23 de dez de 2012

PERSONALIZADO?

Um atributo que muitos fornecedores de serviço apregoam, relativamente a seus serviços é o tal de "personalizado". Ocorre de fornecedores de bens de consumo fazerem a mesma coisa. Sempre achei uma balela. Todo mundo quer possuir um bem personalizado, ou ter atendimento idem. É o caso, por exemplo, do sujeito que "truca" o advogado, dizendo-lhe, até com certo autoritarismo:
- Você é meu advogado!
"Sou nada!", poderá responder. O advogado pode estar vinculado ao cliente para um ou mais casos. Mas a expresão "meu advogado" tem custo bem maior: o sujeito tem de ser patrão do advogado, contrato de trabalho, pagar-lhe salário, 13º e demais obrigações. Caso contrário, o causídico (tenho de variar, pô!) será advogado do sujeito em determinada causa, pois estará sendo remunerado apenas para isto. Plantão custa pouquinho mais caro.
É só para tentar deixar claro que todo mundo quer algo personalizado.
Vai daí que os fornecedores aproveitam-se, douram a pílula e fingem para o cara que o mesmo é diferente: atendimento personalizado! Que nada! Os clientes "personalizados" dos bancos são iguais a todos os de seu nível econômico-financeiro. E assim por diante.
Hoje, o "personalizado" foi mais, muito mais longe: estava eu dando uma passeadinha no Pequenos Negócios & Grandes Empresas, quando vi um fabricante de bolas (futebol, futsal, etc.) badalando seu negócio. Falou que produz quatrocentas bolas personalizadas. Quatrocentas?!!!!! Uma, de cada tipo, cada uma com desenho diferente, para cada consumidor?
Ora, não me venham com os borzeguins ao leito!

Foto: Jequié Repórter
http://www.jequiereporter.com.br/blog/archives/8666