17 de jan de 2015

RESTAURANTE VILLA COMINI - A MARCA DO TEMPO




Não sei como a coisa começou. Frequentemente, pai é o último a saber. Só sei que o Beto (Paulo Roberto Villarreal) apareceu em Passa Quatro - Sul de Minas - e na vida da Ana Comini, quando esta dedicava-se ao comércio de roupas. Acabaram juntando os trapos. Dali a pouco, o Beto começa a tirar onda de "chef", adquire um restaurante, começa a adaptá-lo. Como tem bicho carpinteiro no corpo, vai trabalhar de servente de pedreiro, nas obras de adaptação. Acaba instalando o restaurante, "sob nova administração". Papo vai, papo vem, entregou o restaurante para a Ana, que mudou de ramo, e deram-lhe o nome de Villa Comini. Um nome significativo da união dos dois e que ficou muito bonito - charmoso, até, para não dizer chique.
Seis anos correram. A persistência, a dedicação ao trabalho, leituras, discussões e mudanças geraram acúmulo de experiências e conhecimentos. O tempo concorreu para a formação de uma equipe que, nesse curso, esforçou-se para desenvolver-se também, de forma homogênea, dando ensejo a que o Villa Comini crescesse de modo integral.
O João foi uma perda, nessa caminhada, tendo seu falecimento deixado tristeza e uma lacuna a ser preenchida na parte da organização. Sua presença, constante colaboração e modo de ser continuam fazendo falta.
O mesmo tempo que pediu trabalho devolveu resultados e uma clientela mais que amiga, simpática, frequente e agradável.
Resultado é que as pessoas envolvidas estão felizes e continuam querendo melhorar, ao mesmo tempo que Passa Quatro conta com um estabelecimento
 que dá suporte importante a um dos elementos da economia da cidade - o turismo.

Foto: Sérgio Villarreal - Logomarcas.
https://sergiovillarreal.wordpress.com/logomarcas/
Postar um comentário