10 de mar de 2013

CARRINHO EM FUTEBOL RESULTOU EM FRATURA DE PERNA




FotocomHoje, no jogo Ponte Preta x São Caetano, um defensor do Azulão aplicou um carrinho, por trás, em Ferrugem, da Ponte. Resultado: fratura da perna esquerda.
A responsabilidade de defensor não pode motivar contusões graves, frequentes, em vários jogos. Um dos fatores determinantes é o carrinho e, principalmente, carrinho por trás.
Quanto me envolvia com futebol de salão (dá para ver que foi há muito tempo, pois nem era futsal), qualquer carrinho era falta; qualquer entrada por trás, também.
É óbvio: quando um jogador ataca outro por trás, a bola estando na frente do atacado, não há como chegar a ela sem atingir o adversário, por mais leve que seja. Há jogadores que entram por trás e, quando o juiz marca falta, têm a cara de pau de indicar que foram na bola, em gesto com as mãos.
Não embeleza o futebol e representa risco para os atletas.
Gostaria de ver os juízes marcando faltas em carrinhos - principalmente por trás - e entradas por trás, por mais leve que seja o choque resultante da ação.
Costumamos reclamar da diminuição da qualidade do futebol (quem não viu diz que é saudosismo) mas, do jeito que está sendo tratado, não há necessidade de o jogador evoluir técnicamente, se pode ter sucesso fazendo faltas.
Para que aprender a jogar bola?

Imagem: UOL Esporte.
http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2006/10/04/ult59u105117.jhtm

Postar um comentário