26 de jul de 2012

SELEÇÃO FEMININA DE FUTEBOL NA OLIMPÍADA: VALORIZANDO O COLETIVO. MASCULINA, NEM TANTO.

Foi na construção do gol da Marta, no jogo contra Camarões. Cristiane deu uma arrancada, passou por adversárias, com direito a "gaúcha", que o comentarista chamou de "meia-lua" e que tem um montão de outros nomes. Depois da festa, deslocada para a esquerda, cruzou a bola. Marta teve o trabalho de guardar. Uma das jogadoras do Brasil (infelizmente, não consegui identificá-la) não correu para abraçar Marta. Correu na direção de  Cristiane. Nada mais coerente. Toda a construção da jogada fora feita por esta. Não se quer desvalorizar a conclusão da Marta, mas valorizar a construção de Cristiane.
Hoje, Brasil x Egito, gol de Leandro Damião. A bola fora lançada pelo alto, em direção á área. Subiram Leandro Damião e um adversário. Ninguém tocou na bola, que seguiu na direção da grande área. Oscar acompanhou-a, em velocidade. Alcançou, dominou, passou pelo goleiro egípcio e ainda teve de desvencilhar-se dele, que tentou agarrá-lo, ou, pelo menos, desestabilizá-lo com um pequeno agarrão (se é que possa haver agarrão pequeno). Livre, mas sem ânulo, deu uma olhada rápida para o meio e cruzou rasteiro. Leandro, chegando, acertou um belo chute. Saiu comemorando sem dar bola para Oscar - que lhe dera a bola. Foi Oscar quem se dirigiu a Leandro Damião, para comemorar com ele.
Gostei mais da atitude da jogadora - cuja identificação, por ironia, não se - de correr para Cristiane e não para Marta.

Imagem: Blog do Guilherme Brian.
http://gx-guilherme2gx.blogspot.com.br/2010/08/jogos-olimpicos.html
Postar um comentário