22 de mar de 2015

RENATO DUQUE: A ELOQÜÊNCIA DO SILÊNCIO


Pode ser que esteja dando importância a um detalhe que não a mereça. Mas o que mais me impressionou nas declarações de silêncio de Renato Duque, perante a CPI da Petrobras, foi:

"Não pensei que fosse tão difícil ficar calado."

Por minha memória, essa fala foi em "resposta" à referência do Relator a afirmação de Sérgio Gabrielli, também perante a mesma CPI, de que, se ocorrera corrupção na Petrobras, foram em ações individuais, insinuando que as ações dos diretores corrompidos nada tinham a ver com a presidência e outros setores interessados.
Duvidei da minha memória e fui conferir o vídeo (http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2015/03/renato-duque-fica-calado-em-depoimento-na-cpi-da-petrobras.html).
Foram exatamente as palavras dele.
Não vi realce desse detalhe pela mídia. Repetiu-se, sempre, que Duque declarou e exerceu seu direito de ficar calado.
Mas eu achei naquela fala excepcional a eloqüência do silêncio.


Imagem: @Abobado.
https://abobado.wordpress.com/2014/04/06/esquemas-ardilosos-contra-a-cpi-da-petrobras/