15 de mar de 2012

O QUE QUEREM, AFINAL, NOSSOS COMENTARISTAS ESPORTIVOS?

Íniciei este blog falando sobre isto. Perguntei como ficam os juízes de futebol.
Volto ao assunto.
Na final da Copa Rio de Sub 17, o juiz expulsou um jogador de cada lado. Os dois enfrentaram-se, ostensivamente, sem meias medidas. Imediatamente, o comentarista achou que o juiz fora rigoroso, porque, em se tratando de rapazes, teria bastado uma reprimenda verbal, ou mesmo um cartão amarelo.
Uai! Então, dois jogadores enfrentam-se, cabeça com cabeça, falando um com o outro, portando-se exatamente como dois galinhos de briga, e não podem ser expulsos? O que querem, afinal, nossos comentaristas. Um futebol em que o jogador saiba que poderá ultrapassar os limites da disciplina, e que nada ou quase nada irá acontecer? Distância da disputa saudável? Penso que a atitude dos dois jogadores foi muito além de um ligeiro desentendimento pessoal. Ambos acharam de arbitrar aquele pedacinho do jogo. Cada um deles terá achado - como penso, em razão de episódios parelhos - que pode advertir o adversário. Já vi jogador cavalgando um adversário, que lhe dera um drible, e cotucando-lhe as costas, com o dedo em riste, como se fosse proibido dar dribles e o driblado pudesse admoestar o driblador. Será, finalmente, que os comentaristas querem que a educação esportiva não possa ser transmitida rapazes de tenra idade, pela forma regulamentar?  Aí, não é comentário. É pitaco, é palpite. Penso que jogador em formação tem de ser enquadrado no regulamento, se quisermos que o futebol não fá para a cucuia de vez.
Ontem, assisti ao jogo São Paulo contra o Independente, do Pará, pela Copa do Brasil. Aos 35 minutos do primeiro tempo, o juiz expulsou Fidélis, do Independente, com o segundo cartão amarelo. Lucas avançava pela direita e Fidélis tentou segurá-lo. Lucas segui em direção ao gol e Fidélis empurrou-o, jogando-o ao chão. Pois não é que o comentarista achou rigoroso? Disse que o cartão fora merecido, quando da primeira falta. Mas, naquele caso, não coube. O time do Independente estava "batendo" forte, várias faltas pesadas. O que queria o comentarista? Que o juiz deixasse rolar?
Realmente, não sei o que querem os comentaristas esportivos.