11 de jun de 2015

UMA NAMORADA AUDACIOSA E INSISTENTE

Está lá, desde a noitinha, quando chego à janela. Olha-me descaradamente, colocando nesse olhar todo o esplendor de seu ser. Nem a sua insistência - persistência mesmo - surpreende-me mais. Até me causa imenso prazer, quase vaidade.
O namoro vai até por volta das nove e meia da noite, quando se recolhe, muitas vezes sem que nos possamos despedir. Se chego sempre à janela, para ver se ainda lá está me olhando? Claro que chego. A toda hora, encontro um pretexto para chegar-me a meu posto de observação e vê-la, com seu brilho, na maior parte das vezes escandaloso. Ou não vê-la mais, se já se recolheu.
Quando é lua cheia, parece mais lânguida, um pouco menos insinuante. Na lua nova, sabendo-se envolta em escuridão, penso que se exibe mais, deixando à mostra todo o seu
extraordinário brilho.
Ah! Aquela estrela...