiras-confirma-emprestimo-de-atacante-e-lateral-esquerdo-do-oeste-ate-fim-de-2012.htm