7 de jun de 2016

MIMOS NA COMISSÃO DE ÉTICA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Pela TV Câmara, assisti, no início da tarde, a uma intervenção de um deputado (lembro-me do nome e do partido, mas não vou mencionar), taxando outro de ladrão, dando exemplos de que não me lembro (são tantos os citados nas sessões da Câmara e do Senado...), adicionando um monte de outras invectivas, afirmando que o dito deputado havia enterrado a carreira da própria mulher (acho que foi assim mesmo, citando o nome), e coisa e loisa. O "direito de resposta" veio rápido (não me lembro o nome do outro deputado, por isto não mencionei o do primeiro). Veio uma enxurrada: ladrão, corrupto, safado,... montão de invectivas, também. Procurei na rede e nada encontrei sobre o episódio (pode ser porque a procura tenha sido imediata, pode ser por que as duas condutas não podem ser explicitadas, assim assim...). Lembrei-me de observações feitas por César (ano V a.C.), em sessão do Congresso Romano, "coletadas" por Goscinny e Uderzo, em "Asterix entre os Belgas", oportunidade em que o "anotador dos annais" era orientado, seletivamente.









Sem deixar passar, entretanto, a postagem, neste cadikim, sobre o que me resta, quando vejo parlamentares chamando-se, mutuamente, de ladrões. Sendo certo que se conhecem, não me deixam alternativa:



O texto da postagem referida pode ser visto em http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2014/08/voto-em-branco-porque_13.html