18 de jan de 2015

QUANDO QUALQUER ARGUMENTO DO EX-PRESIDENTE SERVE. OU QUANDO A MALDADE IMPERA.


Não me agrada discutir, neste blog, comportamentos de políticos.
Principalmente quando as informações sobre esses comportamentos vêm-me através de rede social. Há que dar um desconto, quanto à possibilidade de ser verdadeiro. No caso em pauta, por exemplo, não consta que o texto tivesse sido falado, ou apenas escrito. E, para texto escrito, o vernáculo está sendo maltratado. Além disto, a Presidente da República não está sendo tratada como "Presidenta". como seria de se esperar. Pode ser indicativo de que não seja verdade. Mas há momentos em que calar fica muito mal. Se trato de uma postagem, é porque, em outras oportunidade, o ex-Presidente fez pronunciamentos parecidos, sem o devido respaldo da lógica, e escorregando no vernáculo - pronunciamentos a que assisti em entrevistas ao vivo, principalmente sobre assuntos que chamo de "de influência na massa". É por isto que vou ao assunto.
Chegou-me uma postagem com texto atribuído ao ex-Presidente, encontrado em

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=781597911910575&set=gm.846332995425968&type=1&pnref=story 

com indicação de origem da publicação.





O que me ocorreu, imediatamente, é que, se um Estado dos EEUU, em que a pena de morte exista, tanto o Presidente Obama quanto o Governador de Estado poderão não aceitar um pedido de clemência da nossa Presidente, porque os EEUU ou esse Estado não estarão, obviamente, vivendo na miséria. A restrição é só para os que vivem na miséria.
Ressalvo a possibilidade de se tratar de montagem, de não ser verdade.
Se for verdade, o pronunciamento é preconceituoso. Se não for verdade, quem inventou é mau, porque está querendo ver o circo pegar fogo.