1 de jun de 2015

PAPOS DOMÉSTICOS

Falei da academia ao ar livre que existe no Parque do Mocambo (http://cadikimdicadacoisa.blogspot.com.br/2015/05/parque-do-mocambo-novidades-atrativas.html). Estive lá, hoje pela manhã. Havia pelo menos cinco pessoas exercitando-se. Dentre elas, duas senhoras, a que não prestei muita atenção, enquanto estávamos em aparelhos diferentes. Pareciam íntimas, posto que papeavam o tempo todo, enquanto se exercitavam. Depois de passar por vários aparelhos, para conhecer o funcionamento, cheguei em que a ação assemelha-se a esquiar. As duas senhoras estavam lá. Juro que não fui bisbilhotar. Mas já disse alhures que a vida não está dentro de casa, está nos diversos ambientes externos. Foi naquele ambiente que pude ouvir os papos das duas, que continuavam conversando tranquilamente, enquanto se exercitavam. No início, era a aquisição e conservação - ou não - de gêneros alimentícios. Uma defendia que, para quem não mora longe, é muito mais saudável ir ao mercado muito amiúde, para comprar frutas e verduras, do que guardar coisas na geladeira. Dali, passaram para as carnes. Falaram de carne bovina e de suína, bem como dos gostos familiares. Tinham de acabar em peixe. Uma disse que gosta muito de tilápia, e que passa cada lado em pouco óleo, rapidamente, e come. A outra aconselhou a assar. Disse que pessoa de sua família empana e assa, em vez de fritar, porque é mais saudável, não fica gorduroso. Disse, entretanto, que não gosta de comer peixe, porque "...a gente nem sabe a descendência dele"...



De fato, minha senhora! Não tem cabimento sair por aí comendo peixe que pode ser descendente de um tubarão que comia carne humana, ou mesmo de desses peixes que só comem a terra do fundo do rio e que, por isso mesmo, é chamado de papa-terra. Um absurdo!


Foto: Cria Peixe Tilapicultura.